Casa e Acabamento

Quarto infantil requer criatividade

Ambiente deve ser alegre e seguro e projetado para proporcionar o bem-estar da criança
Quarto infantil requer criatividade
Cada dormitório ressalta o período de vida das crianças e deve ser planejado de acordo com o seu perfil. Crédito da foto: Divulgação / Pixabay

Projetar um quarto infantil pode ser aventura daquelas! Pensar nos móveis, texturas e definir a paleta de cores que irá compor esse ambiente é tarefa divertida para as crianças, os papais e, sem dúvidas, para o profissional, que pode dar asas à imaginação, pondo em prática toda a sua criatividade. Se for para o primeiro filho, então, mais ainda será preciso criar um ambiente adaptado ao bem-estar do novo morador.

Cedo porém, móveis como berço, trocador e poltrona de amamentação caem em desuso e, com ele, a maioria dos acessórios que compõem a decoração. Na verdade, trata-se apenas de uma entre as muitas transformações pelas quais o quarto terá de passar para se adaptar às diversas fases de desenvolvimento da criança.

“Se a base for neutra, com o passar do tempo, o quarto infantil pode ir se transformando por meio de mudanças pontuais”, afirma o arquiteto Gabriel Magalhães. A arquiteta Roberta Iervolino, do escritório Figa Arquitetura, destaca que a criatividade é essencial na hora de projetar para os pequenos clientes.

Em função da idade, o projeto definirá os elementos adicionados. “Em um quarto de bebê, por exemplo, berço, poltrona de amamentação e cômoda são peças primordiais. Para crianças acima de um ano, já podemos trazer a cama, uma estante para brinquedos e outras referências lúdicas”, explica Roberta.

Esses ambientes devem ter um espaço dedicado às brincadeiras; as alturas para acesso aos objetos e outros usos devem ser pensadas para ajudar os pequenos e, claro, a decoração deve ser mais divertida e colorida. Segundo os arquitetos, as propostas temáticas devem ser evitadas, pois os interesses das crianças mudam muito.

Brincar e estudar

Não podem faltar os móveis para guardar e expor os brinquedos, além de baús, porta-livros e tapetes de borracha, que deixam o chão mais confortável e seguro para os momentos de brincar. Para as crianças a partir de 5 anos, um cantinho dedicado aos estudos é indispensável. Escrivaninha e cadeira na altura adequada, bem como acessórios como porta-lápis e os livros favoritos deixarão o estudante mirim mais animado para fazer o dever de casa, propõe Roberta.

Extremamente importante é a segurança. Grades de cama para os menores, telas nas janelas, evitar cantos pontiagudos e fixar estantes nas paredes são alguns dos pontos que devem ser seguidos à risca.

Dicas

Quarto infantil requer criatividade
Os beliches são opção para espaços menores compartilhados. Crédito da foto: Thiago Travesso / Figa Arquitetura

Mudanças são inevitáveis. Mas, para economizar esforço e recursos em reformas, aqui estão algumas sugestões dos arquitetos.

Marcenaria. Restrinja os móveis fixos apenas ao necessário, como guarda-roupa e estantes, que podem ocupar apenas uma das paredes do quarto, liberando o espaço central, sem prejudicar a circulação.

Revestimentos. Pintura e papéis de parede (desde que laváveis) são os mais indicados, porque podem ser substituídos com facilidade. Evite acabamentos texturizados que podem ser de difícil remoção.

Piso. Para evitar escorregões em qualquer fase da vida da criança, pisos de madeira são os mais recomendados. Laminados ou vinílicos são também boas opções, e de fácil limpeza.

Iluminação. A mais recomendada é a geral e indireta, produzida por rebatimento no forro. Evite pontos de luz direcionáveis que podem cair em desuso à medida que o mobiliário for substituído. Caso queira personalizar a decoração, opte por peças avulsas como abajures e luminárias de mesa.

Cortinas. Evite tecidos que acumulam poeira. Dê preferência a modelos sem volume, em materiais resistentes e sem cordas de ajuste, que oferecem riscos.

Tapetes e carpetes. Devem ser evitados por acumularem poeira, o que pode acarretar problemas respiratórios. Caso opte por eles, a peça deve ser fixada com fita adesiva no piso para diminuir o risco de deslizamento. (Da Redação, com informações do Estadão Conteúdo e do Escritório Figa Arquitetura)

Comentários