Turismo

Desvalorização do peso deixa viagem para a Argentina até 20% mais barata

Os preços mais atraentes devem fazer com que aumente o número de brasileiros no país vizinho
Prédios, como o do Congresso Nacional, destacam-se pela arquitetura. Foto: Divulgação

A desvalorização do peso argentino — que passou dos 100% nos últimos 12 meses — barateou os preços dos pacotes de viagem e colocou a Argentina novamente no topo dos países mais atraentes para os brasileiros que buscam uma viagem internacional mais barata. Na cotação da última quinta-feira, dia 6, era preciso 37 pesos argentinos para comprar US$ 1.

Os shows de tango estão entre os principais atrativos da capital argentina. Foto: Divulgação

De acordo com levantamento feito pela agência de turismo CVC, os preços de serviços, como hospedagem e passeios, já caíram quase 20% desde o início da desvalorização do peso argentino. Os preços mais atraentes devem fazer com que aumente o número de brasileiros embarcando para o país vizinho.

Segundo Rodrigo Vaz, diretor de produtos internacionais da CVC Corp para Américas e Caribe, “a queda nos preços é oportunidade para o país vizinho retomar a liderança em viagens internacionais, posto que foi perdido para os Estados Unidos, há três anos”.

Leia mais  Ski Mountain Park, em São Roque, proporciona diversão em família

 

Buenos Aires e Bariloche

De acordo com Magda Nassar, presidente em exercício da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav), Buenos Aires sempre foi uma das primeiras escolhas dos turistas brasileiros que iriam fazer sua primeira viagem internacional.

Calle Florida, em Buenos Aires, mantém seu charme como ponto de encontro de argentinos e turistas. Foto: Divulgação

Nos últimos anos, outras cidades argentinas como Bariloche têm atraído atenção. “O brasileiro já é um viajante de esqui e as estações de Bariloche tem sido cada vez mais procuradas”, afirma.

Magda aponta que a valorização do dólar pode, em alguns casos, baratear as passagens aéreas. Ela explica que a alta do dólar, associada ao período de crise, reduziu o número de passageiros, levando as companhias aéreas a fazerem promoções para poder “encher” os aviões. “O brasileiro é o principal turista da Argentina e também o que mais gasta”, destaca.

O caminho inverso, porém, preocupa os especialistas. Os argentinos buscam as praias brasileiras no início do ano e, segundo Magda, de janeiro a março deste ano o movimento no setor foi positivo. De acordo com o Ministério dos Transportes da Argentina, pela primeira vez em 16 anos, o número de voos domésticos foi menor do que os internacionais em agosto. (Heloisa Negrão – Folhapress)

Comentários

CLASSICRUZEIRO