Rota do Equilíbrio

4 Mitos Mais Comuns Sobre O Consumo De Carne Vermelha

A nutrição, infelizmente, está cheia de mitos.

E o maior problema é que muitos desses mitos nos privam de viver a vida com maior leveza e paz mental.

Por exemplo, existe o mito de que é necessário comer de 3 em 3 horas para emagrecer ou ganhar massa muscular. Esse mito faz com que muitas pessoas fiquem o dia todo pensando em comida, preocupadas com a hora de comer e com qual alimento vão ingerir daqui há alguns momentos.

Isso sem falar que isso muitas vezes é usado como desculpa, afinal é muito difícil para muita gente ter de se alimentar de acordo com um intervalo de tempo predeterminado.

Outro desses mitos, o qual iremos desbancar hoje, diz respeito à carne vermelha.

Tristemente, muita gente acaba evitando esse alimento tão gostoso e rico nutricionalmente por achar que ele faz mal.

Ou pior, quando come, como por exemplo em churrasco de confraternização com amigos e familiares, acaba se sentindo culpado.

(Inclusive, mostramos porque o grande problema de um churrasco fica por conta das bebidas alcoólicas, e não das carnes.)

E achamos que isso não está alinhado de maneira alguma com uma vida equilibrada.

Mas, antes de mais nada, vale deixar claro que o primeiro passo de uma “rota para o equilíbrio” é saber respeitar as diferenças e opções de cada um.

O objetivo do texto não é falar que você DEVE comer carne vermelha, muito pelo contrário, é apenas demonstrar que você pode comê-la sem achar que está estragando sua saúde.

E, se você optou por ser vegetariano excluir esse alimento da sua vida por motivos particulares, tudo bem também, aqui a palavra de ordem é “respeito”.

Então vamos aos mitos sobre a carne!

Mito #1 – A Carne É Rica Em Colesterol E Em Gordura Saturada

Realmente, a carne possui colesterol e gordura saturada… Mas qual o problema disso?

Leia mais  Receita Pão De Frigideira Saudável e Prático (Sem Glúten!)

O verdadeiro mito então seria o de que você tem de se preocupar com gordura saturada e colesterol.

Isso porque a ciência já mostrou que tanto a gordura saturada quanto o colesterol tendem a ser inofensivos.

Na verdade, o colesterol é uma molécula fundamental para diversas funções vitais, tanto é que nosso próprio fígado o produz em quantidades suficientes – e quando você ingere colesterol através da dieta, seu fígado simplesmente produz menos, de modo que seu nível total não se altere muito.

E mesmo quando ocorre alguma alteração, o que acontece é uma elevação sutil dos níveis de colesterol LDL, juntamente com uma elevação do HDL, o chamado colesterol bom, que possui função protetora.

O mesmo ocorre em relação à gordura saturada: ela também eleva o HDL.

Finalmente, em estudos populacionais realmente amplos, que incluem centenas de milhares de pessoas, foi apontado que a ingestão de gorduras saturadas e colesterol não está associada com risco superior de doença cardíaca.

Na verdade, o que foi apontado é que a gordura saturada está associada a um menor risco cardíaco e de derrame – outra causa comum de morte e sofrimento.

Mito #2 – Carne Causa Doença Cardíaca e Diabetes Tipo 2

Esse mito é muito engraçado por alguns motivos.

Primeiro que, conforme Gary Taubes apontou em seu livro Good Calories, Bad Calories, essas são doenças novas… mas o consumo de carne é antigo: o ser humano (e seus ancestrais) comem carne há milhões de anos.

Estranho, não é? Apontar uma comida antiga como causadora de novas doenças não faz muito sentido.

Felizmente, existem dois estudos amplos e significativos para nos tranquilizar.

Num deles, publicado em 2010, os pesquisadores compilaram dados de 20 estudos, perfazendo um total de 1.218.380 pessoas. Não foi encontrada nenhuma relação entre consumo de carne não-processada e doença cardíaca ou diabetes.

Leia mais  A importância de treinar (e ter) força

Outro grande estudo, feito na Europa e incluindo 448.568 pessoas também não encontrou ligação entre carne vermelha não processada e essas doenças.

Além disso, conforme vimos acima, uma maior ingestão de gordura saturada pode estar associada a uma melhora da saúde cardíaca e maior proteção do seu coração.

Para finalizar, podemos lembrar que os diabéticos são pessoas com problemas em lidar com carboidratos, coisa que a carne não tem.

E geralmente eles recebem a recomendação de emagrecerem para lidar com essa doença, o que pode ser proporcionado graças a uma dieta low-carb, cujo as bases são justamente os vegetais de baixo amido e as carnes de todos os tipos.

Inclusive é provado que uma dieta low-carb é a melhor opção no tratamento do diabetes.

Mito #3 – Carne Vermelha Causa Câncer

Um dos mitos mais comuns sobre a carne é que ela causaria câncer – especialmente a carne vermelha.

Porém, só há perigo quando “queimamos demais” a carne.

O que acontece é que quando “passamos o ponto” da carne – isto é, quando ela vira aquele “carvãozinho” – ocorre a formação de compostos cancerígenos.

Então, para se prevenir desse malefício, você pode simplesmente grelhar mais gentilmente a carne, ou descartar os pedaços que estiverem muito torrados.

E vale lembrar que aquecimento excessivo (e consequente “queimação” do alimento) pode causar a formação de compostos danosos não só na carne, mas em muitos outros alimentos.

Por outro lado, para finalizar o ponto, vale o alerta: a carne processada (aquela que não é comida de verdade e que recebe a adição de compostos químicos) talvez tenha relação com o aumento no risco de câncer.

Leia mais  Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares

Mito #4 – Humanos São Herbívoros

O que acontece é que algumas pessoas dizem que os humanos seriam “naturalmente herbívoros” como nossos ancestrais primatas.

Porém, isso não é verdade.

Os humanos (e as espécies que nos originaram) têm comido carne há milhares de anos, sendo que nossos corpos são completamente adaptados a essa forma de se alimentar.

Tanto que nosso sistema digestivo não se parece em nada com o dos herbívoros. Porque nós temos:

  • colo digestivo curto;
  • intestino delgado longo;
  • muito ácido hidroclorídrico no estômago (para digerir a proteína de origem animal).

Na verdade, os comprimentos de algumas partes do nosso sistema são intermediários aos comprimentos típicos tanto carnívoros e de herbívoros, indicando que nós realmente somos “feitos para sermos onívoros”. (Isso sem nem entrar no mérito de nossa arcada dentária.)

Então, não há nada de “antinatural” em comer carne.

Até porque o consumo de alimentos de origem animal foi bem importante no nosso passado evolutivo.

O que não significa que você deve comer carne, apenas significa que dizer “nós evoluímos para ser herbívoros” não é um argumento válido.

Concluindo…

Como você pode ver, consumir carne vermelha (ou qualquer outro tipo de carne) definitivamente NÃO faz mal para sua saúde.

Pode ficar tranquilo quando for comer aquele churrasquinho – apenas evite carne e qualquer outro tipo de alimento que estiver queimado.

Se quiser ler sobre outros 4 mitos associados ao consumo de carne vermelha, ou ter acesso aos estudos científicos sérios que foram usados para escrever este artigo, acesse nosso texto completo sobre a carne clicando aqui.

Nos vemos num próximo post aqui no Rota do Equilíbrio!

Comentários

CLASSICRUZEIRO