Cruzeirinho Suplementos

‘Ubuntu’ incentiva crianças a construírem os seus próprios brinquedos

Filosofia africana assegura diversão para alunos de uma escola de Votorantim durante a pandemia
‘Ubuntu’ incentiva crianças a construírem os seus próprios brinquedos
Isabela Ortega Patrocínio e sua violinha. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/1/2021)

Tecidos, papelão, garrafas pet, latas de alumínio. Todos esses materiais combinados com muita cor e criatividade deram origem a diferentes brinquedos pedagógicos e educativos. Essa foi a solução que a equipe do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) “Ester Agar Fonseca Felix”, de Votorantim, encontrou para continuar levando diversão aos alunos durante a pandemia do novo coronavírus. Baseado na filosofia africana Ubuntu, palavra que possui diversos significados humanísticos, a escola incentivou os alunos a criarem os próprios brinquedos durante as aulas não presenciais.

Todo mês, as 87 crianças matriculadas na escola receberam um kit com um brinquedo incompleto, para que os pequenos finalizassem a montagem em casa. Junto com os brinquedos, as crianças receberam um jornalzinho, onde estavam as instruções para montar os objetos. A Isabela Ortega Patrocínio, de 2 anos, seguiu todas as orientações para montar e colorir os seus brinquedos. “Eu pintei com tinta guache, achei difícil pintar. Eu gostei desses brinquedos”. A pequena aproveitou a quarentena para se distrair e brincar com os novos brinquedos, inclusive com o violão de papelão. “É uma violinha, eu toquei e cantei musiquinha”.

Leia mais  Veja como remarcar passeio suspenso
‘Ubuntu’ incentiva crianças a construírem os seus próprios brinquedos
Lívia Rodrigues sonhava em ter um tambor e o construiu. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/1/2021)

Assim como Isabela, a Lívia Rocha dos Santos Rodrigues, de 4 anos, se divertiu produzindo os próprios brinquedos. “Eu fiz o chocalho, a viola e duas petecas. Eu achei legal. Também fiz um tambor. O meu sonho era ter um tambor”, confessa. Durante as atividades, Lívia aprendeu a usar cola e a pintar com tintas guache. “Eu brinquei bastante junto com a minha mãe e meu pai. Só podia ficar dentro de casa, então aproveitei para brincar”, conta ao dizer que nunca tinha imaginado que materiais reciclados poderiam se tornar brinquedos.

Já o Bernardo Ribeiro Vasques, de 4 anos, fez um tambor, um boneco de pano e um chocalho. “Eu fiz sozinho. Usei tinta verde, preta e azul. Também pintei com canetinha”. Entre todos os brinquedos, o preferido de Bernardo foi o chocalho. “Eu gostei e brinquei bastante”. O pequeno conta que não sabia que as crianças poderiam fazer o próprio brinquedo. “Para fazer o tambor, só preciso de uma lata de leite em pó, tinta guache e papel EVA”, ensina.

‘Ubuntu’ incentiva crianças a construírem os seus próprios brinquedos
Bernardo Ribeiro Vasques usou lata de leite e garrafa pet. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/1/2021)

A Beatriz Correa Latance, de 2 anos, usou a criatividade para montar e colorir a peteca, o violão, o chocalho e a boneca de pano. “Pintei o violão de branco, vermelho, azul e verde. Coloquei milho dentro do chocalho”. Até os primos de Beatriz ajudaram ela a fazer os brinquedos. “Eu brinquei com eles. O violão sai musiquinha”. Beatriz também aproveitou o tempo livre na quarentena para fazer a receita que estava no jornal. Com a ajuda da mãe, a pequena preparou um delicioso bolo de milho. “Eu gostei bastante”.

Leia mais  Worms Rumble oferece nostalgia e modernidade
‘Ubuntu’ incentiva crianças a construírem os seus próprios brinquedos
Violão da Beatriz Correa Latance toca música. Crédito da foto: Fábio Rogério (6/1/2021)

De acordo com a diretora da escola, Graziela Soares, de 44 anos, a atividade teve um resultado muito positivo. “Nos baseamos na cultura africana Ubuntu pelo momento em que vivemos. Essa foi a forma que encontramos de levar o brincar para as crianças, de maneira segura, durante a pandemia”. Para que isso fosse possível, toda a equipe da escola se empenhou para realizar esse projeto pedagógico, cultural e social, reforça a professora Jaqueline Latance Amorim Oliveira, de 33 anos. “Nos unimos para que todos ficassem bem, cada um na sua casa. Nos preocupamos com o coletivo dentro e fora da escola”, finaliza. (Jéssica Nascimento)

Comentários