Sorocaba e Região

Sorocaba: impasse entre sindicato e nova empresa de transporte especial afeta usuários

Sindicato alega que a Mobility Transportes, atual responsável pelo serviço, não cumpre com o acordo firmado
Nova empresa opera transporte especial em Sorocaba
O Consórcio Mobility Transportes é o novo operador do transporte especial em Sorocaba. Crédito da foto: Divulgação/ Consórcio Mobility

Um impasse entre o Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região e o Consórcio Mobility Transportes, novo responsável pelo transporte especial na cidade, tem afetado os usuários do serviço.

Segundo o sindicato, a empresa venceu a licitação realizada pela Prefeitura de Sorocaba para atuar na cidade. Contudo, não quer contratar os trabalhadores que operavam no Consórcio Sorocaba (Consor) e no Sorocaba Transportes Urbanos Ltda (STU), antigos prestadores do serviço. Além disso, a Mobility não pagaria o mesmo salário e direitos oferecidos anteriormente, conforme determina o acordo coletivo de trabalho da categoria diante de troca de empresas. Dessa forma, o contrato com a firmado Urbes – Trânsito e Transportes e com a Prefeitura não estaria sendo cumprido. Por esse motivo, 80 funcionários, entre motoristas e agentes de bordo, estariam desempregados, afirma a entidade, em nota.

Na manhã desta terça-feira (4), profissionais da categoria realizaram um protesto em frente a um prédio comercial no bairro Alto da Boa Vista, onde funciona o escritório do consórcio. Ainda conforme o sindicato, eles reivindicam que sejam admitidos pela nova empresa, bem como o recebimento dos salários e outros direitos trabalhistas referentes ao período desde o dia 1º de agosto, quando a Mobility iniciou as atividades.

A Mobility Transportes, por sua vez, informa que segue o acordo firmado com a Urbes e com a Prefeitura. Diz, ainda, que as regras contratuais foram definidas pela empresa pública, inclusive no tocante à remuneração, lhe cabendo apenas cumpri-las.

De acordo com o consórcio, a empresa e seus funcionários vêm “sofrendo todo tipo de obstrução, insinuações e ameaças (por parte do sindicato), no sentido de interromper ou paralisar o atendimento (aos usuários do transporte).” As ações intimidativas vêm ocorrendo desde quando iniciou os trabalhos, no último sábado (1), afirma. Na ocasião, representantes da entidade teriam tentado obstruir a saída dos veículos de uma das garagens e intimidar os funcionários, por cerca de duas horas. A Polícia Militar teria sido acionada e um boletim de ocorrência teria sido registrado. Posteriormente, novas investidas teriam sido realizadas. “No sábado, domingo e segunda (01,02 e 03 de agosto), conseguimos realizar todos os atendimentos, porém, hoje, terça-feira (04 de agosto 2020), nossos motoristas foram obstruídos e, sob ameaça, impedidos de sair”, informa, em nota. Há imagens e vídeos comprobatórios desses relatos, complementa a empresa, destacando ter registrado novo boletim de ocorrência nesta manhã.

O consórcio pede o apoio da Urbes, da Prefeitura e de todas as autoridades, para resolver a situação e conseguir prestar o serviço para o qual foi contratado. Nesta terça, será realizada uma audiência de conciliação, convocada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15ª), para tentar resolver o problema trabalhista, diz o sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região. A entidade “informa já ter comunicado à Urbes que não irá se opor caso as empresas Consor e STU sejam designadas a operar o transporte especial até que o problema trabalhista com a Mobility seja resolvido. Dessa forma, os usuários continuariam a ser atendidos.” O Cruzeiro do Sul questionou a Urbes e aguarda resposta.

Usuários são prejudicados

Após mais de um ano aguardando para iniciar as sessões de hidroterapia, Maria Lívia Ferreira de Carvalho, de 24 anos, começaria, finalmente, o tratamento em uma clínica de Sorocaba, nesta terça-feira. No entanto, devido a esse impasse, não foi possível. Ela tem paralisia cerebral e é cadeirante. Os exercícios na água são essenciais para a melhora do quadro da filha, conta a professora Flávia Alessandra Ferreira, 46 anos, mãe de Maria. “Ela estava ansiosa para ir, mas, de repente, no primeiro dia, eu recebo a notícia de que o transporte não estaria funcionado devido à imposição do sindicato”, lamenta.

Flávia é fundadora da instituição social Anjos sobre Rodas, atuante na garantia dos direitos e da inclusão dos cadeirantes. Muitas das crianças atendidas pelo projeto, conta, também tinham consultas médicas e não puderam comparecer, por conta da falta de condução.

Flávia Ferreira levaria a filha, Maria Lívia, para a primeira sessão de hidroterapia. Porém, devido ao impasse, não foi possível. Crédito da foto: Arquivo pessoal/ Flávia Ferreira

 

Outra usuária do transporte especial, que preferiu não ser identificada, igualmente passaria por atendimento. Mas, sem o ônibus, não teve como chegar ao local e precisou adiar o compromisso. Segundo ela, a ausência do serviço pode prejudicar a saúde de quem depende dele, pois muitos passageiros não possuem outra forma de ir aos hospitais e clínicas. “Uma criança (por exemplo) pode ter um surto e sofrer danos irreversíveis”, alerta. (Vinicius Camargo) 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários