Cruzeirinho

Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos

Com muita criatividade, alunos da Escola Dr. Oswaldo Duarte reutilizaram o que iria para o lixo
Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos
As crianças criaram brinquedos incríveis e com os quais se divertiram muito. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/12/2019)

Um dia, a garrafa de refrigerante virou coelho, a caixa de ovos deu lugar a um jacaré e o galão de água, oras, se tornou um porco! Tampinhas de plástico formaram jogos de tabuleiro e prendedores de varal — quem diria! — viraram jogadores de futebol. Foi assim, reutilizando materiais que seriam jogados no lixo, que muitas crianças confeccionaram seus próprios brinquedos e jogos. Durante a atividade, proposta pela Escola Municipal Dr. Oswaldo Duarte, no bairro Wanel Ville, em Sorocaba, deu para aprender que se olharmos com mais atenção para cada objeto que pensamos em descartar, podemos perceber que há como aproveitar esses mesmos materiais para outras coisas.

O reúso ou reutilização é importante para o meio ambiente, pois não precisamos destruir a natureza para produzir de novo algo que já temos em mãos. Um exemplo é o papel. Para fazer papel é preciso derrubar árvores. Por isso, se você reutilizá-lo, estará contribuindo para manter mais árvores em pé. Os papeis de sua casa podem dar origem a diversos tipos de artesanato. Olha só uma curiosidade: cada brasileiro consome 44 quilos de papel por ano, o que significa metade de uma árvore! Já sobre a garrafa PET, ela demora de 400 a 800 anos para se decompor. Além disso, é um dos principais poluentes de rios e oceanos.

Para preservar a natureza é que sempre tem alguém falando da importância de reduzir o consumo, ou seja, comprar menos coisas, simplesmente reutilizando as que já temos. E quando não tem jeito mesmo, a solução é separar os materiais para descartar nos lixos corretos, porque dessa forma serão encaminhados para a reciclagem. Papel no recipiente azul, vidro no verde, plástico no vermelho e restos de alimento no marrom.

Leia mais  De tudo, pela internet

Transformando materiais

Na escola Oswaldo Duarte, os alunos de todas as séries, desde o pré até os do 5º ano do ensino fundamental, desenvolveram diversas ações em prol do meio ambiente. Cada turma ficou com um tema. Teve o plantio de mais de 100 árvores, a organização dos recipientes de reciclagem por cores e o fim do uso de copos descartáveis.

Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos
Júlia transformou um galão num porquinho. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/12/2019)

Uma das atividades mais divertidas foi confeccionar bichos e brinquedos. Júlia Soares Evangelista, 7 anos, transformou um galão de água em um porco. Ela conta que não foi difícil. “Minha mãe ajudou”, disse. Júlia fez esse trabalho para “reciclar, não jogar fora e economizar.” Já a turminha do 4º ano ficou com o tema sustentabilidade (que palavrão, hein!). Sustentabilidade é tudo o que ajuda nosso mundo a ser sustentável, a se manter conservado, tudo o que podemos fazer para não destrui-lo. Já falamos aqui dos três “R” da sustentabilidade: reduzir, reutilizar e reciclar, que minimizam o desperdício de materiais, poupando a natureza.

Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos
Ana Clara e Lavínia fizeram um jogo de pebolim. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/12/2019)

Caixas de papelão, tampinhas de garrafa e prendedores deram lugar a jogos incríveis, como discobol, pebolim e futebol de botão. Lavínia Nunes fez parceria com Vitória Cristine Teles Pacheco de Brito, ambas de 10 anos. Elas escolheram confeccionar um discobol. Vitória conta que pesquisou na internet, viu esse jogo e ficou interessada em fazer. “Fizemos tudo sozinhas, nosso objetivo era brincar com o jogo”, lembra Lavínia. Felizes com o resultado, as parceiras aprenderam, de uma forma bem simples, a ajudar o meio ambiente.

Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos
Lavínia e Vitória se juntaram para confeccionar um discobol. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/12/2019)

Outra dupla foi formada por Ana Clara Venancio de Arruda Campos, 10 anos, e Lavínia da Costa Leonço, 9 anos. Elas quiseram fazer um pebolim. “Tem muitas pessoas que compram coisas sem necessidade”, observa Ana Clara. Lavínia conta que a ideia do pebolim partiu de uma conversa com seu pai, sobre do que ele brincava quando criança. “Se reciclar ajuda a gente a ter uma vida melhor, eu acho que não precisamos gastar dinheiro comprando coisas”, reflete. As duas disseram que não foi muito difícil fazer o jogo. Ambas adoraram a experiência e falaram que preferem fazer do que comprar pronto. “É mais divertido, a gente aprende e gasta menos.”

Leia mais  Ovo pré-histórico gigante é encontrado na Antártica
Crianças transformam materiais recicláveis em brinquedos
Pietro e Júlio usaram tampinhas de embalagem pet para criar um jogo de futebol de botão. Crédito da foto: Fábio Rogério / Arquivo JCS (10/12/2019)

Já Pietro Rosinholo Rodrigues e Júlio de Lima Vieira Soares, ambos com 10 anos, fizeram um futebol de botão. “Meu pai jogava futebol de botão e eu já tinha jogado com ele”, comenta Pietro. Ele aprendeu que as pessoas podem ter uma vida melhor, reduzindo o consumismo, por isso foi guardando os materiais que via pela casa, para poder construir o jogo. Foi a mesma atitude que o Júlio teve. Ao contrário de Pietro, Júlio disse que nunca tinha jogado futebol de botão e achou legal. “Foi bem divertido, ainda mais porque foi a gente que fez.” Desde então, Júlio disse que pensa no que pode ser jogado e no que pode ser reaproveitado.

Reflexão sobre os sentimentos

Os alunos menores, do pré 2, não se envolveram tanto com a questão do meio ambiente, mas foram estimulados a pensar no ambiente em que vivem de outra forma: analisando seus próprios sentimentos. Se a gente quer viver em um mundo melhor, não basta cuidar apenas da natureza, temos de estar bem, para termos qualidade de vida, desfrutarmos de tudo o que o mundo pode nos oferecer e ter uma convivência agradável com todos.

Leia mais  O mundo prestou atenção nos gafanhotos

O pequeno Gabriel Soares Evangelista, 5 anos, disse que achou fácil falar sobre sentimento. “Estou me sentindo bem e feliz”, afirmou. Mas não são apenas os sentimentos positivos que nos tocam. Saber identificar quando estamos com tristeza, raiva ou medo é muito importante, pois só dessa forma podemos encontrar um jeito de nos sentirmos melhor.

O Gabriel disse que sente medo de lobo. Nessas horas, se cobre debaixo do cobertor para poder se sentir protegido. Seu colega de classe, o Mateus Silva Padilha de Araújo, 6 anos, lembrou que quando alguém o irrita, ele sente raiva. “Aí eu respiro fundo para melhorar”, diz.

Maryna Ribeiro Marques, 6 anos, comentou que se sentiu triste quando os pais se separaram e esquecer disso é uma forma de se sentir bem. Já a Larissa Gomes Azevedo, 6 anos, disse que fica muito feliz na hora de brincar no pátio e então nessas horas de felicidade o que faz é aproveitar bastante! (Daniela Jacinto)

Comentários