Buscar no Cruzeiro

Buscar

Cruzeirinho

Um símbolo da infância que nunca sai de moda

Mais do que uma brincadeira, a pipa é física, arte e diversão para crianças, jovens e até adultos

14 de Novembro de 2021 às 00:01
Jéssica Nascimento [email protected]
Eduardo Hamada Luciano solta pipa com consciência: bem longe dos fios.
Eduardo Hamada Luciano solta pipa com consciência: bem longe dos fios. (Crédito: ARQUIVO PESSOAL)

Voar pelo céu como um passarinho é o sonho de muitas crianças. Mas como não podemos sair voando por aí, já que não temos asas, o que nos resta é brincar de levantar voo. E isso é possível com a pipa, um brinquedo que voa com o vento conforme é puxada por uma linha. Com asas feitas de papel, o brinquedo deixa o céu colorido e divertido. E nessa brincadeira o objetivo é sustentar a pipa o maior tempo possível no céu, sem deixar cair no chão. Mais do que uma brincadeira, a pipa é física, é arte e diversão para crianças, jovens e até adultos.

A pipa nasceu na China antiga e muitas vezes tinha a forma de um pássaro. Mas antes de se tornar um brinquedo, ela já foi utilizada para fins militares, políticos e religiosos, principalmente como dispositivo de sinalização. Com o passar do tempo, o brinquedo foi se popularizando e hoje é conhecido em todo o mundo, mas em muitos lugares por nomes diferentes. No Brasil, por exemplo, a pipa também é chamada de “arraia”, “raia”, “papagaio”, “pandorga” e muitas outras formas, dependendo da região.

Independente do nome, a pipa já ganhou o coração e a alegria das crianças. Afinal, quem não fica feliz ao fazer uma pipa voar pelo céu por longos minutos? E para isso acontecer, o Eduardo Hamada Luciano, de 6 anos, usa muita linha. “Precisa de uma coisa para a pipa voar bem alto: vento. Sem vento não dá pra soltar pipa. E não pode soltar onde tem fio elétrico. Eu solto no sítio e em lugares abertos, como o campo de futebol”, destaca. Edu, como prefere ser chamado, gosta de soltar pipa e sempre se diverte com a brincadeira. “A minha parte favorita é quando ela está lá no céu”.

O menino solta pipa com os amigos, mas já planeja ensinar a irmãzinha -- que ainda está na barriga da mamãe -- a brincar. “Vou dar uma pipa pra ela, acho que ela vai gostar”. Edu aproveita os lugares com muito vento para soltar sua pipa. “Ela vai bem longe. Quando era pequeno, uma vez ela foi lá no céu, e nunca mais eu vi”, conta ao dizer que agora tem outra pipa, de papagaio, bem colorida. Quando cansa de brincar, Edu diz que é só enrolar a linha em um suporte para recolher a pipa do céu. “Depois dá para soltar de novo”.

Rebeca de Moraes. - JÉSSICA NASCIMENTO (10/11/2021)
Rebeca de Moraes. (crédito: JÉSSICA NASCIMENTO (10/11/2021))

Antes da pandemia, a Rebeca Aimee de Moraes, de 8 anos, sempre ia ao Parque do Paço para soltar pipa com a família. “Meu pai me ajudava”. Isso porque, segundo a menina, não é tão simples fazer a pipa voar. “Você vai melhorando com o tempo. No começo, eu tinha um pouco de dificuldade para fazer ela subir, mas é muito legal. A parte que eu mais gosto é quando o vento balança a pipa”, destaca ao dizer que uma vez soltou pipa até na praia. “É muito legal”.

Maria Eduarda Gonzales. - JÉSSICA NASCIMENTO (10/11/2021)
Maria Eduarda Gonzales. (crédito: JÉSSICA NASCIMENTO (10/11/2021))

A pequena Margarida Maria Carvalho, de 4 anos, também é fã da brincadeira. “Soltar pipa é muito legal”. E, segundo a menina, é preciso ter muito vento e ar para a pipa voar longe, lá no céu. Margarida lembra bem da primeira vez que soltou sua pipa rosa, verde e azul com a ajuda do papai. “A minha pipa subiu no céu, mas ficou caindo. Eu me diverti. A parte do vento foi a mais legal”. E olha que ela ainda teve um imprevisto no meio da brincadeira, já que a pipa caiu em uma árvore. “A gente teve que tirar”. Para Margarida, todos deveriam soltar pipa. “É uma brincadeira muito legal”.

