Cruzeirinho

A consciência combate o preconceito e constrói um mundo melhor

Julgar alguém pela cor da pele, gênero sexual ou classe social é muito errado
A consciência combate o preconceito e constrói um mundo melhor
Kauã Cotrin Soares sabe que as pessoas precisam respeitar o próximo. Crédito da foto: Cortesia

Respeito é bom e, mais do que gostar, todo mundo merece. Você sabia disso? Respeitar o próximo é uma coisa que deve ser aprendida ainda na infância. Porém, muitas pessoas reprovam nessa lição tão importante que serve para a vida toda. Isso porque é preciso respeitar a todos, sem preconceitos. Mas, afinal, o que é esse tal de preconceito? De acordo com o dicionário, é uma ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial. Ou seja, preconceito é julgar o coleguinha pela cor da pele, pelo gênero sexual ou ainda pela classe social.

Todas essas atitudes devem ser reprovadas. É o que diz a Maria Manoela Sena Francisco, de 9 anos. Segundo ela, o preconceito é uma coisa muito errada. “As pessoas maltratam as outras por causa do jeito delas. Não pode fazer isso. Tem que respeitar todo mundo. As pessoas podem ser o que quiser. É por isso que todos têm que respeitar”, afirma. Segundo Maria Manoela, é possível aprender um pouco mais sobre preconceito com o livro de seu pai, Manoel Francisco Filho, chamado “A sociedade das formigas”. “Ele fala sobre uma formiga que sofria preconceito por não ter asas”, conta.

A consciência combate o preconceito e constrói um mundo melhor
Maria Luiza Francisco Benato associa a história do livro à vida real. Crédito da foto: Cortesia

A Maria Luiza Francisco Benato, de 10 anos, leu o livro e se encantou com a história da formiga. “Eu achei muito legal. O livro ensina que a gente pode seguir em frente e encontrar nosso caminho”, conta. Para Maria Luiza, a história da formiga pode ser comparada com a realidade. “Hoje em dia tem muito preconceito nessa vida”, reforça. A pequena classifica o preconceito como uma coisa muito chata. “É horrível, não gosto disso não. Temos que respeitar a todos, porque todos são iguais, independente da cor da pele”.

Leia mais  Focas vivem em grupos

Uma vez, Maria Luiza já viu uma pessoa agindo com preconceito. “Eu falei para ela que não pode fazer isso e que tem que respeitar o próximo, porque cada um tem o seu jeito de ser”, conta ao destacar que ensina seus amigos a serem mais respeitosos. E para reforçar esse ensinamento, ela até levou o livro para a escola. “Tinha muita briga lá. Então, levei o livro para a professora ler na sala. Todo mundo gostou e aprendeu a respeitar as outras pessoas. Agora diminuíram as brigas que tinham na escola”, afirma.

O Kauã Cotrin Soares, de 9 anos, amigo da Maria Manoela, conta que também já viu pessoas sendo desrespeitosas. “É chato. Isso pode causar muitas coisas para a pessoa que não está sendo respeitada, como a depressão”. Por isso ele reforça a necessidade das pessoas aprenderem a respeitar o próximo desde o nascimento. “A professora disse uma vez que gentileza gera gentileza. O mundo seria melhor se todos se respeitassem. Seria mais alegre. Mas, as vezes, sem ter tudo isso, a gente aprende mais. O mundo ensina as pessoas a lutar pelos seus direitos”, aponta.

Kauã acrescenta que não podemos fazer com os outros o que não queremos que façam com a gente. “Eu nunca zoei ninguém, não pode zoar as pessoas. Isso é bullying. Não é certo. Uma pessoa não tem que ter preconceito com a outra só porque ela não tem o que a outra tem. E nem pela cor da pele. É importante respeitar os outros. Se todo mundo ficar em guerra não vai ter como ficarmos bem, em paz”, reforça.

A consciência combate o preconceito e constrói um mundo melhor
“A sociedade das formigas” propõe uma reflexão contra o preconceito. Crédito da foto: Cortesia

Assim como Kauã, a Maria Valentina Hannichtkel Lomardo, de 9 anos, classifica o preconceito como uma coisa ruim. Um exemplo de preconceito, segundo ela, é quando uma pessoa branca humilha uma pessoa negra. “Não é legal. Isso é muito errado. A gente não pode ter preconceito com as pessoas, não importa a cor da pele, se tem cabelo comprido, escuro ou cacheado. Não pode julgar alguém pela aparência. É preciso respeitar todo mundo para a gente viver em harmonia”, alerta.

Leia mais  Eleição também é coisa para crianças

E mesmo sendo uma coisa ruim, ainda existe muita gente que faz esse tipo de coisa, afirma Maria Valentina. “Tem gente que exclui e desrespeita as pessoas negras. Isso é muito triste, machuca o coração. Ela fica chateada. Qual o problema da pessoa ser negra?”, questiona. Segundo Maria Valentina, são vários os motivos que levam uma pessoa a agir com preconceito. “As pessoas podem fazer isso por inveja, por não gostar da pessoa, por ser orientada pela família, por querer diminuir a outra pessoa ou ainda por puro preconceito”, frisa.

Consciência Negra

E por falar em preconceito, a Maria Manoela lembra que no dia 20 de novembro foi comemorado o Dia da Consciência Negra. A data faz referência à morte de Zumbi dos Palmares, líder de um dos mais conhecidos quilombos da história da escravidão no Brasil, o Quilombo dos Palmares. Você já ouviu falar dele? Segundo Maria Valentina, o dia 20 de novembro serve para lembrar a necessidade de respeitarmos e valorizarmos as pessoas negras. “Isso deve ser feito todos os dias. É um aprendizado que temos que levar para o resto da vida, até ficarmos velhinhos. Se a pessoa não aprendeu isso ainda, ela tem que repetir essa lição de novo, de novo e de novo, até entender que é errado ter preconceito”, frisa.

Leia mais  É Natal no Iguatemi Esplanada

Além disso, Maria Manoela reforça que o Dia da Consciência Negra serve para valorizar a cultura afro-brasileira, como as roupas, a culinária, a capoeira e o maracatu. “A data também ressalta o nosso orgulho de ser negro. Isso é importante porque se a gente não tiver orgulho de quem a gente é, não somos ninguém”. Maria Luiza concorda: “Minha família é negra. Nesse dia os negros se sentem mais importantes. As pessoas tem que nos respeitar sempre. Precisamos nos colocar no lugar do outro e ter mais empatia pelas pessoas, independente da cor da pele. Se todos aprendessem isso, teríamos um mundo melhor, sem preconceito”, finaliza. (Jéssica Nascimento)

Comentários