Esporte Exterior

Argentinos se despedem do ídolo Maradona em velório na Casa Rosada

Maradona faleceu aos 60 anos, vítima de uma parada cardíaca
Público se emociona em despedida de Diego Maradona na Argentina. Crédito da Foto: ALEJANDRO PAGNI / AFP

Entre choros e cânticos, milhares de argentinos iniciaram nesta quinta-feira (26) um lento desfile diante do caixão de Diego Maradona, que está sendo velado com honras na Casa Rosada, em um caixão coberto com bandeira argentina e com as camisas da seleção do país e do Boca Juniors com seu número “10”. Maradona faleceu aos 60 anos, vítima de uma parada cardíaca.

Pouco depois das 6h, as portas da sede de governo foram abertas para a entrada dos torcedores, inconsoláveis, que permaneceram durante a noite em vigília na Praça de Maio, com direito a cânticos de despedida a seu ídolo. “Ele é um gênio, ele é o povo, ele é como nós, a vida, o amor”, disse Andrés Quintero, de 42 anos, que viajou duas horas, da cidade de Tigre, para acompanhar o velório.

O início foi marcado por alguns distúrbios entre a multidão e a polícia, após o atraso do início do velório, que prosseguirá até 16h. O velório foi reduzido de três dias para apenas um, a pedido da família.

Leia mais  Brasil será sede de competições pan-americanas de ginástica

A entrada da Casa Rosada está atravessada por uma enorme fita preta, sob a qual alguns fãs entram sem conter as lágrimas.

Argentinos se despedem do ídolo Maradona em velório na Casa Rosada. Crédito da Foto: ALEJANDRO PAGNI / AFP

Centenas de mensagens enviadas por atletas e personalidades políticas de todo mundo refletiram a popularidade internacional do astro argentino. Lionel Messi e Pelé, outras estrelas mundiais do futebol, encabeçaram uma longa lista de emotivas despedidas a Maradona.

Choros e aplausos

“Diego, eu te amo para sempre”, gritou um dos primeiros torcedores a entrar na Casa Rosada para se despedir do ídolo.

De acordo com o resultado preliminar da necropsia, ele sofreu uma “insuficiência cardíaca aguda, em um paciente com uma miocardiopatia dilatada, e insuficiência cardíaca congestiva crônica que gerou edema agudo de pulmão”.

“Foi o melhor do mundo, vamos sentir falta e rompeu nossa alma com sua partida”, disse à AFP Diego Armando Cabral, um pedreiro de 29 anos que recebeu o nome em homenagem ao jogador.

Claudia Villafañe, ex-esposa de Maradona e suas duas filhas, Dalma e Gianinna, chegaram antes da meia-noite à sede presidencial para uma despedida íntima.

Leia mais  Timão pega o Flu em duelo por G6

O presidente argentino, Alberto Fernández, decretou três dias de luto nacional. (AFP)

Comentários