Turismo

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial

Júri especializado coloca a região brasileira no topo do ranking dos destinos turísticos em 2020
Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial
Natureza exuberante e comunidades nativas são alguns dos atrativos dos Estados do Amazonas e do Pará. Crédito da foto: Divulgação

“Até daqui, do meio do Oceano Atlântico, eu ouvi sobre o recorde de incêndios devastadores na Amazônia. A nossa guerra contra a natureza precisa terminar”, escreveu a ativista Greta Thunberg, de 16 anos, em sua conta no Twitter em agosto, dias depois de a imprensa, divulgar dados preocupantes: o número de focos de incêndio este ano, não só na região amazônica, mas em outras áreas do Brasil, foi o maior registrado desde 2013. Um mês depois, em setembro, era Alter do Chão, no Pará, que queimava, enquanto o litoral brasileiro era invadido por manchas de óleo.

Não é comum começar a apresentação dos Melhores Destinos narrando acontecimentos tristes. Pelo contrário: fatos assim, de devastação pela ação do homem ou da natureza, costumam deixar de fora os destinos afetados. Mas, se o leitor seguir lendo para conferir quais foram os eleitos para 2020, será, talvez, surpreendido pelos resultados. Pois lidera esta lista, com 12 votos, justamente ela, a Amazônia. Que não está sozinha: vem acompanhada por parques e outros destinos nacionais onde natureza e comunidades locais são a principal atração.

A surpresa e incompreensão, contudo, se dissipam quando notamos que nunca estivemos tão dentro do debate sobre sustentabilidade e meio ambiente como hoje — Greta Thunberg, aliás, acaba de ser eleita a personalidade do ano pela revista norte-americana Time por seu protagonismo na luta contra o aquecimento global. É natural, portanto, que os olhares do mundo, inclusive turísticos, se voltem a lugares que façam parte dessas discussões, seja por curiosidade, ativismo, pela natureza ou pela chance de conhecer as comunidades que vivem e resistem nessas áreas.

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundialDe acordo com o relatório global de Tendências de Viagens do Skyscanner, o Brasil registrou aumento de 27% nas buscas globais em comparação ao ano passado, atrás apenas da Argentina e da Áustria. Além disso, o relatório aponta uma preferência turística pelo slow travel, enfatizando a conexão com os locais visitados, pelo turismo sustentável e por viagens transformadoras. Na mesma direção, o Lonely Planet também incluiu a Amazônia entre as 10 melhores regiões para 2020 e o jornal inglês The Guardian elegeu Alter do Chão, já em 2009 e em 2016, o destino de praia mais bonito do Brasil.

Exóticos e sustentáveis

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial
Crédito da foto: Divulgação

A alta do dólar e a tendência à busca por lugares mais inusitados e menos explorados também ajudam a explicar, portanto, que a lista de 2020 tenha menos destinos internacionais clássicos. Nova York, por exemplo, que só aparece na 10ª colocação, é o primeiro deles. Antes da megalópole, surgem África do Sul, Israel, Egito, Cingapura e Colômbia, o primeiro dos únicos dois destinos sul-americanos (além dos brasileiros) da lista. O outro é o Peru, que em 2019 liderou o ranking, mas acabou ficando na 19ª posição desta vez — talvez um reflexo das instabilidades políticas que atingiram o país e outros do nosso continente.

Leia mais  Bolsonaro: enfrentar ilícitos é essencial para a preservação da Amazônia

Jordânia, Ruanda e China desbancaram outros clássicos europeus, como Itália, Holanda e Alemanha — destinos que somaram dois votos cada um. E mesmo Portugal, que há quatro anos tem ocupado altas posições no ranking, ficou em 13º.

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial
Crédito da foto: Divulgação

O Japão, por sua vez, segundo colocado no ranking somando os votos ao país e à capital Tóquio, demonstra algo recorrente. Pois, se em 2016 os Jogos Olímpicos colocaram o Rio de Janeiro entre os primeiros destinos do ranking daquele ano e, em 2018, a Copa do Mundo assim o fez com a Rússia, é claro que o país-sede da Olimpíada de 2020 apareceria nas primeiras posições da lista para o próximo ano. Certamente estarão no Oriente todos os holofotes da mídia, incluindo nessa conta a propaganda de suas possibilidades turísticas.

Assim, apesar de bastante diversa — muito em decorrência da mudança de metodologia, que permitiu aos 22 jurados apostarem nos destinos livremente (sem lista prévia) –, essa indicação de 20 Melhores Destinos para 2020 é, talvez, uma das mais surpreendentes e, ao mesmo tempo, coerentes e democráticas que já tivemos. Isso porque abarca uma multiplicidade de destinos e valores, de perfis e propostas, sem, contudo, deixar de ter um sentido comum: a chance de vivências únicas, enriquecedoras e emocionantes, seja ao lado dos indígenas da Floresta Amazônica ou dos japoneses no Estádio Olímpico de Tóquio.

Riquezas naturais e culturais justificam primeiro lugar

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial
Passeio de barco é opção para conhecer a região amazônica. Crédito da foto: Divulgação

No noticiário mundial em 2019, todos os olhares se voltam para ela. Com 12 votos e lugares diversos, é da Amazônia o troféu de Melhor Destino para 2020.

