Brasil Inclusão

Menos de 1% dos sites brasileiros são acessíveis

Entre as ferramentas de acessibilidade os intérpretes virtuais de Libras vêm se destacando
Menos de 1% dos sites brasileiros são acessíveis
Crédito da foto: Reprodução

O Brasil tem quase 15 milhões de sites ativos e mais de 99% deles não são acessíveis, apresentando barreiras de navegação para as pessoas com deficiência, segundo levantamento do “Movimento web para todos”.

A acessibilidade na comunicação é um direito garantido na Lei Brasileira de Inclusão LBI nº 13.146 (sancionada em 6 de julho de 2015), que visa “assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando a sua inclusão social e cidadania”.

O documento conta com um capítulo dedicado especificamente ao acesso à informação e à comunicação, além de um artigo que aborda a acessibilidade pelos sites da internet no Brasil.

O artigo 63 estabelece que “é obrigatória a acessibilidade em sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente”. Dentre as várias ferramentas de acessibilidade, uma vem conquistando espaço no mercado brasileiro: os intérpretes virtuais de Libras Língua Brasileira de Sinais.

Por seu baixo custo e facilidade de implantação, a ferramenta tem sido uma das primeiras ações de empresas que estão trabalhando para tornar seus sites acessíveis, se adequando à legislação brasileira.

Leia mais  Confirmadas novas variantes do coronavírus no Rio Grande do Norte

Basta uma busca rápida no Google para encontrar uma lista de grandes empresas que têm anunciado a implantação de intérprete virtual de Libras. Entre elas, destaque para os setores de bancos e varejo, que começam a enxergar o potencial do consumidor com deficiência, buscando garantir seu acesso aos sites e às compras.

Conheça os dois principais players do mercado brasileiro.

Hand Talk

Um aplicativo brasileiro que conquistou o prêmio de melhor APP social do mundo pela ONU. Este “dicionário de bolso para tradução de Libras” faz a tradução simultânea de conversas. Pode ser utilizado em dispositivos móveis e está disponível na APP Store e Google Play. No segmento comercial, sua principal promessa é levar acessibilidade para sites através de um plugin de tradução de Libras. O dispositivo é um grande facilitador na comunicação com a pessoa surda e pode ser utilizado na tradução de textos e vídeos. Seu intérprete virtual é o Hugo, um simpático bonequinho brasileiro que vem conquistando reconhecimento em diversos países do mundo.

Em 2018 o Hand Talk se uniu ao ProDeaf, que já foi um dos aplicativos de interpretação de Libras mais utilizados no país.

Leia mais  CIEE promove maratona com 12 mil vagas de estágio a partir de segunda

VLibras

Resultado de uma parceria entre o Ministério da Economia (ME), por meio da Secretaria de Governo Digital (SGD), e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), o VLibras é um conjunto de ferramentas computacionais de código aberto, que traduz conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, tornando computadores, celulares e plataformas Web acessíveis para pessoas surdas
A ferramenta faz a tradução automática do Português para Libras e pode ser utilizada em computadores, páginas WEB, celulares e tablets. Ele roda nos principais navegadores e sistemas operacionais, além de IOS e Android.

*Denis Deli é jornalista especializado em agronegócio, pós graduado em Produção e Reprodução animal.

Comentários