Agronegócio Brasil Suplementos

Agronegócio: linhas de investimentos do BNDES, safra e PIB

Governo age para suprir caixa do Tesouro
BNDES devolverá R$ 100 bi. Crédito da foto: Vanderlei Almeida / Arquivo AFP (12/5/2017)

O Banco Nacional de De­senvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu as linhas de investimento Inovagro, Moderagro, Moder­frota, Prodecoop, PCA e Pro­naf Investimento. Não há previsão de reabertura até o final do plano Safra 2020/2021.

Segundo Thiago Peroba, chefe do departamento de Operações e Canais Digitais do banco, as linhas estão quase esgotadas, com dispo­nibilidade de só 2% a 4% do valor total repassado pelo Ministério da Agricultura.

A única chance de rea­bertura de crédito nestas li­nhas é se contratos já firma­dos não forem utilizados. “Nessa situação o valor com­prometido para a operação retorna ao saldo e haveria mais crédito disponível” ex­plica Peroba.

Outras linhas de crédito também já estão com boa parte dos seus recursos comprometidos e podem ser suspensas em breve, como o Moderinfra, ABC, Pronamp Investimento, Pronaf Cami­nhonetes e Pronaf Tratores e Colheitadeiras.

Para as cooperativas, ain­da existe uma linha de crédi­to com recursos disponíveis. “A ProcapAgro Giro ainda foi pouco utilizada e conta mais de R$ 1 bilhão em recursos disponíveis”, disse Peroba.

Ao produtor que precisar buscar novas fontes de re­cursos fica o alerta: cuidado com taxas de juros e condi­ções de pagamento. O pró­prio BNDES tem uma linha de capital próprio, o Finame, porém este recurso não é equalizado pelo Governo Fe­deral e por isso não tem as mesmas condições das de­mais linhas de investimentos.

Segundo dados divulga­dos pelo Ministério da Agri­cultura, o total de crédito ru­ral contratado na Safra 2020/21, em diversas li­nhas, chegou a R$ 125 bilhõ­es em seis meses. Uma alta de 18% em relação do perío­do da safra anterior.

Leia mais  Um novo futuro para Pac-Man

PIB do agronegócio deve crescer 3% em 2021

A Confederação de Agri­cultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou relatório em que prevê crescimento de 3% no PIB do agronegócio em 2021, enquanto o Valor Bru­to da Produção Agropecuária (VBP) deve aumentar 4,2%.

Em 2020 o setor teve um crescimento substancial, de 9% no PIB e 17,4% no VBP. Além do acréscimo na produ­ção, o crescimento robusto do ano passado se deve à for­te alta no dólar, ocorrido em função da pandemia de coro­navírus pelo mundo.

Embora alguns analistas considerem que o crescimen­to de 2021 será menos ex­pressivo do que 2020, o su­perintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, desta­cou que os resultados são significativos e demonstram a força do setor.

“Um PIB de 3% acima de 9% ainda é muita coisa, é um crescimento robusto sobre este ano, os preços não vão ter muito aumento e a pro­dução vai crescer”, disse ele.

Leia mais  Inclusão: pessoas com deficiência terão de se identificar?!

A CNA destaca ainda que fatores climáticos podem al­terar essa projeção, em espe­cial a intensidade do La Ni­ña, que tem potencial de afe­tar, principalmente, colheita na região sul do Brasil, po­dendo causar impacto nos preços e oferta de produtos.

“Não vamos deixar de ter uma safra recorde, mas po­deríamos ter uma safra mui­to maior, não fosse a questão climática. Em milho, temos preocupação, a produção vai estar muito ajustada com o
consumo”, emendou Lucchi.

MAPA tem recorde no registro defensivos de controle biológico

O último relatório do Departamento de Sanida­de Vegetal e Insumos Agrí­colas da Secretaria de De­fesa Agropecuária apontou que, em 2020, o país regis­trou 95 produtos de baixo impacto. “Foi o ano mais importante para o registro de biopesticidas, que são ferramentas importantes para tornar a agricultura brasileira ainda mais sus­tentável”, disse Bruno Breitenbach, coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins do MAPA.

Ao todo, o país tem 411 produtos de baixo impac­tos registrados e disponí­veis para o produtor. Os produtos considera­dos de baixo impacto têm ingredientes ativos biológi­cos, microbiológicos, se­mioquímicos, bioquímicos, extratos vegetais e regula­dores de crescimento, po­dendo ser utilizados na agricultura orgânica.

Leia mais  ProUni oferta 162.022 bolsas na primeira seleção de 2021

Agro representou quase metade das exportações brasileiras em 2020

Pela segunda vez na história, as exportações do agro ultrapassaram a barreira dos US$ 100 bilhões. Com esse desempenho, o setor representou quase metade de tudo o que o país exportou no ano passado.

As vendas externas fecharam o ano com US$ 100,81 bilhões, o segundo maior valor da série história, ficando atrás apenas de 2018, quando o país exportou US$ 101,17 bi. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O relatório destaca que o volume importado subiu (+9,9%), porém o desempenho financeiro foi comprometido pela queda nos preços (-5,3%).

O complexo de soja (grão, óleo e farelo) foi o principal produto de exportação, com US$ 35,24 bilhões e 101,04 milhões de toneladas. As carnes ocuparam a segunda posição no ranking, com US$ 17,16 bilhões, sendo que a carne bovina representou 49,4% do volume exportado, com aumento de 11,1% em relação a 2019.


Denis Deli – jornalista especializado em agronegócio, pós-graduado em Produção e Reprodução Animal

Comentários
Assuntos