Buscar no Cruzeiro

Buscar

Além de elegante e rústica, a madeira de demolição é ecologicamente correta

04 de Abril de 2021 às 00:01

Além de elegante e rústica, a madeira de demolição é ecologicamente correta Madeira de demolição vai muito bem em ambientes com uma proposta de decoração mais rústica. Crédito da foto: Divulgação / Julia Herman

Cada vez mais presente em projetos arquitetônicos, a madeira de demolição carrega consigo uma beleza natural, que pode estar presente tanto em ambientes internos quanto externos. Sua origem provém da demolição de vigas e assoalhos de antigas casas, galpões e edifícios ou até mesmo longínquos trilhos de trem, postes de madeira e móveis produzidos em um passado distante. Com anos de história e resistência, junto com a estética o novo uso se configura como um emprego ecologicamente correto.

“A beleza dos veios e ranhuras, combinada com a antiguidade da madeira é um ponto bastante positivo em termos práticos, já que com o tempo ela deixa de ressecar, empenar e envergar. A madeira de demolição também se destaca pela resistência a cupins e intempéries. Ela se fortaleceu com o tempo”, explica a arquiteta Isabella Nalon. Ela ainda destaca a questão do estilo único, haja vista nenhuma peça é igual à outra. “Além da singularidade de um material natural, o desgaste sofrido por conta do tempo e as marcas deixadas pelos pregos nos faz admirar a estética. Se torna arte!”, complementa.

A madeira de demolição é dividida em duas categorias. As tábuas, geralmente provenientes da estrutura de telhados e com a forma achatada e retangular, são empregadas para o revestimento de pisos e paredes. Já as peças são indicadas para as colunas da obra.

Em sua maioria, tratam-se de madeiras de lei como peroba, ipê, jacarandá, carvalho e angelim, sendo que a mais comercializada atualmente é a de peroba rosa, matéria-prima proveniente do Sul do País. Antes de fazer a compra, é importante averiguar se essa venda é legalmente autorizada. Algumas lojas especializadas possuem certificados de venda e extração de madeira de demolição, garantindo sua procedência.

Decoração

A madeira de demolição vai muito bem em ambientes com uma proposta de decoração mais rústica, sendo comum encontrarmos peças como mesas de jantar, aparadores e cristaleiras. Em linhas gerais, contam com uma pintura desgastada, deixando o móvel com a aparência ainda mais rudimentar. Todavia, vale lembrar que esses traços não são exclusivos de um décor mais bucólico.

Em um equilíbrio e com um toque mais contemporâneo, os móveis e a madeira de demolição combinam muito bem em projetos modernos, dando um contraste interessante e de personalidade aos ambientes.

Além de elegante e rústica, a madeira de demolição é ecologicamente correta Beleza dos veios e ranhuras, combinada com a antiguidade da madeira, é um ponto bastante positivo. Crédito da foto: Divulgação / Julia Herman

Onde usar?

Na sala de jantar, pode ser adotada em mesas, piso e paredes. Já na sala de estar, por exemplo, pode-se utilizá-la em um painel de TV mais charmoso, um aparador ou um banco de madeira de demolição. Em paredes, servem de moldura para espelhos e buffets.

Além da sala, a madeira de demolição pode marcar presença na cozinha como revestimento de pias e balcões, contrastando com outras matérias primas como pedras de granito e mármore, garantindo uma personalidade única ao espaço. “Considero muito primoroso o emprego da madeira de demolição no banheiro. Embora seja mais resistente à água, precisamos nos atentar ao tratamento com verniz para a impermeabilização da peça”, conta Isabella.

Já as madeiras provenientes de trilhos de trem e postes de iluminação só podem ser utilizadas em áreas externas. O cuidado se justifica pela grande chance de estarem impregnadas com creosoto, um produto tóxico que costumava ser aplicado na madeira para aumentar a sua durabilidade.

Móveis

Não existe uma limitação para o uso de móveis rústicos e o mercado dispõe de uma infinidade de peças como bancos, mesas, cadeiras, camas, armários para quarto e para sala, cômodas, criados, aparadores, espelhos e muitos outros.

É preciso ficar atento e realizar uma manutenção preventiva, limpando e verificando a qualidade das peças de tempos em tempos para não comprometer a durabilidade.

A limpeza da madeira de demolição é feita com máquinas de água de alta pressão. Após estarem secas, as tábuas precisam ser aplainadas para ficarem com a mesma espessura. Depois, são cortadas lateralmente para receber encaixes, se necessário. Após a preparação, a madeira precisa ser protegida contra a umidade com a aplicação de cera ou verniz, podendo ser brilhante ou fosco, a depender do resultado estético pretendido. “Dou preferência para ceras à base de água, que não manchem com o contato de água e dispensam o uso de enceradeira. Na versão fosca, ainda preservam o aspecto natural da madeira”, complementa Isabella. Depois de aplicada deve-se tomar cuidado com a exposição à luz do sol e a artificial, que podem danificar o material.

No dia a dia, deve-se evitar o contato com a água mesmo o pano molhado manuseado em pisos. Depois de varrer e aspirar o pó, deve-se, no máximo, passar um pano levemente único, praticamente seco.