Agronegócio

Criação de cabras é alternativa para pequenas propriedades

Manejo para reduzir custos e aumentar eficiência
Cabras e ovelhas: além de Nordeste e Sul, estado de São Paulo reúne alguns dos principais criatórios do Brasil

Quando se fala em agro­negócio a maioria das pesso­as pensa na criação de gado para corte ou na produção de grãos com destaque no mer­cado internacional, como mi­lho e soja. Porém, poucos se atentam ao fato de que 85% da produção agrícola brasi­leira está nas mãos de pe­quenos e médios produtores.

Isso se dá porque algu­mas atividades exigem um investimento inicial expres­sivo, mas também é preciso considerar os altos preços das terras em cidades próxi­mas a grandes centros, como é a região de Sorocaba.

Em regiões onde é quase inviável a aquisição de gran­des áreas, os investidores do agronegócio precisam ser criativos, reduzir custos e in­vestir para melhorar a efi­ciência de produção.

Outro fator importante é a escolha do que se vai pro­duzir. Nesse aspecto, a cria­ção de cabras e ovelhas tem se destacado. Ao contrário do que muitos pensam, os grandes criadores de capri­nos e ovinos não estão ape­nas no Nordeste ou no Sul do País: o estado de São Paulo reúne alguns dos principais criatórios do Brasil!

Um desses exemplos está em Porto Feliz, a 50 minutos de Sorocaba. Numa área de 12 alqueires, o produtor An­dré Ferreiras, do Capril Porto Reserva, é destaque nacional na criação de cabras da raça Anglonubiana.

Mudanças no pasto: reflexo no bolso!

Há algum tempo o criador decidiu trocar sua pastagem, buscando reduzir custos e melhorar a eficiência. Ele trocou o Tifton pelo capim Mombaça, um tipo de Pani­cum maximum.

A escolha pelo capim foi definida por sua alta produ­tividade dentre os demais ca­pins existentes no mercado e também por responder pron­tamente a adubação. Além disso, ele aguenta o pisoteio das cabras durante o pastejo e resiste muito bem às pra­gas e doenças.

Leia mais  VBP: expectativa de R$ 1 trilhão em 2021

O primeiro passo na exe­cução do projeto foi seguir ri­gorosamente todos os proto­colos normalmente exigidos para uma renovação de pas­tagem. Nesta fase foram fei­tas análises do solo que apontaram as principais ca­racterísticas do terreno e quais as suas necessidades nutricionais.

O preparo da terra oco­rreu durante a época seca do ano, sendo reservada para o período das chuvas a semea­dura. Logo após essa etapa, entre 45 e 50 dias, um pasto novinho já estava pronto para ser usado.

Segundo o zootecnista Cristiano Magalhães Pariz, o novo capim consegue produ­zir de 60 a 70 toneladas de massa seca/hectare/ano, sendo que 80% desse volume é produzido de novembro a abril, devido as condições de chuva, luz e temperatura. Já o Tifton pouco ultrapassa as 30 toneladas de massa se­ca/hectare/ano.

Apesar do Tifton ser um capim rasteiro, de menor porte e ter a mesma exigên­cia de fertilidade de solo que o Mombaça, a diferença en­tre ambos se estende tam­bém ao custo de plantio. Se­gundo Cristiano Magalhães, enquanto a implantação de uma pastagem de capim Mombaça gira por volta de R$ 2 mil e R$ 2,5 mil por hec­tare — contando com aplica­ção de insumos e operação de maquinário — o Tifton, por se tratar de uma muda de alto custo, varia entre R$ 4 mil e R$ 5 mil por hectare.

Leia mais  Crédito para a safra 21/22

Na Porto Reserva a área destinada à implantação do capim Mombaça ocupa um espaço de 3,2 ha, onde pas­tejam em torno de 200 ani­mais. A média por hectare fi­ca por volta de 60 a 70 ca­bras contando com o auxílio nutricional da suplementa­ção. Sem esse auxílio e com a nutrição sendo somente a pasto, o índice cairia para 20 cabras/hectare.

Animais bem nutridos, custo de produção menor

Uma cabra bem nutrida e feliz é um animal que adoe­cerá menos e irá responder produtivamente de maneira satisfatória. Por isso, um dos primeiros resultados obtidos com a implantação do capim Mombaça foi o alto índice de adaptação das cabras à nova pastagem.

O proprietário do capril, André Ferreiras, ficou satis­feito com o resultado. “O que me empolga nesse projeto é olhar para o rebanho e ver a qualidade sanitária do nosso plantel e como hoje temos poucos animais doentes ou com problemas de escore. E tem ainda a satisfação no bolso, que faz a gente sorrir também. Com o novo pasto o nosso consumo de silagem diminuiu em torno de 40%”, comemora.

Custo produtivo menor Não foi só nos índices zo­otécnicos que a utilização do capim Mombaça se mostrou vantajoso. Os ganhos com a nova cultivar foram percebi­dos também no custo de produção, já que sai mais barato alimentar o animal a pasto do que fornecendo silagem. Para se ter uma ideia, o custo médio da silagem no estado original produzida na propriedade, com 35% de matéria seca, sai a R$ 180,00. Multiplicando esse valor por três o custo final de produção chega a R$ 540,00 a tonelada. O milho, que tem 90% de matéria seca e um valor nutricional mais alto, custa R$ 760,00 a tonelada, ou seja, quase o mesmo valor da silagem. E ainda sofre va­riações expressivas de preço em função da cotação do dó­lar x produção x demanda mundial.

Leia mais  VBP: expectativa de R$ 1 trilhão em 2021

Já o quilo da matéria seca da silagem custa R$ 0,54 en­quanto a matéria seca do ca­pim Mombaça sai por R$ 0,04 o quilo. “A silagem de certa forma é muito seme­lhante em termos nutricio­nais que o pasto. Dependen­do da qualidade, ela conse­gue ter um pouco mais de energia. Aqui no capril nossa silagem tem entre 70% e 75% de energia. Já o pasto de capim Mombaça tem en­tre 65% a 70%. Só que quan­do falamos em proteína, as nossas cabras consomem em torno de 17% a 18% des­se nutriente a pasto, en­quanto a silagem fornece apenas 7%. A pasto nós con­seguimos diminuir a neces­sidade de concentrado pro­teico na suplementação dos animais e isso reduz o custo de produção”, afirma o zoo­tecnista.

Formulação do adubo utilizado No Capril Porto Reserva foi utilizado o adubo 20520, que é um formulado de 20% de nitrogênio, 5% de P2O5 (fósforo) e 20% de K2O (po­tássio). Este é um tipo de adubo que equilibra a for­mulação entre potássio e hi­drogênio. Sem essa sincroni­zação, o pasto pode ter defi­ciência de potássio e não produzir de acordo com o es­perado. (Denis Deli – jornalista especializado em agronegócio, pós graduado em Produção e Reprodução animal)

Comentários