Uniso Ciência

Pichações nas escolas sob o olhar da educação ambiental libertária

O pesquisador Rodrigo Barchi debate a pichação como possibilidade de arte e de intervenção política – Marcel Stefano

Pichações. Essas manifestações urbanas, encontradas em todos os cantos do mundo, principalmente nas grandes cidades, e que — para muitos não passam de sujeira — são um tipo de arte: do tipo subversiva, desagregadora da “arte vigente”, e representam atos políticos, revolucionários e de desafio ao sistema instituído. Isso é o que conclui o pesquisador Rodrigo Barchi, que, em 2006, estudou essa manifestação cultural em ambiente escolar em sua dissertação “As pichações nas escolas: uma análise sob a possibilidade de uma educação ambiental libertária”.

Barchi, que é formado em Geografia, mestre e doutor em Educação e, atualmente, é Coordenador do curso de Geografia da Universidade de Sorocaba (Uniso), faz um amplo levantamento teórico e de debate, em sua dissertação, sobre a educação, a ecologia e o anarquismo. Foge do senso comum, que acha a pichação como coisa de bandido, de marginal ou de quem não tem o que fazer.

Logo nos capítulos iniciais do trabalho, Barchi fala dos punks, do movimento holandês de contracultura Provos, e tantos outros movimentos mundo afora que lutam contra o status quo e, então, defende o posicionamento libertário. “Libertários que lutam contra o controle do Estado, das religiões, do patriarcalismo, dos racismos, machismos e homofobias; das grandes corporações transnacionais capitalistas; enfim, contra toda uma gama de desigualdades e opressões. E essa luta vai dar-se em forma de ação direta, de arte, de música, de literatura, de prática pedagógica cotidiana”, define.

O autor diferencia a pichação do grafite, que, apesar de terem a mesma origem, são manifestações culturais com diferentes aceitações pela sociedade. A primeira — com formatos de letras e rabiscos de difícil compreensão — é abolida socialmente, e a segunda — com desenhos e plástica mais próxima à arte vigente — é aceita pela sociedade, tendo como um dos propósitos o de cobrir a pichação.

Barchi discute se a pichação não representa outra coisa, além de ser sinônimo de sujeira, poluição e crime. “Podem as pichações nas escolas ser observadas ou entendidas a partir de um outro enfoque a não ser aqueles que as considerem em sua representatividade negativa e nociva?”, questiona.

Debate a pichação como possibilidade de arte e, depois, como lugar de intervenção política, “no sentido de resistência às relações de poder hegemônicas, cuja ação se dá de modo nômade, descentralizado, que não quer a assimilação e, por isso mesmo, pretende o anonimato.”

Cita o filósofo e sociólogo polonês Zygmunt Bauman para dissociar a pichação da sujeira. “Bauman afirma que a intervenção humana não suja a natureza e sim, insere na natureza o que é puro e o que é imundo; é ela que torna parte do mundo natural limpo ou sujo. O que é o oposto do limpo — o sujo, o imundo ou os agentes poluidores (no caso aqui, os pichadores) — são coisas que estão fora do lugar. Não são as características das coisas que as tornam sujeira, e sim, o seu contexto e principalmente a sua localização”, diz. E cita o exemplo: “É o caso do dono de uma propriedade pichada que sairia enraivecido atrás do pichador, o que provavelmente não ocorreria se ele visse uma casa abandonada sendo pichada. Bauman, então, cita o sapato que impecavelmente engraxado e limpo vai tornar-se sujo ao ser colocado sobre uma mesa de jantar.”

Para Barchi, as pichações “não se incluem no projeto de ordem da sociedade, pois elas desarrumam uma hierarquia estrita, concebem o improvável. Destroem o meio regular, estável e limpo das pessoas. Inserem o estranho, desrespeitam a lei e criam novos significados a partir da sujeira. Aliás, abrem a possibilidade de modificação do próprio conceito de sujeira.”

