Buscar no Cruzeiro

Buscar

Vereador de Votorantim denuncia secretário de Governo ao Ministério Público

03 de Outubro de 2019 às 20:30
Marcel Scinocca [email protected]

José Antonio de Oliveira, o Gaguinho (DEM). Crédito da Foto: Aldo V. Silva / Arquivo JCS

O caso envolvendo uma ligação telefônica entre um vereador de Votorantim e o secretário de Governo da cidade, Carlos Laino, foi parar no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP). O próprio vereador José Antonio de Oliveira, o Gaguinho (DEM), fez uma representação sobre o caso na tarde de quinta-feira (3).

[irp posts="91266" ]

 

No documento, Gaguinho fala da possibilidade de cometimento de ato de improbidade administrativa por Laino. Ele alega que o secretário teria tentado direcioná-lo em seu voto parlamentar em um projeto de lei do Executivo. Gaguinho alega que votou contra o projeto e logo após o ocorrido, foi cobrado pelo secretário sobre o seu posicionamento.

No áudio da ligação, ao qual o jornal Cruzeiro do Sul teve acesso, Laino fala em parar de atender as demandas do vereador. Na representação ao MP, o parlamentar alega que, de fato, a “ameaça” teria se concretizada. Gaguinho fala em impessoalidade e que o fato fere os princípios da Constituição Federal e da administração Pública.

Carlos Laino afirmou que foi uma conversa normal e dentro da política. Segundo ele, é uma forma de trabalhar. Laino também afirmou que precisa ter uma relação institucional e que a relação passa a ser política com quem apoia ou não apoia o governo.

O secretário também negou que tenha deixado de atender os vereadores da cidade em serviços públicos. De acordo com ele, vereadores da oposição são os que mais são mais atendidos. Laino, entretanto, afirmou que deixou de fazer parcerias com instituições em favor do vereador. Ele ressaltou que nesses casos não há envolvimento de dinheiro público.

Questionado sobre o fato de, no áudio, ele ter afirmado que não atenderia os pedidos do vereador, mesmo que isso prejudicasse a população, ele ratifica. “Talvez eles fossem prejudicados, mas eu não faria se ele não estivesse comigo”, afirma.

O titular da Secretária de Governo de Votorantim, por fim, disse que tem 32 anos de vida pública, que muitas vezes é mal interpretado por sua forma transparente e que os munícipes de Votorantim não precisam de intermediário para conseguirem serviços públicos.

A Prefeitura de Votorantim não se manifestou sobre o caso. (Marcel Scinocca)