Suplementos Turismo

Seguro viagem é item básico na pandemia

Antes de botar o pé na estrada, conheça as opções para se proteger da Covid-19 em qualquer lugar do mundo
Crédito da foto: Divulgação

Comecei 2020 fazendo uma reportagem sobre seguro viagem. E como estou iniciando 2021? Fazendo uma reportagem sobre… seguro viagem. Dito assim, parece que nada mudou. No entanto, a situação é totalmente outra. Se as empresas do setor naquele momento não pagavam por despesas resultantes do novo coronavírus, porque casos de pandemia estavam excluídos dos contratos oferecidos, agora elas lançam planos com proteção contra Covid-19.

Além de realização de teste PCR dias antes do embarque, alguns destinos internacionais estão exigindo que todos os viajantes tenham um seguro viagem com cobertura para Covid-19. É o caso das Bahamas, no Caribe, que desde 14 de novembro incluíram a proteção entre as condições para quem quiser solicitar o Health Travel Visa, visto saúde para viagem, em casos de permanência superior a quatro noites.

Leia mais  Pandemia muda o foco dos turistas

“A cobertura de gastos médicos por conta de epidemias e pandemias costuma ser excluída de apólices por ser um evento imprevisível e de alto risco. Para oferecer mais segurança e comodidade para os clientes, assim como ocorreu com algumas apólices de seguro de vida, algumas seguradoras flexibilizaram o contrato e passaram a incluir a cobertura para o novo coronavírus em seus produtos: GTA, Intermac, Travel Ace e Affinity”, afirma Paulo Zamboni, CEO da plataforma, que trabalha com proteções das quatro empresas.

Os planos de seguro viagem para Covid-19, em geral, cobrem despesas com médico e hospital necessários no tratamento da nova doença, mas alguns também contemplam gastos com odontologia. O que não está previsto por nenhuma empresa consultada pela reportagem é a cobertura de gastos extras (por exemplo, com hospedagem). Isso pode ocorrer em caso de quarentena obrigatória de 14 dias, depois de exame positivo para Covid-19, mas sem a indicação de uma internação hospitalar do viajante.

“A cobertura é apenas médica e hospitalar: consultas, exames, medicamentos, internações etc. As demais coberturas serão válidas somente para outros imprevistos de doença e acidentes, não para Covid-19”, explica Taís Mahalem, head de Marketing e Digital da Coris, antiga April.

Leia mais  Show da natureza continua como opção durante a pandemia

Essa é outra curiosidade no mercado de seguro viagem: algumas empresas mudaram de nome. A Travel Ace passa a ser Universal Assistance. Com 40 anos de existência, a companhia se chama assim em outros países onde atua, entre eles, Argentina, Colômbia, Peru, México, Uruguai e Paraguai.

Já a April voltou ao seu nome original: Coris, marca usada em seu lançamento no mercado em 1988, como cartão de assistência de viagem. “Em junho de 2020, a diretoria da April no Brasil comprou da multinacional francesa as operações do seguro viagem no País. Com isso, em outubro, os sócios optaram por relançar a marca e, assim, trazer de volta às origens”, diz Taís. (Nathalia Molina – Estadão Conteúdo)

Comentários