O pesquisador afirma que, ao não se adequarem ao modelo de limpeza instituído pela sociedade, por não terem, talvez, uma estética tão bela e harmonizada, as pichações “tornam-se alvo de determinadas noções de educação ambiental. Pode-se aqui, então, sob uma perspectiva libertária, considerar que as pichações não foram transformadas em sujeira, poluição e, consequentemente, crime ambiental, necessariamente por trazer danos reais à saúde e ao equilíbrio ecológico de determinado local. Ao contrário de moscas, baratas e camundongos, cuja nocividade no cotidiano é aparentemente comprovada pela ciência — devido às mais diversas doenças que esses seres disseminam — as pichações, tratadas da mesma maneira, até agora não demonstraram nenhuma possibilidade de causar chagas físicas aos seres humanos.”

Leia mais  Bolsas de trabalho na Alemanha: inscrições abertas até o dia (16) para jornalistas
Leia mais  Iniciativa do MEC, visa deixar estudantes ainda mais próximos do órgão

 

POSSIBILIDADE DE ARTE

Para ligar as pichações ao conceito de arte, Barchi recorre ao filósofo colombiano Armando Silva, que vê no fato dos pichadores subirem em prédios, pontes e parapeitos já como algo próximo a uma arte circense. Cita o filósofo e político italiano Gianni Vattimo, que define que o êxito da arte consiste fundamentalmente em tornar problemático o âmbito de valores das qualidades estéticas e pôr em discussão o estatuto da arte, seja em forma direta ou indireta. Barchi soma a isso o entendimento do escritor George Woodcock, que trata do anarquismo como algo que está sempre morrendo em determinados espaços e tempos, para ressurgir em outros, com significados diferentes que não são prontamente assimilados. “É possível afirmar, então, usando a afirmação de Vattimo, que as pichações são arte, sim, já que estão sempre fora dos limites tradicionais. O espaço da pichação são as paredes, as carteiras, as placas de trânsito e não mais os museus, galerias e coleções — o que a diferencia bastante em relação ao grafite.”

Barchi diz que não interessa à pichação “mover-se como linha de frente, pois realmente aí seria exterminada em sua proposta como arte — como ocorre com as grandes exposições de grafiteiros para as grandes galerias ou que são obrigados a produzir grafites para coleções de marcas de tênis, calças, camisas e perfumes. Os pichadores agem na noite, dão importância ao suporte, portanto, ao local. Não estão preocupados em mudar a concepção de arte do mundo e, sim, querem transformar o significado de onde picham e colam seus adesivos.”

 

ATO POLÍTICO

Para Barchi, a pichação é uma intervenção política “pois obriga uma reação do responsável pelo imóvel pichado. Sejam os donos de uma casa, que saem correndo atrás dos pichadores ou chamam a polícia, ou o próprio Estado, que não pode permitir que seu patrimônio público, as suas posses e seus domínios tenham sido maculados. Principalmente nas escolas, que são os espaços nos quais os sentidos de limpeza e crime são bem estabelecidos desde os primeiros anos do processo educativo.”

“Talvez possamos observar as pichações como (o filósofo Gilles) Deleuze e (Félix) Guattari observaram a Pantera Cor-de-Rosa, como quem quer pintar o mundo com a sua cor. No caso da Pantera, o rosa sobre o rosa. No caso dos pichadores, a poluição sobre a poluição, a pichação sobre a cidade, de forma a tornar a própria pichação imperceptível, mas, mesmo assim, existente como ação política, seja como ruptura, seja como uma evolução que não se quer como algo que imite ou reproduza o mundo e, sim, que se comunique, que se conecte, que crie e recrie o mundo a sua própria maneira”, finaliza.

Texto produzido com base na dissertação “As pichações nas escolas: uma análise sob a possibilidade de uma educação ambiental libertária”, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Sorocaba (Uniso), elaborada sob orientação do professor doutor Marcos Antônio dos Santos Reigota e aprovada em agosto de 2006.

Acesse a pesquisa

Comentários

CLASSICRUZEIRO