A pipa encanta pessoas de todas as idades. Dos pequenos aos grandinhos, a diversão é garantida. Não é à toa que esse é o brinquedo preferido do Théo Augusto Queiroz Bueno, de 11 anos. A paixão dele pela pipa é tão grande que a brincadeira foi até tema de aniversário. Sempre que pode, Théo solta pipa com os amigos, com os primos e com a família. “É uma das coisas que eu mais gosto muito”, afirma. E de tanta praticar, o menino diz que está ficando cada vez melhor. “Se estiver ventando bastante, nem preciso sair correndo para fazer ela voar”.

Théo sempre comemora quando consegue fazer a pipa levantar voo. “A hora que está erguendo, a gente sente uma emoção”, conta ao dizer que vai participar de um festival de pipa no fim do mês. Com bastante linha, as pipas do menino vão bem longe. Porém, ele diz que é preciso tomar muito cuidado. “Não dá para usar cerol, que é um cortante muito perigoso. Não é legal. E tem que soltar longe da cidade, por conta dos fios de energia. A pipa pode cair no fio. É perigoso tomar um choque. É melhor soltar em sítios e lugares afastados”, alerta.

Outra parte legal dessa brincadeira é que dá para personalizar e fazer a própria pipa em casa. O Théo já fez isso várias vezes, inclusive com os amigos. Segundo ele, a construção não é tão difícil. “Precisa de linha, espetos de bambu e papel de seda. Tem gente que faz com sacolinha de mercado, mas eu não gosto porque se a pipa estourar e cair no meio da floresta, ela pode prejudicar o meio ambiente”, afirma ao dizer que o papel de seda derrete mais rápido. “A gente já está em um momento crítico, com queimadas, poluição, então é melhor colaborar”, ressalta.

A Maria Eduarda Gonzales Gomes, de 10 anos, nunca fez uma pipa, mas gosta de fazer o brinquedo voar. “Acho divertido quando a pipa está no céu. A gente tem que ficar correndo para não deixar ela cair. Essa é a minha parte preferida”, conta. Mas Maria Eduarda diz que essa não é uma tarefa muito fácil. “Tem hora que o vento para e a pipa cai no chão”, destaca ao dizer que precisa da ajuda do pai e do primo para empinar a pipa. Mesmo com todos esses desafios, a menina diz que a pipa é uma brincadeira muito legal. “A pessoa pode se divertir empinando pipa, pelo menos sai um pouco da tecnologia”, finaliza. E você, já soltou pipa alguma vez?

Faça você mesmo a sua própria pipa

Varetas, papel de seda e cola branca são alguns dos materiais. - REPRODUÇÃO / YOUTUBE
Varetas, papel de seda e cola branca são alguns dos materiais. (crédito: REPRODUÇÃO / YOUTUBE)

Ver a pipa voando lá no alto é muito bacana. Mas essa brincadeira se torna ainda mais divertida quando a pipa que está no céu foi construída em casa, pelas próprias mãos. Não é mesmo? A melhor parte é que qualquer pessoa consegue construir a própria pipa. Quer ver como é simples? Confira o passo a passo:

Primeiro, você precisa separar o material:
- 2 varetas de bambu ou de palha de coqueiro
- Fita adesiva colorida
- Tesoura sem ponta
- Papel de seda
- Papel crepom ou seda (para a rabiola)
- Linha nº 10

Com todos os materiais separados, agora é só colocar a mão na massa:

1) Recorte o papel de seda em forma de quadrado, com aproximadamente 30 centímetros.
2) Cole um dos palitos na diagonal.
3) Faça um arco com o outro palito e cole-o cruzando por cima do palito que já está colado.
4) Faça dois furinhos no lugar onde as duas varetas se cruzam (um furo de cada lado).
5) Passe a linha pelos buracos e, sem cortá-la, dê um nó. Amarre a linha para puxar a pipa a partir do nó (mas deixe um espacinho).
6) Por último faça uma rabiola bem colorida, com o papel crepom (é só cortar umas tiras de papel crepom colorido) ou papel de seda (corte uns pedaços do papel e cole num fio de linha) e depois é só amarrar na pipa (na parte de baixo da vareta reta).

Pronto, é só deixar secar para começar a diversão. (Jéssica Nascimento)

Galeria

Confira a galeria de fotos