Buscar no Cruzeiro

Buscar

Apartamentos de solteiro e casal: vejas as diferenças

14 de Março de 2021 às 00:01

Apartamentos de solteiro e casal e as suas diferenças Apartamento compartilhado por um casal. Júlia segmentou as áreas e trouxe mais privacidade para home office, salas e quarto. Crédito da foto: Guilherme Pucci

Conhecer o perfil dos moradores e mergulhar no lifestyle e dia a dia deles é o ponto de partida de cada projeto assinado pela arquiteta Júlia Guadix. Embora muitas soluções sejam semelhantes, há algumas diferenças e peculiaridades nas moradias habitadas por solteiros e casais. “Geralmente, o apartamento de solteiro apresenta menos cômodos, tem a possibilidade de deixar as áreas mais amplas e integradas, abrindo mão da privacidade, já que apenas uma pessoa irá viver no local”, exemplifica a arquiteta. Para um casal, a diferença está justamente no espaço disponível e na necessidade de mais privacidade. “Mudam-se, principalmente, as dimensões de cozinha, banheiro, quarto, área de armazenamento alguns itens precisam ser duplicados para atender às necessidades dos dois”, completa.

Para a arquiteta, os pontos díspares também são visíveis na decoração. “Quando estamos fazendo uma morada de solteiro, normalmente temos apenas uma pessoa para agradar, então é uma única opinião. Somente em certos casos algum parente, pai ou mãe, também opina”, revela. “No apartamento de casal temos que chegar em um meio termo para agradar os dois. Nem sempre os casais chegam alinhados. Nestes casos, precisamos ir ajudando-os a se comprometerem a ceder um lado e ganhar em outro”, comenta Júlia.

Muitos pensam que a decoração de um apartamento de solteiro é mais fácil, mas a arquiteta ressalta que não é bem assim. “Muitas vezes, ele ainda não sabe o que quer, então não é necessariamente mais simples desenvolver o projeto, pois depende muito da pessoa, de como ela é e de como ela se comporta. É fundamental saber escutar qual é a dor do cliente, separando quando ele está fazendo uma solicitação ou reclamação e entendendo o que realmente é necessário em cada espaço”, diz Júlia.

Em um apartamento de casal, convém pensar nos momentos a dois e nos particulares, já que a individualidade é fundamental para saúde de uma relação. Temos que pensar que cada um tem que ter seu momento de privacidade. Hoje em dia, é imprescindível ter dois pontos de home office, espaço individuais para guardar roupas, sapatos e, muitas vezes, a cozinha para um casal tem que ser mais equipada. “Já os solteiros, tanto homens como mulheres, optam por ambientes mais compactos, porém aconchegantes, com algumas táticas de decoração”, aponta a arquiteta.

Apartamentos de solteiro e casal e as suas diferenças Cores e personalidade dão vida e alegria ao apartamento de solteiro. Crédito da foto: Guilherme Pucci

Em alguns imóveis, optar pela cozinha americana ou unir living e sala de jantar é uma boa pedida para quem tem pouco espaço, tanto para casais como para quem mora sozinho. “É excelente para quem costuma receber visita ou faz pequenas reuniões com os amigos e familiares, pois a falta de divisão dos cômodos permite que anfitrião reúna seus convidados em uma única área. Tudo isso sem precisar acomodá-los em ambientes diferentes e ficarem muito afastados um dos outros”, explica Júlia.

Em apartamentos menores, todos os móveis precisam ser bem escolhidos e distribuídos para que os espaços sejam aproveitados ao máximo. Neste caso, alternativas feitas sob medida são boas opções para o solteiro que não gosta de estar sempre mudando a mobília de lugar. Com isso, a melhor saída é investir em peças práticas, que economizem espaço.

Os casais têm a liberdade de escolher tanto móveis sob medida quanto os prontos, basta ter a criatividade para encaixar cada peça em seu devido lugar. Como normalmente os apartamentos de casais são maiores, o número de móveis também pode aumentar para preencher melhor os espaços.

“Eu, particularmente, acredito que as diferenças vão muito de pessoa para pessoa e não necessariamente se tem um companheiro ou não. Meu trabalho, por exemplo, é bem personalizado e individualizado, preciso estudar bem a demanda de cada casal ou cada morador e pensar nas diferenças que sempre existem”, finaliza a arquiteta.