Sorocaba e Região

Sorocaba precedeu a luta pela libertação dos escravos no País

Grupo fundou Loja Maçônica abraçando o ideal da liberdade e da educação
Grupo de maçons da Perseverança III, destaca-se, da esquerda para a direita, de pé: Vicente Guariglia (2º), Leopoldo Machado(3º), João José da Silva (4º) e, sentado, José Padilha de Camargo (1º) – Foto: Reprodução

Hoje, quando se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra, um capítulo da história da luta pela abolição da escravatura marca a Loja Maçônica Perseverança III de Sorocaba como instituição protagonista do movimento pela libertação dos escravos no Brasil. A fundação da loja e o início da campanha pelo fim da escravatura aconteceu em 1869, 21 anos antes da Lei Áurea, assinada em maio de 1888.

Quem conta esse marco histórico comprovado por meio de documentos, é o escritor José Aleixo Irmão em seu livro “A Perseverança III e Sorocaba 1869/1889” – Volume 1, em edição de 1999 da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA).

Obra escrita por José Aleixo Irmão resgata história da Loja Maçônica

Segundo a narrativa de Aleixo Irmão, na noite fria de 19 de julho de 1869, numa casa da rua da Penha, no centro de Sorocaba, 24 maçons da Loja Maçônica Constância realizaram um encontro histórico. Eram homens de projeção política, social e econômica da cidade. A pauta era a fundação de uma nova Loja Maçônica no município. Atas dos registros das sessões, contidas no livro, reconstituem os debates que inseriram a Perseverança III na história da luta pela Abolição da Escravatura no Brasil.

Liberdade e educação

Um dos presentes naquela sessão da casa da rua da Penha, o advogado José Leite Penteado (era o proprietário da residência), abriu o debate: “Todos estão animados do firme propósito de pugnar pela cada vez maior campanha de libertação dos escravos, de vez que faz tema principal da maçonaria brasileira, paralelamente ao da Proclamação da República.”

Em seguida, o jornalista e advogado Ubaldino do Amaral Fontoura argumentou: “Sem dúvida que essa ideia, ou melhor, o binômio libertação e educação constitui o mais nobre desideratum sobre o qual assentaremos as bases da nova loja.” E acrescentou: “Bem sei que o movimento que vamos encetar, lado a lado com a loja América, pela libertação das crianças, filhas de escravos, terá repercussão de âmbito nacional e é isso que queremos. Por isso mesmo, em contrapartida, desencadearão sobre nós forças interessadas na manutenção do status quo ofensivo à dignidade humana, enxovalhando a própria nação.”

Outro integrante da Constância, o advogado Vicente Eufrásio da Silva Abreu, lembrou que os Estados Unidos, Chile, França, Portugal, Espanha e outros países já tinham libertado os escravos. E Mascarenhas Camelo, outro membro entre os 24 presentes, interveio: “Urge, por conseguinte, que nos coloquemos na vanguarda do movimento, como tropas avançadas prontas a agir.”

Nesse instante, o empresário e um dos fundadores da Estrada de Ferro Sorocabana, Matheus Maylasky, se pronunciou: “Também sou favorável a uma tomada de posição para que com o exemplo nos tornemos pioneiros desse nobre ideal.” Em meio a aplausos, indicaram Vicente Eufrásio para presidir os trabalhos e este chamou Ubaldino do Amaral para se sentar ao seu lado como secretário.

Votação e aprovação

Foi então que Leite Penteado oficializou: “Proponho, pois, oficialmente, a criação de outra loja, nos termos por mim já expressos, no início, que tenha por fim, além dos que lhe são próprios, promover a libertação dos escravos, pelos meios legais, bem como a difusão da instrução popular, assuntos dignos da nossa instituição maçônica.”

Vicente Eufrásio apresentou a proposta para discussão e votação e ela foi aprovada por unanimidade. Depois, sugeriu o nome Perseverança como evocação do “estado de ânimo que nos empolga e que servirá de encorajamento nos reveses e lutas que viermos a sofrer”. Por fim, Vicente Eufrásio foi aclamado como o venerável (igual a presidente) da nova loja. Ubaldino do Amaral, por indicação de Vicente Eufrásio, ocupou o cargo de orador da nova instituição.

Ubaldino do Amaral Fontoura era jornalista e advogado

O cenário político da época, marcado pelos ideais republicanos, também contribuiu para a cisão da Constância e consequente fundação da Perseverança III. A análise com esse foco é feita por Aleixo Irmão. Segundo ele, além dos 24 fundadores, muitos outros se agregaram à nova loja: “As grandes personalidades do município e da região fizeram dessa loja a trincheira de idealismo construtivo que, num crescendo, atravessou os anos, firmou-se no conceito dos homens justos e se estratificou na Fundação Ubaldino do Amaral.”

Resgate histórico

Integrante da Perseverança III no cargo de orador, o promotor de justiça Antonio Domingues Farto Neto, em sessão solene na última segunda-feira (12), recordou essa página da história. Começou por destacar os princípios da Perseverança III baseados nos valores de igualdade, fraternidade e liberdade. E também deixou claro que a antiga loja, a Constância, tinha membros que eram donos de escravos e esse fato se constituía resistência aos ideais em torno do binômio “libertação e educação” que serviu de base para as ações dos 24 fundadores da Perseverança III. “Esse marco histórico nos inspira até hoje, nós valorizamos muito a educação”, disse Farto Neto. 

