Casa e Acabamento

Escolha entre planejados ou marcenaria depende da necessidade

Escolha entre planejados ou marcenaria depende da necessidade
A cozinha criada pela Korman Arquitetos tem prateleiras de madeira maciça e bancada de marcenaria, com execução da Todeschini. Crédito da foto: Dabi Koren / Divulgação

Na hora de escolher os móveis para um ambiente, logo a dúvida aparece: buscar os planejados ou o serviço de uma marcenaria? Ao contrário do que muita gente pensa, são coisas bem diferentes e a escolha deve levar em conta, principalmente, as necessidades e desejos de cada pessoa para o espaço que receberá as peças.

No mobiliário planejado, o processo é industrializado, minimizando erros e agilizando todas as fases dessa etapa. As medidas e os acabamentos são previamente estabelecidos pela fábrica, embora muitas delas, hoje em dia, conseguem ajustar os módulos e aproveitar melhor o espaço fazendo peças especiais. “Esse modelo de mobiliário pode ser adaptado a qualquer tamanho de ambiente, mas como tem tamanhos determinados, pode ser que não se encaixem milimetricamente ao espaço”, relata a arquiteta Ieda Korman. Há uma grande discussão sobre a qualidade dos móveis modulados. “Mas, como todo produto, existem com maior qualidade e outros com menor, isso irá depender do fabricante. Antes de comprar analise qual o material, consulte o Reclame Aqui e também tenha recomendações de pessoas que já compraram com a empresa”, aconselha a arquiteta Carina Korman, parceira de Ieda no escritório Korman Arquitetos.

Leia mais  Como evitar o aumento da conta de energia elétrica no inverno?

Já o marceneiro pode oferecer soluções diferentes e exclusivas por não estar amarrado a uma modulação determinada. Mas nenhum deles dispensa uma verificação da idoneidade da empresa — verifique em órgãos competentes se não há nada registrado contra a marca. “Claro, que para esse tipo de trabalho, é preciso que o marceneiro seja de confiança, ou seja, indicado, não espere a tecnologia dos planejados, mas para quem deseja acabamentos únicos é uma boa escolha”, ensina Carina.

Antes de começar a desenhar os móveis, é importante identificar o uso do ambiente e as necessidades da família. Depois, é hora de definir itens como eletrodomésticos, que ajudarão a compor o layout. Pense nos pontos elétricos, nos acabamentos e nos encontros de cada móvel, pois esses detalhes são essenciais para garantir um bom projeto dos móveis. O uso do cômodo, considerando a quantidade de acessórios e utensílios, vai definir a quantidade de nichos, prateleiras, gavetas e portas. (Da Redação)

Comentários