Sorocaba e Região

Suspeito de ligação com organização criminosa é preso em Sorocaba

Acusado utilizava sorveterias e dois serviços de eventos para lavar o dinheiro da venda das drogas
O tesoureiro foi detido pela Polícia Civil. Crédito da foto: Emídio Marques (01/02/2019)

*Atualizada às 15h50

Agnaldo Ferreira Pires, de 42 anos, vulgo Batata ou Legume, considerado o tesoureiro de uma facção criminosa em Sorocaba, foi preso em flagrante por tráfico de drogas na manhã desta sexta-feira (1º). De acordo com a polícia, ele comandava a contabilidade dos principais pontos de venda de drogas da zona norte, no Jardim Itapemirim e Nova Esperança. Agnaldo era proprietário de estabelecimentos comerciais – quatro sorveterias, um buffet infantil e uma chácara para eventos -, que usava para fazer a lavagem do dinheiro proveniente do tráfico. A operação foi realizada pela Delegacia de Investigações Gerais Sobre Entorpecentes (Dise), com apoio da Guarda Civil Municipal (GCM).

A operação decorre de ações realizadas pela Polícia Civil desde o ano passado, quando foram presas pessoas ligadas ao tráfico nesses bairros. A investigação levou ao nome do responsável pela contabilidade, apontado como um dos principais comandantes da facção na cidade. Os policiais cumpriram na manhã desta sexta-feira (1º) dois mandados de busca e apreensão, um na casa do acusado, que fica em um condomínio de alto padrão na zona industrial de Sorocaba, e o outro em uma das sorveterias. Ele estava em casa, onde os policiais encontraram drogas e, por isso, foi detido em flagrante.

Leia mais  Garoto de quatro anos se afoga em piscina e morre em Votorantim

 

Ao todo, foram apreendidos quase 40 quilos de drogas. Na casa do acusado, havia 1.475 porções de maconha, 1.922 porções de crack e 958 porções de cocaína. Em uma mochila, foram encontrados cadernos com anotações do tráfico, uma máquina de contabilidade e radiocomunicadores, que eram usados inclusive para avisar os traficantes da presença da polícia. Na sorveteria, também em uma mochila, foram encontradas 1.150 porções de cocaína, 1.430 porções de crack e 317 porções de maconha. Um carro HB 20 também foi apreendido.

Ao todo, foram apreendidos cerca de 40 quilos de drogas. Crédito da foto: Emídio Marques (01/03/2019)

O delegado assistente da Dise, Rodrigo Ayres, explica que a operação aconteceu nesta sexta (1º) porque a droga já estava embalada e pronta para ser distribuída no Carnaval. Com a venda dos entorpecentes apreendidos, os policiais estimam que a quadrilha iria obter cerca de R$ 500 mil. A investigação aponta ainda que o lucro obtido mensalmente com o tráfico nesses pontos variava entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões, enquanto o lucro real das sorveterias, por exemplo, ficava entre R$ 1 mil e R$ 2 mil por mês.

Segundo o delegado, além do controle da contabilidade, o empresário armazenava as drogas e recolhia o dinheiro dos traficantes que gerenciavam os pontos de venda de drogas. Parte do dinheiro era repassado para outras pessoas da facção e uma parte ficava com ele. “O dinheiro era pulverizado para despistar a sua origem. No caso do contador, ele inflava os valores dos lucros dos seus estabelecimentos comerciais para lavar o dinheiro do tráfico”, cita.

Ainda, segundo a Dise, o acusado não tinha passagens policiais, mas respondia a um processo por corrupção ativa. Ele permaneceu preso e passará por audiência de custódia. A pena estimada para esse crime, em caso de condenação, é de dez anos de reclusão. A mulher do empresário também foi levada à delegacia para prestar depoimento, mas foi liberada em seguida. Agnaldo Ferreira Pires foi cobrador do jornal por cerca de dez anos.

 

Comentários