Sorocaba e Região

Sorocaba contribui para estudos científicos com monitoramento de meteoros

A Região Metropolitana de Sorocaba conta com duas estações e, em breve, terá mais duas
Passagem de meteoro fotografada a partir de Primeiro de Maio, Norte do Paraná. Crédito da foto: André Casagrande/Bramon

Meteoros rasgam os céus constantemente e, por isso, uma rede de pessoas têm como missão desenvolver o monitoramento desses fragmentos. No Brasil, a Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon) produz e fornece dados científicos para o estudo dos meteoros. Para isso, o trabalho dos voluntários acontece ao redor de todo o país, inclusive em Sorocaba. O presidente da rede, Sérgio Mazzi informou que a Região Metropolitana de Sorocaba conta com duas estações e, em breve, terá mais duas.

De acordo com o presidente da rede Sérgio Mazzi, a Bramon nasceu em 2014 como uma associação colaborativa de astrônomos amadores. Esse grupo de pessoas observam, analisam, determinam órbitas e catalogam meteoros. Hoje, a rede conta com cerca de 130 estações e 80 operadores, distribuídos em São Paulo, Minas Gerais, Ceará, Distrito Federal, Paraíba, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso, Goiás, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Bahia, Maranhão e Santa Catarina.

O presidente também explicou a importância de mais estações para observação dos meteoros. “Estações próximas possibilitam o pareamento dos registros e a triangulação das órbitas dos meteoros”. Para ele, a RMS é uma área importante em relação ao Estado de São Paulo pela sua centralidade. “Possibilita a triangulação entre as estações de meteoros localizadas na Capital, no Leste, Norte, e no Oeste do Estado”, Sérgio afirmou.

Leia mais  Sorocaba irá vacinar com segunda dose idosos de 77 anos ou mais nesta quarta-feira (31)

O sorocabano e licenciando em física, Marco Antonio Centurion Medeiros faz parte desse grupo, operando duas estações na cidade. Ele contou que os voluntários operam câmeras, que ficam ligadas a noite toda, acompanhando e aguardando a passagem de um bólido, ou seja, um meteoro de alto brilho. Quando o bólido cruza os céus, sua imagem é captada pelo aplicativo disponibilizado pela Bramon aos membros. “Cada câmera é uma estação, e cada estação fica apontada para uma direção fixa no céu”, Marco explicou.

“A Bramon, por ser uma rede de diversas pessoas em várias regiões diferentes, consegue realizar a triangulação das informações coletadas de cada estação”, relatou o estudante de física. Dessa forma, se um bólido é capturado por mais de uma estação, é possível ter uma confirmação mais precisa das informações sobre o meteoro analisado.

Leia mais  Adolescente vendia droga em troca de comida

Marco Centurion ressaltou que apesar do aumento de incidência desse fenômenos em determinadas épocas do ano, as quedas de meteoros são inofensivas e não oferecem riscos, diferentemente dos asteroides e meteoritos, que podem causar grandes estragos se caírem em solo. “Não há o que temer, uma vez que todos os meteoros que entram em nossa atmosfera são pequenos o suficiente para somente gerar esses brilhos nos céus, nada além”, afirmou o operador da estação do Clube de Astronomia Centauri.

A Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros ainda possibilitou diversas descobertas astronômicas. O presidente da Bramon relembrou algumas ao Cruzeiro do Sul. “Foram muitas descobertas de destaque, por exemplo, as primeiras chuvas de meteoros brasileiras, descobertas em 2017”, e continuou “descobertas importantes aconteceram também, quando através de dados da rede Bramon, foi possível associar duas chuvas de meteoros, à asteroides que passam próximos a Terra, também descobertos por brasileiros”.

Leia mais  Em operação para coibir aglomerações, 58 veículos são autuados em Sorocaba

Sérgio ainda destacou o asteroide 2019 OK, descoberto pelo Projeto SONEAR. Em julho de 2019, o observatório amador no interior de Minas Gerais foi o primeiro a detectar o asteroide, antes mesmo dos poderosos telescópios da NASA, nos Estados Unidos. O 2019 OK foi chamado pela imprensa especializada de “city-killer”, já que ele teria potencial destrutivo para arrasar uma cidade inteira. Naquele dia 25 de julho de 2019, ele passou a pouco mais de 70 mil quilômetros do nosso planeta, se tornando o maior asteroide a passar tão perto da Terra nos últimos 100 anos. (Kally Momesso)

Comentários