Casa e Acabamento

Tempo livre é propício para pequenas reformas em casa

Mais tempo em casa pode ser útil para alguns consertos e reparos; orientação pode ser a distância
É hora das pequenas reformas
Pinturas com fita adesiva dão efeitos geométricos em duas ou mais cores. Crédito da foto: Divulgação

Talvez seja por passar mais tempo em casa; ou talvez seja o tédio e a tendência de achar defeito em tudo. Mas quem, nesta quarentena, não quis fazer alguns pequenos reparos na casa, seja por necessidade ou estética?

Há diversos vídeos de tutoriais na internet que ajudam a se aventurar por conta própria. Com o isolamento social, empresas como Triider e GetNinjas também passaram a oferecer serviços remotos durante o confinamento. “O cliente pode filmar como está a reforma dele, mandar o vídeo para o profissional e ele ajuda a solucionar o problema”, explica o CEO do GetNinjas, Eduardo L’Hotellier. “É uma demanda supernova, mas o feedback inicial é positivo.” Os serviços a distância são para reparos simples.

Para tentar a sorte sozinho é preciso paciência, boa vontade e um kit de ferramentas, com furadeira, lixa, fita métrica, alicate, martelo e chave de fenda. Assim como equipamentos de segurança: máscara e óculos de proteção.

Antes de se aventurar, é importante relembrar alguns pontos. Caso você tenha a planta hidráulica da sua casa, fique com ela em mãos. Às vezes, até pendurar um quadro pode estourar canos importantes. Aliás, na parte hidráulica, não mexa em nada relacionado ao fluxo de água constante. “Na pia, por exemplo, existem duas peças — o flexível e o sifão. Quando trocamos sem ajuda especializada, trocamos o sifão. No flexível, não mexemos”, alerta Cleyton Brito, prestador de serviço da TempoTem.

Móveis

É hora das pequenas reformas
Móveis de madeira podem ser pintados ou envernizados. Crédito da foto: Divulgação

Envernizar é ótima opção para revigorar objetos de madeira. Para isso, passe a lixa no objeto por inteiro; depois, retire o pó com um pano úmido; e, só então, passe o verniz com um pincel. O mais indicado é o produto do tipo marítimo, incolor. “Caso tenha buracos no seu móvel, uma dica é pegar o pó que saiu do lixamento e misturar em um pote com cola de madeira até virar uma pasta. Isso vai garantir um acabamento perfeito, pois a cor vai ser idêntica à do móvel”, sugere David Alves, funcionário da empresa de ferramentas Black+Decker.

Leia mais  Como evitar danos ao porcelanato cerâmico?

Outra técnica é a pátina, que deixa as peças com cara envelhecida. Lixar é uma das partes mais importantes — e trabalhosas. Após deixar todo o móvel lixado, aplique a tinta branca, que será o fundo, e só então a cor escolhida para ganhar destaque. “Indico a tinta à base de água, pois é mais fácil de limpar o chão, os pincéis e até a pele”, diz Alves. Depois que a tinta secar bem, lixe novamente o móvel. As cores vão se misturar, dando o aspecto envelhecido.

Lembre-se de que madeira é diferente de MDF (e atente-se ao seu tipo: cru ou laminado). No primeiro caso, é possível pintar o móvel. Já no segundo, não há o que fazer, pois ele já tem uma cor própria. “Uma das soluções para esse caso é o envelopamento”, indica Alves. Para isso, opte pelo seu padrão favorito e cole, com cuidado, no móvel (limpo e seco). Se notar bolhas, fure com um alfinete.

Leia mais  Varanda com cara de jardim

Parede

É hora das pequenas reformas
Massa corrida preenche buracos e falhas nas paredes; depois é preciso lixar. Crédito da foto: Divulgação

É simples arrumar buracos de quadros ou estantes. Com uma espátula, passe massa corrida no local até preencher o buraco. Deixe secar por pelo menos três horas e, depois, com uma lixa fina, faça o acabamento. Em seguida, a parede já está pronta para ser lixada novamente. Se o furo for muito pequeno, tampe com pasta de dente branca. O resultado fica imperceptível.

Aqui, é possível optar por uma reforma total, mudando as cores e os desenhos da parede, ou apenas por repintar o local reparado. Para a segunda opção, utilize tinta fosca. “Ela não mostra tanto as imperfeições quanto uma tinta acetinada. A gente indica para os pintores de primeira viagem”, explica a arquiteta Júlia Varon, do escritório Forma 011.

Para o caso de desenhos, utilize fita crepe comum. “O importante é a espessura dela. A de 5 cm é a mais grossa, e evita erros. Sempre a deixe muito bem esticada na hora de pintar e nunca tire logo depois. É preciso ter paciência”, recomenda.

É possível também comprar papel de parede pela internet, e até texturas já prontas. As peças adesivas são de fácil aplicação, mas é necessário atenção para medir a parede antes de pedir on-line. “Nesse momento, a fita métrica vai ser sua melhor amiga”, indica Isabela Caserta, designer de produto da MadeiraMadeira. (Ana Lourenço – Estadão Conteúdo)

Comentários