Casa e Acabamento

A beleza flutuante das cortinas que tem papel fundamental na decoração

O tecido é o elemento mais importante na cortina, pois é ele que filtra a luz
A beleza flutuante das cortinas
Denise Barreto optou pelo trilho suíço embutido no forro para instalar cortinas em linho rendado. No detalhe, maneira diferente de prender o tecido. Crédito da foto: Zeca Wittner

As cortinas têm um papel fundamental na decoração: são elas que garantem privacidade e ajudam a trazer aconchego para os ambientes. Mas a escolha do modelo ideal não deve se basear só na estética da peça. “É preciso considerar como o espaço é usado e a intensidade de luz desejada, pois a principal função da cortina é controlar a luminosidade, trazendo mais conforto visual e térmico para o ambiente”, explica a arquiteta Denise Barretto, do escritório Denise Barretto Arquitetura.

Nesta reportagem, Denise faz algumas recomendações sobre como escolher uma cortina adequadamente, e lembra que é possível instalar controles eletrônicos para a abertura e fechamento das cortinas. “Tendo um ponto elétrico sempre é possível instalar, pois a conexão pode ser wireless.”

Tecido

O tecido é o elemento mais importante na cortina, pois é ele que vai determinar a quantidade de luz natural que entra no espaço. “Tramas mais leves, como as do voil e do chiffon, são a melhor opção para deixar a luz entrar, enquanto tramas mais fechadas, como o algodão, o linho e a seda, filtram mais a claridade”, explica Denise. Os mais encorpados, entre eles a camurça, o veludo e os tecidos blecaute, devem ser usados para barrar a entrada de luz e escurecer os ambientes. Como também melhoram a acústica dos espaços, podem compor salas de TV e quartos. Os tecidos mais resistentes são os 100% sintéticos ou ainda algodões ou brins encorpados em tonalidade bem claras.

Leia mais  Piso laminado o que é? Quais são as suas características?

Suportes

A beleza flutuante das cortinas
Projeto da arquiteta Ana Yoshida mostra cortinas curtas para um dormitório. Crédito da foto: Evelyn Müller / Reprodução da Internet

Para instalar a cortina, é possível usar o trilho suíço ou o varão. “Em projetos planejados do zero, incluir um vão entre o forro de gesso e a parede para embutir o trilho suíço oferece o melhor acabamento”, indica a arquiteta. Já o varão, fixado diretamente na parede, é uma boa opção para quem busca praticidade na instalação. Como o suporte fica exposto e pede acessórios como ponteiras, o varão também traz mais informação visual e pode enriquecer o décor.

Medidas

Cortinas longas, que vão do teto ao piso, não têm regras para o comprimento: podem ficar rentes ao chão ou arrastando um pouco. A escolha varia de acordo com o gosto do morador e do caimento desejado para o tecido.

As cortinas mais curtas, por sua vez, devem respeitar algumas medidas para impedir que a luz vaze pelos lados. Elas devem ser instaladas pelo menos 20 cm acima da janela e a barra também deve ultrapassá-la entre 20 cm e 30 cm. Nas laterais, a cortina deve avançar de 25 cm a 30 cm além da janela.

Leia mais  Uma arquitetura viável e com qualidade para todos

Limpeza

A beleza flutuante das cortinas
Simples e despretenciosa, essa prática cortina valoriza a cozinha. Crédito da foto: Evelyn Müller / Reprodução da Internet

Para lavar cortinas em casa é preciso ter uma banheira ou algo com forma alongada, de forma a esticá-las para que não enrosquem nos rodízios. Cortinas rendadas ou de macramê vão exigir cuidado redobrado para não desfiarem.Se os rodízios forem retirados e o tecido for leve, será possível inclusive fazer a limpeza na máquina de lavar. Cuidado com tecidos naturais como algodão e linho. Se não forem pré encolhidos irão encolher. Veludo e seda só devem ser lavados a seco.

E, lembre-se (principalmente se em sua casa houver fumantes): quanto mais espessa e texturada a cortina, mais ela irá absorver odores. Receber sol ou ser lavada a cada 6 meses pode ajudar a não reter tanto o cheiro. (Da Redação)

Comentários