Cruzeirinho

“Pai” de Tom e Jerry faria 110 anos

Da imaginação de William Hanna e Joseph Barbera saíram personagens inesquecíveis
“Pai” de Tom e Jerry faria 110 anos
Crédito da foto: Reprodução

Você já ouviu falar em Hanna-Barbera? Por décadas, essa dupla foi sinônimo de muita diversão nas histórias em quadrinhos e nos desenhos animados. William Hanna morreu em 2001, aos 90 anos, e Joseph Barbera em 2006, aos 95. Hanna nasceu em 14 de julho de 1910, o que significa que, na terça-feira passada, se comemoraram 110 anos de seu nascimento.

William Hanna estudou engenharia, mas, durante a depressão econômica dos anos 1930 nos Estados Unidos, descobriu sua vocação como desenhista para assumir a direção do departamento de animação da Metro, um dos maiores estúdios de animação do mundo. Foi aí que conheceu Joseph Barbera e iniciou uma dupla histórica.

Hanna e Barbera criaram Tom e Jerry e, no estúdio, promoveram o casamento da animação com a live action em filmes como o musical Marujos do Amor (Anchor’s Aweigh), de 1945, em que Gene Kelly dança com o gato e o camundongo. Eram outros tempos da animação, a era Disney, dos desenhos bidimensionais, e ainda estavam longe os computadores e as ferramentas digitais: os desenhos eram criados manualmente, por batalhões de desenhistas habilidosos.

Leia mais  Aventuras musicais para encarar a quarentena
“Pai” de Tom e Jerry faria 110 anos
Crédito da foto: Reprodução

Nos 1950, quando a Metro fechou o departamento de animação, Hanna e Barbera pegaram o bonde da história e bandearam-se para a TV. Em 1957, criaram oficialmente a Hanna-Barbera e lançaram Jambo e Ruivão. Seguiram-se Os Jetsons, Manda-Chuva, Dom Pixote, Pepe Legal. Em 1958, um personagem secundário de Dom Pixote — Yogi Bear, ou Zé Colmeia — fez tanto sucesso que ganhou série própria. A Hanna-Barbera venceu sete Emmys, o Oscar da televisão.

A dupla produziu Scooby Doo, série com personagens criados pela dupla Joe Ruby e Ken Spears, que durou 30 temporadas e teve mais de 580 episódios. Virou um fenômeno de longevidade, perdendo, por enquanto, somente para Os Simpsons. Nos anos 1960, com a história de uma família de classe média durante a Idade da Pedra — Os Flintstones — levaram as séries animadas para o horário nobre da TV. Com 166 episódios, e ao longo de seis temporadas, calcula-se que a série tenha atingido mais de 300 milhões de espectadores em cerca de 80 países.

Leia mais  Crianças aproveitam quarentena para aprender sobre pássaros

Um sucesso que, de alguma forma, abriu caminho para a família Simpsons. Os Flinstones e seus filhos, amigos, embora vivendo na Idade da Pedra — e tendo um dinossauro, Dino, como animal de estimação –, não diferiam das típicas famílias norte-americanas da época. A América olhava-se no espelho, e achava graça. Hanna e Barbera foram (e permanecem) grandes. (Da Redação, com informações de Luiz Carlos Merten – Estadão Conteúdo)

Comentários