Turismo

Itaoca: Um paraíso nos confins de São Paulo

Cidade faz fronteira com o Paraná, sendo separada do município de Adrianópolis pela águas do rio Ribeira do Iguape
Um paraíso nos confins de São Paulo
Cavernas estão entre as atrações de Itaoca, a 250 km de Sorocaba. Crédito da foto: Divulgação / Secretaria Estadual de Turismo

“Itaoca é muito bom”. Assim diz o slogan da campanha da Prefeitura para anunciar aos visitantes as belezas de Itaoca, um município de interesse turístico (MIT) localizado a 250 quilômetros de Sorocaba. A cidade faz fronteira com o Estado do Paraná, sendo separada do município de Adrianópolis pela águas do rio Ribeira do Iguape. Para quem segue pela BR-373 a partir de Itapetininga, roda menos de duas horas até encontrar o destino paradisíaco. Com cerca de 3 mil habitantes, o lugar reserva surpresas a perder de vista.

Leia mais  Explore o roteiro do queijo e do azeite em Minas Gerais

 

Tudo ali está rodeado pela natureza. E não é mera coincidência. O nome Itaoca vem do tupi-guarani, significando “casa de pedra”. A palavra também pode ser traduzida como gruta ou lapa. De qualquer forma, indica a presença de inúmeras cavernas em meio a um intocável trecho da Mata Atlântica. A soma de tudo isso resulta em aventura e lazer para os amantes do ecoturismo.

Para completar, o município se localiza nas proximidades da reserva do Petar (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira). A lista das atividades propícias inclui esportes radicais e observação de aves. Vale destacar que na área já foram catalogadas na cerca de 220 espécies de pássaros. Resumindo, Itaoca se revela um prato cheio para as máquinas fotográficas de plantão.

Paraíso da ecoaventura

Itaoca é privilegiada para quem gosta de ecoaventura. Para começar, o que não faltam ali são trilhas para jipes e motocicletas. Os amantes de esportes de aventura, ainda se veem cara a cara com uma infinidade de morros repletos de obstáculos naturais, com muita pedra, lama e erosões. O cenário também é de encher os olhos dos praticantes de rapel em cachoeiras, bóia-cross, rafting e mountain bikes.

O município não é menos generoso com os turistas de arrojo comedido. São inúmeros os recantos tranquilos. Vale a pena conhecer o rio Viradouro, a cachoeira Poço do Inferno, no bairro de Rio Claro, o salto Caraças — nove metros de altura — e o complexo de oito quedas d’água chamado de Três Meninas. Este último, a 12 quilômetros do centro da cidade, é um dos que exigem maior deslocamento.

Quem não perde uma oportunidade para ampliar seus horizontes culturais precisa visitar o quilombo Cangume. Localiza no bairro rural do Henrique, a 11 quilômetro do centro. A comunidade formada por 40 famílias guarda as tradições africanas dos antepassados escravizados.

Outra atração itaoquense típica é a cavalgada ecológica. Trilhas com níveis variados de dificuldade levam a cenários inesquecíveis em todas as estações. Nos meses de outubro e novembro, por ocasião do aniversário de emancipação do município, os caminhos estão mais coloridos, por conta da florada de grande parte da flora nativa. (Da Redação, com informações de Secretaria Estadual de Turismo)

Comentários

CLASSICRUZEIRO