Antonio Domingues Farto Neto é o atual orador da Perseverança III
Vanderlei Silva é membro da Loja Maçônica e gerente do SOS em Sorocaba                                             

Em estudo acadêmico sobre o tema, Vanderlei Silva também escreveu que a Perseverança III foi “constituída formalmente com o objetivo de lutar pela abolição da escravatura”. E segundo ele, além dessa finalidade, a nova Loja também tinha o ideal de lutar pela educação dos antigos trabalhadores e da nascente classe operária de Sorocaba.”

O professor Vanderlei Silva, membro da Perseverança III e gerente do Serviço de Obras Sociais (SOS), avalia que dois movimentos impulsionaram os debates em todo o Brasil na época de fundação da Loja Maçônica: a libertação dos escravos e a mudança do sistema de governo da Monarquia para a República.

 

“A resistência da Constância era de que escravos eram um bem, e as pessoas não queriam se desfazer da propriedade”, analisa Vanderlei. “Havia uma divergência de ideias, havia um grupo que queria modernizar o sistema econômico e outro que queria manter a Monarquia agrícola.” Segundo Vanderlei, a Constância — extinta tempos depois — tinha entre os seus membros perfis de pessoas mais ligadas à agricultura, à pecuária e à feira de muares, que não tinham interesse em modernizar a sociedade e a economia.

Caixa de Emancipação libertou escravos

A primeira sessão da loja recém-criada ocorreu em 31 de julho de 1869, com Vicente Eufrásio da Silva Abreu na presidência dos trabalhos. Essa reunião marca o início das atividades da Perseverança III. Na sessão seguinte, em 7 de agosto de 1869, Ubaldino do Amaral apresentou a proposta, subscrita por ele e Leite Penteado, de criação de uma Caixa de Emancipação para o recebimento de ofertas que seriam destinadas exclusivamente à libertação de crianças do sexo feminino de 2 a 5 anos de idade.

De acordo com a medida, essa emancipação seria iniciada pelas crianças do sexo feminino e aos poucos se estenderia a todos os escravos. Tanto é que o escritor José Aleixo Irmão também informa nomes de escravos e suas famílias, com os nomes dos seus respectivos proprietários, que foram beneficiados com cartas de alforria originadas da referida caixa de emancipação. As crianças libertadas ficariam sob a proteção da Loja Maçônica.

Seriam proibidos os banquetes ceias e outros eventos desse tipo na instituição para que os recursos para esses gastos fossem convertidos em donativos para a Caixa de Emancipação. A proposta incluiu a criação de escolas com aulas noturnas para adultos e jovens para o ensino das primeiras letras. A matéria foi aprovada por maioria dos presentes, sendo que os subscritores se abstiveram da votação.

A partir desse dia, segundo descrição do escritor José Aleixo Irmão, não seriam toleradas festas e pompas e outros gastos, devendo os recursos que nisso se fosse gastar serem revertidos para o fundo de libertação – a Caixa Emancipadora. O autor compara: “Essa propositura mostra a diferença entre a Perseverança e aqueles que ficaram na Constância, teimosos em não se definir, no momento histórico em que a própria política nacional impunha ação e luta pelas reformas da estrutura social e econômica do País.”

Na análise de Aleixo Irmão, a sessão de 7 de agosto de 1869, com a criação da Caixa Emancipadora, tornou oficial e obrigatório para si, a iniciativa que a Loja América, de São Paulo, por intermédio da personalidade histórica Rui Barbosa, somente adotou oito meses depois. Nesse aspecto, a Perseverança III marcou o pioneirismo na atitude concreta de luta dentro do espírito da abolição da escravatura.

Foi em 4 de abril de 1870 que Rui Barbosa, quando cursava o quinto ano da Faculdade de Direito de São Paulo, em nome da Loja América ao Grande Oriente Brasileiro do vale dos Beneditinos, encaminhou um projeto que obrigava as lojas maçônicas a abrir no orçamento de suas despesas uma verba especial reservada ao alforriamento de crianças escravas.

Escravos libertos

No seu livro, Aleixo Irmão descreve sessão posterior, de 29 de agosto de 1869, em que a Perseverança III votou “esmolas de dez mil réis para auxílio à alforria de José e suas filhas, escravos de dona Ana do Sacramento”. “Mais ainda: dez mil réis a Joaquim, escravo de João França, como auxílio à liberdade sua e de sua mulher, e mais cinco mil réis a David, escravo de Maria Prestes, também para o fim citado.” Nessa data, a Perseverança III também programou a inauguração da primeira escola noturna da cidade para 7 de setembro.

Escola noturna da Loja Maçônica Perseverança III atendia sem distinção
A fundação da Escola Noturna, que também aceitava escravos nas aulas, foi uma das ações dos maçons Perseverança III – Foto: Reprodução

Na análise de Aleixo Irmão, os integrantes da Perseverança III “equacionaram o problema da liberdade tal como deve ser posto, isto é, não apenas a da alforria corporal”. E continua: “Ubaldino, com a visão profunda que os estudos sociais e políticos lhe davam, enxergou isso, tanto que, mais tarde propôs que admitissem às aulas os próprios cativos (escravos)”.
“Eis porque o binômio, Liberdade – Educação, tem um significado transcendental na vida da Loja Perseverança que dele não se descura até os dias de hoje”, conclui o autor.

Comentários