Casa e Acabamento

Trocando pisos e revestimentos

Novas prioridades: para limpar e desinfetar a casa fica mais fácil com superfícies lisas e impermeáveis
Trocando pisos e revestimentos
Porcelanato é um dos materiais mais versáteis para o piso e não acumula sujeira. Crédito da foto: Divulgação / Portinari

Desinfetar embalagens, lavar as mãos, manter as superfícies sempre limpas. Procedimentos comuns adotados durante os dias de confinamento, mas que nada indica que devam desaparecer tão cedo de nossas vidas. Não por acaso, quem começa a construir — ou resolveu aproveitar a quarentena para reformar –, já começa a rever suas prioridades. Entre os revestimentos, saem de cena materiais porosos que acumulam poeira. Ganham pontos os duráveis, fáceis de limpar e turbinados para evitar a proliferação de micro-organismos.

Na bolsa de valores do pós-pandemia, o porcelanato é, por certo, o revestimento melhor cotado. Fabricado a partir de uma combinação de quartzo, argila e outros materiais, trata-se de um material de grande resistência e que absorve uma quantidade muito baixa de água, o que, por si só, já o gabarita para os nossos dias. “O porcelanato é inorgânico e impermeável, o que permite limpeza constante. Só isso já o torna ideal para nossas necessidades atuais”, afirma Maurício Borges, presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmicas (Anfacer).

Por conta da sua alta resistência, ao contrário da cerâmica, o porcelanato pode ser produzido em chapas de grande formato e fina espessura, o que facilita sua instalação e diminui a necessidade de juntas que podem sempre acumular sujeira. Além da grande variedade de padronagens — de rochas a madeiras, passando por metais –, se comparado às pedras naturais, como o mármore, ele ainda não mancha e tolera bem o contato com fluidos com outros fluidos, como o óleo.

Leia mais  Distanciamento social e início do ano estimulam as pessoas a cuidarem da casa

“Eles estão muito mais aprimorados. Em muitos casos, é difícil distinguir um porcelanato de outros materiais”, conta a arquiteta Denise Barreto. Já para sua colega Patricia Martinez, que em um de seus trabalhos revestiu todo um banheiro com o material, o resultado foi bastante satisfatório. “O granilite tende a trincar com a movimentação do contrapiso, o que não ocorre com o porcelanato”, conta ela.

Além da facilidade de limpeza, inovações incorporadas ao material têm feito dele a opção ideal para tempos que pedem proteção máxima. “A ação do Cleantec, tecnologia presente em alguns de nossos produtos, promove a eliminação de até 99,99% das bactérias, em quatro horas”, afirma Karina Campos, gerente técnica da Eliane.

Tintas

Trocando pisos e revestimentos
Marcas desenvolveram tintas com propriedades fungicidas e bactericidas. Crédito da foto: Arte / Divulgação Sherwin-Williams

A formação de mofo em paredes e tetos não prejudica apenas as condições estéticas de um ambiente, mas também suas condições de salubridade. Hoje, já existem tintas disponíveis no mercado que contam com componentes fungicidas na sua formulação, o que, além de proteger contra a umidade, facilita a manutenção.

“Um dos nossos produtos oferece ação antibactericida, antimofo e fica isento de odores três horas após a aplicação. A função antibactericida elimina até 99% das bactérias”, afirma Tamara Góes, gerente de produto da AkzoNobel, produtora da tinta Coral 3X1.

Leia mais  O que fazer se queimou a resistência ou o chuveiro quebrou?

Facilitar ao máximo a remoção de sujeira das superfícies é o objetivo da linha Suvinil Limpeza Total, uma tinta lavável que possibilita a eliminação de manchas causadas por pets, poeira e fuligem.
Outra tinta fungicida, a Metalatex Bactercryl, da Sherwin-Williams, é especialmente recomendada para ambientes propensos a umidade e vapores, como banheiros, cozinhas e lavanderias. Como vantagem, o produto pode ser usado em áreas ocupadas. Observadas as instruções de aplicação, e se mantendo o ambiente suficientemente ventilado, o cheiro de tinta desaparece três horas após a aplicação.

Vinílicos

Trocando pisos e revestimentos
O piso vinílico, de rápida instalação, adquire uma configuração contínua. Crédito da foto: Divulgação Tarkett

Pensando no cenário pós-pandemia, eles são também uma opção que promete, tanto para o revestimento de pisos, quanto de paredes. Tudo porque, após a instalação, a superfície adquire uma configuração contínua, com menos juntas do que a aplicação de réguas de madeira, por exemplo.

Além da facilidade de instalação e manutenção, os vinílicos recebem tratamento superficial que diminui a sua porosidade e os torna mais resistente à sujeira e às manchas. Além disso, para manter a casa segura, alguns fabricantes também estão agregando propriedades antibactericidas a seus produtos. Caso da Eucatex, que produz laminados com proteção Bacterban, um agente antibacteriano que impede a reprodução de fungos e bactérias na superfície revestida. Mas as vantagens não param por aí. Por possuir ação prolongada, a tecnologia evita a deterioração causada por microrganismos, mantendo a aparência de novo por muito mais tempo.

Como limpar

Porcelanatos – A depender do grau de sujeira, podem ser limpos com pano úmido, detergentes caseiros ou produtos de limpeza mais fortes. Apesar de resistentes, no entanto, não é recomendado o emprego de produtos químicos ácidos, como limpa-pedras, entre outros, pois podem ocasionar danos irreversíveis ao produto.

Leia mais  O que fazer se queimou a resistência ou o chuveiro quebrou?

Tintas – Desde que revestidos com tintas laváveis, paredes e tetos podem ter resíduos causados por pets, poeira e fuligem removidos pela simples aplicação de um pano úmido embebido em detergente neutro. Para remover manchas mais complexas, experimente utilizar uma mistura com a mesma quantidade de vinagre branco e água morna.

Vinílicos – A limpeza diária pode ser realizada por meio de um simples pano umedecido. Em casos de manchas localizadas, porém, pegue uma esponja macia, um copo com água e detergente neutro. Dilua um pouco de detergente na água e molhe uma das pontas da esponja. Tire o excesso antes de esfregar o piso. (Marcelo Lima – Estadão Conteúdo)

Comentários