Educare

Em Pernambuco, o professor vai até o aluno

Em Pernambuco, o professor vai até o aluno
Arthur Cabral leva o material didático impresso para os alunos que não têm internet. Crédito da foto: Leo Malafaia / AFP

Quando soube que muitos de seus alunos estavam excluídos das aulas virtuais por falta de internet, o professor Arthur Cabral subiu em uma bicicleta e passou a levar os deveres até a casa deles, em uma favela da periferia do Recife, onde estão confinados desde março por causa do novo coronavírus.

“Eu vim de escola pública. Vivenciei de perto essas dificuldades que boa parte dos estudantes tem passado”, conta Arthur, professor de ciências que toda sexta-feira pedala 8 km da capital pernambucana até Vila da Fábrica, comunidade pobre de Camaragibe.

Se a ladeira é íngreme demais, ele empurra a bicicleta. “Lute como um professor”, diz a camiseta deste educador de 29 anos.

Sem internet

Pré-adolescentes, os alunos de Arthur, do sexto e do sétimo anos, só podem acompanhar o programa on-line EDUCA-PE pelo YouTube. Muitos não têm nem computador, nem tablet. E se há algum celular na família, está quebrado ou é compartilhado por vários irmãos que têm aulas na mesma hora.

“Eles botaram as tarefas para a gente fazer em casa, on-line. Mas eles sabem, por acaso, se a gente tem apoio pra fazer? Se a gente tem celular?”, reclama Glória Correia de Lima, de 12 anos, na porta de sua pequena casa em Vila da Fábrica.

Leia mais  Alunos formados pelo Politécnico levam aprendizado para a vida toda
Em Pernambuco, o professor vai até o aluno
Glória de Lima, 12 anos, com o dever de casa nas mão. Crédito da foto: Leo Malafaia / AFP

E mesmo que tenham celular, não têm dados para acessar Google, YouTube ou Facebook, as plataformas mais usuais nas aulas virtuais.

Com quase 212 milhões de habitantes, no Brasil um em cada quatro habitantes (maiores de dez anos) não tem acesso à internet. São 46 milhões de pessoas, segundo estudo de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

E o nordeste é a região com mais pessoas sem acesso a este serviço, apenas uma da ampla lista de necessidades das favelas brasileiras, como saneamento básico e atendimento médico.

4 meses

Suemily Alves, de 11 anos, recebe as lições graças a Arthur, que cumpre sua missão em breves encontros, devido à pandemia. Pernambuco é um dos Estados mais castigados pela pandemia, que já deixou 2,5 milhões de infectados e mais de 90.000 mortos no Brasil.

Leia mais  Suspensão de pagamentos de parcelas do Fies durante pandemia é regulamentada

“Eu acho legal ele estar vindo na casa dos estudantes, entregar as tarefas porque nem todos têm internet. Assim, não estamos conseguindo acompanhar” as aulas, diz a menina.

Os alunos precisam vencer outros obstáculos, como dificuldades de concentração para estudar nas pequenas casas onde seis pessoas costumam dormir no mesmo quarto.

Esperança

O professor Arthur devolveu a esperança a muitas mães, como a de Glória. “Está sendo de muita importância pra nós porque, antes desse trabalho dele, ela não estava tendo acesso e eu já estava ficando preocupada pela situação dela na escola”, afirma Darla Correia, de 31 anos, atualmente desempregada.

“Quatro meses de quarentena e ela sem fazer nada. Não tinha como eu conseguir algo pra ser produtivo pra ela”, continua.

Arthur agora divide as tarefas com outro professor motorizado, que se solidarizou com a sua causa.

Leia mais  Nilson Costa e a educação pública

“Acho que essa iniciativa é mais do que o papel do educador, é a empatia por esses estudantes, pela vida humana”, afirma o professor, um ciclista convicto. (Leo Malafaia e Valeria Pacheco – AFP)

Comentários