Sorocaba e Região

Sorocaba está em alerta para a infestação do mosquito da dengue

A cada 100 imóveis vistoriados, 4,6 tinham mais de um criadouro do Aedes aegypti
Vasos de plantas estão entre os criadouros mais encontrados nas casas. Crédito da foto: Erick Pinheiro (17/03/2015)

Sorocaba está em situação de alerta para a presença do Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras doenças. O Índice de Breteau mostrou que, a cada 100 imóveis vistoriados, 4,6 tinham mais de um criadouro do mosquito (4,6%), o que coloca a cidade em situação de risco. Já na Avaliação de Densidade Larvária, foram encontradas larvas em 3,5 imóveis a cada 100 avaliados (3,5%).

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (17) pela Secretaria de Saúde de Sorocaba. Os levantamentos foram realizados em janeiro deste ano. A cidade já vive uma epidemia da doença, com 274 casos registrados desde o início do ano.

 

Segundo o resultado, os principais tipos de criadouros encontrados foram latas e frascos de plástico sem utilidade para o morador; vasos de plantas na água; latas e frascos plásticos utilizáveis para o morador; recipientes para armazenamento de água não ligados à rede pública; pratos de vaso de plantas; baldes e regadores; lonas e plásticos; vaso sanitário e caixa de descarga sem tampa.

Conforme a SES, esses criadouros foram encontrados dentro dos imóveis, o que mostra a necessidade de colaboração da população na remoção. “Se não há possibilidade de removê-los, é necessário tratá-los com sabão em pó ou detergente”, orienta a pasta.

Densidade larvária

De acordo com a SES, o índice de densidade larvária é classificado entre satisfatório (até 1%), alerta (acima de 1% até 3,9%) e risco (acima de 3,9%). O resultado geral foi de 3,5%, mas os bairros das áreas centro-norte e sudoeste de Sorocaba apresentam índices ainda maiores: 3,93% e 4,47%, respectivamente.

Conforme o índice, os bairros mais críticos na região sudoeste são: Cerrado, Márcia Mendes, Jardim Simus, Sorocaba 1 e Wanel Ville. Já na região centro-norte, os bairros mais preocupantes são: Vila Angélica, Vila Fiori, Jardim Maria do Carmo, Mineirão e Nova Sorocaba.

As regiões entre 3,49% a 3,60% da cidade são a noroeste, norte, centro-sul e leste. A noroeste tem o menor índice de densidade larvária do município, de 2,21%, e corresponde aos seguintes bairros: Vila Barão, Lopes de Oliveira, Jardim Maria Eugênia, Nova Esperança, Jardim São Guilherme e Parque São Bento.

Com índice de 3,45%, a região centro-sul corresponde aos seguintes bairros: Barcelona, Lageado, Vila Haro, Vila Santana, e Vila Hortência.

Já a região norte teve índice de 3,49% e abrange os seguintes bairros: Habiteto, Laranjeiras, Paineiras, Ulysses Guimarães, e Vitória Régia. E a região leste, com 3,60%, corresponde os seguintes bairros: Aparecidinha, Brigadeiro Tobias, Cajuru, Éden, e Vila Sabiá.

Comentários