Sorocaba e Região

Manchas chamam atenção de visitantes em lago no Campolim

Moradores cogitaram que material orgânico boiando na água poderia ser novo caso de contaminação
Manchas de material orgânico chamaram atenção de visitantes em parque do Campolim. Crédito da Foto: Pedro Henrique Negrão (16/02/2021)

Manchas que surgiram em um lago no Parque Carlos Alberto de Souza, no Campolim, chamaram atenção de visitantes durante a manhã desta terça-feira (16) em Sorocaba. O material orgânico que estava boiando na água foi confundido com um possível novo caso de contaminação.

Técnicos do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) e da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) foram até o local após reclamações dos moradores. De acordo com o titular da Sema, o veterinário Antonio Prieto Neto, uma análise preliminar do material identificou que as manchas seriam resíduos orgânicos que ficam na água, uma espécie de plâncton.

“Com as fortes chuvas da madrugada, a água foi revirada e esse material que estava sedimentado no fundo do lago veio para a superfície. Tudo indica que seja material orgânico e não uma nova contaminação com produto químico”, explica Neto.

Leia mais  Laudos apontam que elefanta Haisa morreu de causas naturais
Análise preliminar identificou que manchas eram material orgânico e não poluentes. Crédito da Foto: Pedro Henrique Negrão (16/02/2021)

Outra situação que reforça a hipótese é o fato de não haver cheiro forte ou marcas que evidenciem o descarte de poluentes industrializados no lago.

Um caminhão do Saae foi acionado para remover o material orgânico da água. A medida é estética, já que não se trata de degradação, segundo os técnicos da autarquia.

A cena chamou atenção de visitantes porque o mesmo lago, localizado nos fundos da pista de caminhada, já foi alvo de contaminação duas vezes nos últimos dois meses. Em dezembro, 350 quilos de peixes mortos foram retirados do local por conta da contaminação que cobriu o lago. Já em janeiro, novas manchas foram vistas no local, porém sem mortandade de animais. Nesta última ocasião, o Saae não encontrou o local do despejo irregular. Os casos são investigados pela Polícia Civil e Ministério Público. (Jomar Bellini)

Secretário de Meio Ambiente analisa manchas de material orgânico em lago no parque do Campolim. Crédito da Foto: Pedro Henrique Negrão (16/02/2021)
Comentários
Assuntos