Sorocaba e Região

Vagão de trem continua pegando fogo em Sorocaba

Segundo os Bombeiros, a grande quantidade de celulose impediu que as chamas fossem apagadas totalmente
O vagão foi trasportado até o pátio da Rumo, que fica atrás do Museu Ferroviário. Crédito da foto: Emídio Marques (25/09/2019)

*Atualizada às 9h28

O vagão de trem da empresa Rumo, carregado com celulose, continua pegando fogo em Sorocaba na manhã desta quarta-feira (25). O incêndio foi flagrado pela reportagem do Cruzeiro do Sul. A informação de que se trata do mesmo vagão que pegou fogo na tarde de ontem foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros.

Segundo os Bombeiros, a grande quantidade de celulose que era transportada pelo vagão impediu que o fogo fosse apagado totalmente. Por isso, o vagão foi transferido da via férrea que passa pela Vila Senger. Ele foi empurrado até o pátio da Rumo, que fica atrás do antiga estação ferroviária. O local é supervisionado pela corporação.

Ainda conforme o Corpo de Bombeiros, uma viatura e uma retroescavadeira auxiliam no controle do fogo desde às 7h30. Porém, a reportagem esteve no local entre 8h30 e 9h e não constatou a presença da equipe.

 

O Corpo de Bombeiros foi acionado para conter as chamas por volta das 15h desta terça-feira (24). O fogo começou quando a composição passava pela zona leste de Sorocaba, próximo da antiga empresa Villares e da Usina Cultural. Ninguém ficou ferido.

Leia mais  Prefeitura de Sorocaba recebe proposta para implantação do Trem Turístico

 

De acordo com a Rumo, concessionária do transporte ferroviário de cargas, as chamas foram iniciadas por um vândalo. A empresa ressalta que seus vigilantes “fazem rondas constantes com o intuito de coibir atos de vandalismo, mas os seguranças não têm poder de polícia”, e afirma que irá tomar as providências legais sobre o ocorrido.

A composição partiu do terminal de Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, e tinha como destino o porto de Santos. O trem estava carregado com 70 toneladas de celulose distribuída em fardos. (Da Redação)

O vagão estava carregado com fardos de celulose. Crédito da foto: Emídio Marques (25/09/2019)
Comentários