Leia mais  Pista principal de Congonhas terá obras de reformas

Por que ir em 2020

Sem o pessimismo do “visite antes que acabe”, fato é que a região guarda muitas riquezas naturais e culturais. Destaque para o Pará, em alta.

Quando ir

Quentes o ano todo, Amazonas e Pará vivem a seca de junho a novembro, quando surgem as praias de rio. Na época chuvosa, igarapés se enchem de vida.

Eventos imperdíveis

Belém: Círio de Nazaré (outubro) e Festival Ver-o-Peso (maio). Alter do Chão: Sairé (setembro). Parintins: Boi-Bumbá (junho). Manaus: Festival de Ópera (abril).

Quem vai gostar

Há muitas Amazônias. Viajantes de olho na gastronomia vão amar. Os mais urbanos podem desbravar as capitais; os de natureza, toda a floresta ao redor.

Principais pontos – do Pará

Belém: Mercado Ver-o-Peso, Museu Emílio Goeldi, Parque Mangal das Garças, Forte do Castelo, o Santuário de Nazaré e Estação das Docas.

Ilha de Marajó: praias, fazendas com búfalos, carimbó e a cerâmica pré-colombiana.

Alter do Chão: praia do Rio Tapajós, floresta e comunidades ribeirinhas.

Principais pontos – do Amazonas

Manaus: Teatro Amazonas, Museu da Amazônia, Museu do Seringal, Mercado Adolpho Lisboa, ver os botos cor-de-rosa e o encontro dos rios Negro e Solimões.

Onde ficar

Hospede-se em hotéis de selva. Tapuruquara tem comunidades indígenas; Presidente Figueiredo, cachoeiras; Silves, artesanato de mulheres.

Serviço

Desde SP: 3h30 até Belém e 3h50 até Manaus. Belém-Ilha de Marajó, 2h de barco. Para Alter do Chão, voe até Santarém desde Belém, Manaus ou Brasília.

Opinião de especialista

“Os danos causados na floresta se alastraram emocionando viajantes do mundo todo. Esse fato atiça a nova tendência que move viajantes, o volunturismo.” Heitor e Silvia Reali, do blog Viagens Plásticas.

Parques estão entre os destinos preferidos

Amazônia vira ‘sonho de consumo’ mundial
Parque da Tijuca, no Rio de Janeiro, é um dos mais visitados. Crédito da foto: Divulgação

Além da campeã — Amazônia –, o ranking dos 20 Melhores Destinos para 2020 incluem mais quatro atrações localizadas em solo brasileiro. A lista inclui o Estado da Bahia, em terceiro lugar, seguido dos Parques Nacionais. O Parque do Jalapão, no Tocantins, aparece em 12º e o município de Ubatuba, no litoral paulista, ocupa a 16ª posição.

Leia mais  Plano para estimular o turismo regional reúne Sorocaba e mais quatro cidades

As belezas baianas, o Jalapão e Ubatuba já frequentaram o ranking em anos anteriores e dispensam apresentações. No entanto, os o conjunto de parques espalhados pelo País ganharam destaque por conta da possibilidade de privatização.

Ao todo, são 39 unidades de conservação — o mais visitado é o Parque da Tijuca, no Rio. O espaço abriga, por exemplo, o Cristo Redentor, um dos símbolos nacionais mais reconhecidos no mundo inteiro.

Confira alguns detalhes sobre o processo de privatização dos espaços públicos:

Quem é a favor

Quem defende a privatização afirma que ela vai melhorar o acesso, a segurança e a infraestrutura, além de aumentar a arrecadação.

Quem é contra

Quem é contra acredita que uma administração privada poderia colocar a preservação em segundo plano, prejudicando o turismo de base comunitária.

Principais pontos

Foz de Iguaçu e Jericoacoara são os segundo e o terceiro mais visitados. Juntamente com o de Lençóis Maranhenses, tiveram a privatização liberada neste anos.

O que muda em 2020

Não está definido quando e como serão as mudanças. O processo leva tempo e os editais de concessão ainda estão sendo preparados.

Para ir em família

Foz tem ótima infraestrutura, para todas as idades e mobilidades. O aeroporto melhorou a acesso a Jeri — dá para levar crianças ou ir a dois.

Com emoção

Em Lençóis é preciso caminhar sobre dunas fofas, no sol quente. Chapadas dos Veadeiros, Guimarães e Diamantina têm trilhas para diversos perfis.

Opiniões

“A Chapada dos Veadeiros abriga lugares incríveis para quem gosta de natureza e good vibes! Tem clima místico e uma das maiores comunidades quilombola do país.” Samanta Mazzolini e Liliane Jacintho, da Plana Turismo.

“Os Lençóis Maranhenses é o ecossistema mais original do Brasil. Um deserto gigante, repleto de dunas e lagoas e perfeito para andar de buggy e praticar kitesurf.” Eduardo Fleury, líder de operações da Kayak no Brasil. (Redação com Estadão Conteúdo)

Comentários