Buscar no Cruzeiro

Buscar

Destino

Ministério do Turismo implanta sistema anti-fraudes

06 de Julho de 2021 às 00:01
Cruzeiro do Sul [email protected]
Ilha da Madeira adota critérios diferentes de Portugal e aceita turistas imunizados com qualquer vacina.
Ilha da Madeira adota critérios diferentes de Portugal e aceita turistas imunizados com qualquer vacina. (Crédito: DIVULGAÇÃO / TURISMO - ILHA DA MADEIRA)

Anti-fraudes - As agências de turismo e os meios de hospedagens terão, a partir de agora, mais um mecanismo para evitar fraudes na comercialização de produtos e serviços turísticos em suas redes sociais. O Ministério do Turismo lançou, na quinta-feira (1), um novo campo, dentro do Cadastur, para a inclusão dos perfis oficiais das redes sociais dos estabelecimentos, como Instagram, Facebook, Twitter, YouTube, WhatsApp e LinkedIn. Para aderir a esta ferramenta, construída em parceria com o Facebook/Instagram, os prestadores dessas atividades precisarão atualizar os seus dados no Cadastur, que é o cadastro nacional de prestadores de serviços turísticos. Representantes do trade turístico têm registrado a incidência, cada vez maior, da criação de perfis falsos de empresas de turismo. Agora, antes de adquirir qualquer serviço ou produto turístico de forma online, os turistas poderão conferir no site do Cadastur se aquela rede social é a oficial da empresa.

Todas as vacinas - A ilha portuguesa da Madeira vai permitir a entrada de visitantes com qualquer vacina contra Covid-19 administrada em todo o mundo e não apenas com as aprovadas pela agência reguladora de medicamentos da Europa, afirmou o governo regional no domingo (4). A União Europeia autorizou até agora apenas quatro vacinas: Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Johnson & Johnson. Portugal continental só aceita as quatro vacinas, mas Madeira, uma região autônoma, disse que quem recebeu outras vacinas, como a Sinovac (Coronavac) da China ou a Covaxin da Índia, pode visitar as ilhas atlânticas. Pedro Ramos, secretário de saúde da Madeira, disse que tudo será aceito “porque se milhões de pessoas foram vacinadas com estas vacinas (não aprovadas pela UE), o seu nível de proteção é semelhante a outras”.