Buscar no Cruzeiro

Buscar

Saúde pecuária

Vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em 15 estados brasileiros

Nessa etapa deverão ser vacinados bovinos e bubalinos de todas as idades, com a expectativa de imunizar cerca de 170 milhões de animais

03 de Junho de 2021 às 04:25
Cruzeiro do Sul [email protected]
Vacinação contra febre aftosa
Vacinação contra febre aftosa (Crédito: RUBEM NEIVA / EMBRAPA)

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, que terminaria em 31/5, foi prorrogada em 14 estados e no Distrito Federal. A ampliação do prazo, em função da pandemia e remanejamento de doses para algumas regiões, foi avaliada e autorizada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) a pedido das entidades representativas dos produtores e chancelada pelo Serviço Veterinário Estadual.

Nessa etapa deverão ser vacinados bovinos e bubalinos de todas as idades, conforme o calendário nacional. Ao todo, espera-se imunizar cerca de 170 milhões de animais.

Para os pecuaristas do DF, a prorrogação vale até 12/6. Nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, o novo prazo será até 15/6 e em Goiás e Sergipe, até 18/6.

Já nos estados de Piauí, Rio Grande do Norte, Maranhão, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Paraíba, Pará e São Paulo o prazo vai até 30/6. Por fim, o Ceará terá até 3 de julho para realizar a imunização.

As vacinas devem ser adquiridas nas revendas autorizadas e mantidas entre 2°C e 8°C, desde a aquisição até o momento da utilização -- incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda. Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais.

Além de vacinar o rebanho, o produtor deve também declarar ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado. A declaração de vacinação deve ser realizada de forma online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados.

Os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e partes do Amazonas e do Mato Grosso já foram reconhecidos internacionalmente como zonas livres de febre aftosa sem vacinação. No entanto, nos demais estados a vacinação é obrigatória e deve seguir o calendário divulgado pelo Mapa.


Denis Deli é jornalista especializado no agronegócio, pós-graduado em produção e reprodução animal.