Sorocaba e Região

Região de Sorocaba permanece na fase laranja do Plano São Paulo

Na atualização desta sexta (15) do Plano SP, sete regiões regrediram para a fase laranja e uma para a vermelha
Sorocaba registra quase 12 mil recuperados da Covid-19
A região de Sorocaba não regrediu de fase no Plano São Paulo. Crédito da foto: Vinicius Fonseca (24/7/2020)

Atualizada às 14h

As 48 cidades do Departamento Regional de Saúde (DRS) de Sorocaba permanecem na fase 2 (laranja) do Plano São Paulo. O anúncio foi feito pelo governador do Estado, João Doria (PSDB), na tarde desta sexta (15), durante a 18ª reclassificação do plano de enfrentamento da pandemia de Covid-19. Na coletiva de imprensa, o secretário  de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, também lembrou que a região de Sorocaba terá 30 novos leitos estaduais de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Covid. Esses leitos, entretanto, já estão em operação há alguns dias.

Na atualização desta sexta (15), sete regiões que estavam na fase 3 (amarela) foram rebaixas para a laranja. São elas: Araçatuba, Bauru, Franca, Piracicaba, São José do Rio Preto, Taubaté e Presidente Prudente. Já Marília regrediu da classificação laranja para a 1 (vermelha). O rebaixamento foi necessário porque os municípios apresentaram piora nos índices pandêmicos, na última semana, informou a Secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen. Atualmente, 67% da população paulista está em áreas classificadas na fase laranja, 31% na amarela e 2% na vermelha.

A próxima atualização do Plano São Paulo estava prevista para o dia 5 de fevereiro. Mas, diante do crescimento nos números da pandemia em todo o Estado, foi preciso adiantá-la, afirmou Doria. “É uma medida preventiva e extremamente necessária, para proteger vidas”, justificou o governador. Segundo o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, o total de casos da doença aumentou 5% na última semana, na comparação com a anterior. O total de óbitos subiu 2%, enquanto as internações aumentam 10%, nos últimos sete dias. O porcentual de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), hoje em 67,5%, também preocupa, destacou Gorinchteyn.

Ainda conforme Doria, a alta nos números revela a incidência de uma segunda onda da pandemia no Estado. Esse agravamento, afirmou Gorinchteyn, é consequência das aglomerações registradas durante as festas de fim de ano. De acordo com o secretário, as consequências do desrespeito ao isolamento social e às demais medidas de prevenção à Covid-19 no Natal e no Ano Novo começaram a aparecer agora. “Estamos em um momento de atenção e alerta máximo”, frisou Gorinchteyn.

Leia mais  Sorocaba vacina idosos de 82 anos ou mais nesta segunda-feira (1º)

Novas medidas

Patrícia Ellen ainda anunciou a adoção de novas medidas para frear a disseminação do vírus nas cidades paulistas. Agora, as empresas serão orientadas a organizar reuniões compostas por, no máximo, 25 pessoas, com distanciamento mínimo de 1,5 metro entre elas. Além disso, munícipios onde houver lotação nas UTIs Covid serão aconselhados a endurecer as medidas restritivas em vigor. Essas ações passaram a vale a partir de segunda-feira (18), para as regiões terem tempo hábil de se preparar e se adequar, detalhou a secretária.

A partir desta sexta (15), a Defesa Civil também passará a emitir alertas, via mensagem de texto (SMS), sobre o alto de risco de contágio pela doença em São Paulo.

Vacina

O  governador estadual igualmente comunicou o envio de 4, 5 milhões de doses prontas da vacina Coronavac para um centro de distribuição do Ministério da Saúde, situado no Terminal de Cargas do Aeroporto de Guarulhos (Teca). Posteriormente, o ministério iniciará a transferência do imunizante, desenvolvido pelo Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, para os 25 estados brasileiros e para o Distrito Federal, detalhou Doria.

O governo espera que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprove, já neste domingo (17), o uso emergencial da Coronavac e do imunizante desenvolvido pelo laboratório britânico AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, com o apoio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A previsão de início da vacinação no Estado, segundo o presidente do Butantan, Dimas Covas, está mantida para a próxima semana.

Leia mais  Rede estadual serve merenda a alunos de famílias mais vulneráveis

Doria falou, ainda, sobre a expectativa da liberação, pela Anvisa, do uso de outras vacinas no Brasil, em decorrência “do quadro gravíssimo de saúde pública no País”.

Respiradores

O governo paulista destinará 40 respiradores, produzidos pela Universidade de São Paulo (USP), para o Amazonas, informou Doria. O estado vive, atualmente, uma crise de saúde pública, por conta da falta do equipamento.

Regras da fase laranja

Na fase laranja, a maioria dos segmentos pode funcionar. Sendo assim, shoppings centers, galerias, comércio de rua, concessionárias de veículos e restaurantes podem funcionar por até oito horas diárias. Esses locais devem abrir após às 6h e fechar antes das 20h. Serviços considerados não essenciais, a exemplo de salões de beleza, barbearias, academias de ginástica e centros esportivos, também podem operar durante oito horas, diariamente, nos mesmo horários. As mesmas regras valem para eventos, convenções e atividades culturais. Todos os estabelecimentos podem funcionar somente com 40% da capacidade.

Consumo local em bares, assim como demais atividades que gerem aglomeração, seguem proibidas. Independentemente do segmento, todos os setores devem adotar protocolas de prevenção ao coronavírus.

Leia mais  Homem que mora em Registro desaparece em Sorocaba

Adiantamento

Na manhã desta sexta (15), o prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga (Republicanos), já havia adiantado sobre a permanência da região na fase laranja. A informação antecipada, disse Manga, foi foi passada pelo secretário Vinholi.

O prefeito falou ainda tenta implantar o chamado Plano Sorocaba, paralelo ao Plano São Paulo, com medidas específicas para a cidade. Para a implementação da iniciativa, Manga segue em negociação com o governo estadual. A medida amplia o horário de funcionamento dos estabelecimentos, hoje restrito a oito horas, para até 18 horas diárias. O período seria divido em três blocos, de 6, 12 ou 18 horas, no intuito de evitar que os funcionários realizem suas refeições dentro dos locais. (Vinicius Camargo)

 

 

 

 

 

Comentários