Sorocaba e Região

Trecho na Raposo Tavares soma 21 acidentes em quatro anos

No perímetro sorocabano, a rodovia tem velocidades regulamentadas em 110 km/h para autos e 90 km/h para caminhões
Trecho na Raposo soma 21 acidentes em quatro anos
Em novembro, uma carreta ficou pendurada no viaduto que existe no local. Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (6/2/2020)

O trecho em que ocorreu o acidente na Raposo Tavares, nesta sexta-feira (13), e que deixou quatro mortos, já registrou outros 21 acidentes entre 2015 e 2019. As informações foram divulgadas pela ViaOeste, concessionária do grupo CCR que administra a via. No mesmo período, conforme o levantamento solicitado pelo jornal Cruzeiro do Sul à concessionária, houve o registro de 14 vítimas sobreviventes nesses acidentes.

De acordo com os dados, em 2015, foram registrados 2 acidentes. Já em 2016, foram três. No ano seguinte, — 2017 –, 9 acidentes, contra 3 em 2018. Em 2019, foram quatro acidentes nas proximidades do local. Este ano foram duas ocorrências.

Radar

Contrariando o que foi ventilado durante toda esta sexta-feira (13), em especial em redes sociais, o acidente desta sexta, conforme a concessionária, não teve relação com o radar instalado próximo ao local do ocorrido. “O radar não teve influência no acidente, pois está localizado no km 98+800 Pista Leste (Interior/Capital) e o acidente ocorreu no km 98+400, ou seja, 400 metros à frente”, diz a instituição.

Leia mais  Sorocaba decreta Estado de Emergência por conta do coronavírus

A concessionária lembrou que a rodovia Raposo Tavares, na região de Sorocaba, possui velocidade regulamentada em 110 km/h para autos e 90 km/hora para caminhões. Entretanto, a partir do km 99+300 Leste a velocidade é reduzida para 90 km/h para todos os veículos, em função de iniciar um trecho com declive acentuado. “A sinalização da rodovia está adequada e segue as Normas Técnicas do Manual do DER-SP”, alega.

A ViaOeste disse ainda que diversas melhorias foram realizadas durante os 21 anos de concessão, no trecho da rodovia Raposo Tavares que corta Sorocaba. As principais intervenções foram a duplicação da rodovia e implantação de vias marginais entre o km 92 e o km 106. “Também foram implantados/reformulados os dispositivos no km 96 (acesso a Sorocaba), no km 97+800 (acesso Sorocaba/Votorantim) e no km 102+637 (Piedade). Os investimentos nesse trecho da rodovia Raposo Tavares totalizam R$ 520 milhões [com base em dados de julho de 2019]”, diz.

Fiscalização no local

A Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) afirmou nesta sexta-feira (13) que enviou uma equipe técnica ao local do acidente ocorrido durante a madrugada para verificação das causas e análise de medidas que podem ser adotadas pela concessionária. “A partir das conclusões dos técnicos, a concessionária será cobrada a apresentar estudos detalhados do segmento para implantação de melhorias para aumentar a segurança viária”, garante a agência.

Leia mais  Insistência

A instituição alegou ainda que sua fiscalização percorre os 9,8 mil quilômetros de malha concedida verificando as condições das rodovias e o cumprimento de itens do contrato ligados à qualidade do asfalto, drenagem, poda de áreas lindeiras à rodovia, sinalização vertical e horizontal, itens de segurança, condições das frotas de atendimento aos usuários entre outros itens. “Sempre que não conformidades são verificadas, as concessionárias são notificadas para fazerem ajustes, e quando não realizam o reparo no tempo previsto em contrato, são penalizadas.”

Artesp e concessionária alegaram que realizam projeto visando conscientizar os motoristas que trafegam pela via. As duas instituições não responderam se existe a possibilidade de redução de velocidade na região do acidente ou de restrição de tráfego. A concessionária não respondeu se o número de mortes no local está dentro dos índices de outras rodovias e trechos da própria Raposo Tavares administrados por ela.

Leia mais  OMS: há mais de meio milhão de casos e vacina demorará 18 meses

Histórico de acidentes

O trecho da rodovia Raposo Tavares, próximo de onde ocorreu o acidente, registrou vários outros eventos do tipo nos últimos meses. Um deles ocorreu em 14 de fevereiro. Uma colisão originou a sequência de batidas. A situação envolveu ainda uma viatura de inspeção de tráfego da CCR ViaOeste. O veículo chegou a tombar na pista.

Em outro caso recente no local, o motorista de uma carreta ficou ferido após ele perder o controle da direção do veículo. O caminhão caiu no vão da ponte do chamado Trevo da Vida, que já foi chamado de Trevo da Morte. O caso ocorreu em novembro de 2019. (Marcel Scinocca)

Comentários