Turismo

Justiça manda demolir hotel em Cusco por destruir muros incas

O empreendimento teria destruído muros incas de 500 anos em uma região considerada patrimônio cultural da Humanidade
A obra “distorce a harmonia e configuração tipológica do Centro Histórico de Cusco”
Hotel em construção na cidade de Cusco, no Peru. Crédito da foto: Andina / AFP (5/4/2019)

A Justiça peruana determinou a demolição de um hotel da rede Sheraton que estava em construção em Cusco, no Peru. O empreendimento teria destruído, durante as obras, muros incas de 500 anos em uma região considerada patrimônio cultural da Humanidade.

A decisão do juiz encarregado do caso encerra um processo de três anos entre autoridades de Cusco (sudeste do Peru) e a empresa encarregada da obra. Em 2016, os responsáveis pela construção paralisaram os trabalhos no hotel de sete andares.

“Para efeitos de restituir a situação de fato e de direito ao estado anterior à vulneração que sustenta esta demanda, ordene-se à Direção Desconcentrada de Cultura de Cusco a abertura de um processo de demolição do construído ilicitamente no citado imóvel, que altera e destrói de forma contínua os muros arqueológicos pré-hispânicos e incas existentes”, escreveu o magistrado Wilber Bustamante, da Corte Superior de Justiça de Cusco.

Determinação da Justiça

A obra “distorce a harmonia e configuração tipológica do Centro Histórico de Cusco”, segundo a sentença publicada no jornal El Comercio. O juiz determinou à imobiliária R&G restituir as cinco plataformas e muros incas de pedra retirados para executar a obra.

No entanto, “o dano é irreversível”, disse, em declarações à estatal TV Perú Carlos Somocursio, presidente do Comitê Técnico do Patronato Regional de Cusco. As obras eram realizadas em uma área onde só é permitido construir edifícios de dois andares. Em abril, o ministério da Cultura havia multado a empresa em 2,2 milhões de dólares.

O prédio de sete andares, cuja construção foi paralisada pelas autoridades em 2016, quando estava quase concluída, fica dentro da Zona Monumental de Cusco. A cidade foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em 1983.

Centenários muros incas

Segundo as autoridades, a empresa que construía o hotel Sheraton de Cusco desmontou, entre 2012 e 2014, estes centenários muros incas sem a autorização do então Instituto Nacional de Cultura, que passou a ser depois o Ministério da Cultura. Cusco é um dos principais centros turísticos do Peru e passagem obrigatória para quem quer visitar a cidadela inca de Machu Picchu.

A construção foi paralisada em meio a uma grande polêmica pela construção do moderno hotel de luxo, em meio a vestígios incas e construções coloniais. A imobiliária R&G SAC é uma empresa com sede em Lima, que desenvolve, constrói e promove projetos residenciais e comerciais, segundo sua página no Facebook. (AFP)

Leia mais  Beirute é o destino mais ecumênico do Oriente
Comentários