Sorocaba e Região

Sorocabano em missão especial na Rússia

César Santana – cesar.santana@jornalcruzeiro.com.br

Para a maioria dos brasileiros que encararam os quase 15 mil quilômetros de distância que separam a terra natal da Rússia, onde acontece a Copa do Mundo de 2018, a aventura acabou no último dia 6, quando o apito soou pela última vez na Arena Kazan decretando a eliminação da seleção brasileira frente à Bélgica. O mesmo não se aplica, porém, ao sorocabano Tiago Paes, de 37 anos. Funcionário da FIFA, ele está em seu segundo mundial atuando no planejamento de operação de estádios, tendo estreado no Brasil, em 2014, e repetindo a função em terras russas na atual edição do torneio.

Graduado em Esporte pela Universidade de São Paulo (USP) e com MBA em gestão empresarial, ele acumula experiência em outros eventos esportivos de grande porte, como os Jogos Olímpicos de Inverno de Salt Lake City, em 2002, os Jogos Pan-Americanos do Rio, em 2007, e o Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014. Nesta última, Tiago foi o responsável pelo planejamento e operação dos 12 estádios que sediaram os jogos, sendo convidado para assumir uma posição semelhante na FIFA no ano seguinte.

Leia mais  Tribunal de Contas julga irregulares contratos de Tatuí e Salto

O sorocabano explica que o trabalho é extenso e envolve diversas áreas de atuação. “Minha responsabilidade é garantir que os diferentes planos operacionais se encaixem e que todas as responsabilidades estejam bem definidas”, conta. E exemplifica: “Fazemos uma análise detalhada do conceito de segurança proposto pelos russos e como isso afeta a operação. Existem demandas das equipes, da imprensa, de patrocinadores e a segurança precisa garantir que todas as ações ocorram sem problemas”, diz. Isso envolve desde o credenciamento de pessoas às áreas restritas dos estádios (num dia de jogo mais de cinco mil pessoas chegam a trabalhar) até a decoração, tudo seguindo protocolos específicos de cada uma das partes envolvidas.

Para que tudo corra conforme o planejado, o trabalho tem de começar a ser executado com antecedência. E nesse ponto, a organização não deixa a desejar. Segundo Tiago, os russos estiveram presentes no Brasil não apenas no Mundial de 2014, mas também na Copa das Confederações um ano antes com observadores. E eles não foram os únicos. “Como o Catar foi eleito como sede da Copa de 2022 junto com a Rússia, em 2010, eles também tiveram a oportunidade de participar do programa de transferência de conhecimento. Aqui na Rússia, por volta de 60 representantes do Catar também estão trabalhando ou observando”, revela. E, embora o planejamento já tenha sido iniciado, o foco da FIFA só se voltará totalmente para 2022 com o fim do Mundial em curso. Ou seja, quem sabe, a partir já desta segunda-feira.

Comentários