Sorocaba e Região

Sorocaba permanece sem ônibus; confira a cobertura em tempo real

Acompanhe em tempo real a paralisação na região e em todo o País

A paralisação prevista para esta sexta-feira (14), como forma de protesto contra a reforma da Previdência e o contingenciamento de verbas na Educação, deve prejudicar a rotina de quem precisa de transporte público para ir ao trabalho, escolas e consultas médicas. Para reduzir o impacto no sistema, a Justiça ordenou que 70% dos ônibus circulem nos horários de pico.

Com a falta de ônibus, os serviços de transporte por aplicativos será uma alternativa para quem não pode faltar a compromissos. Além de Sorocaba e região, essa mobilização acontece em todo o País. Acompanhe em tempo real a cobertura dessa paralisação:

19h01 – O percentual obrigatório de trabalhadores e prestação de serviços dos ônibus coletivos em Sorocaba durante o horário de pico também foi descumprido no período da noite. Das 17h às 19h, conforme decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15), deveria estar circulando 70% da frota. Entretanto, todos os ônibus permanecem fora de circulação.

16h39 – A juíza relatora Maria da Graça Bonança Barbosa, do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15), reformou a penalidade aplicada ao Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Sorocaba e Região em caso de descumprimento percentual de trabalhadores e prestação de serviços dos ônibus coletivos durante a paralisação desta sexta-feira (14), elevando para R$ 100 mil o valor da multa.

12h32 – Dois suspeitos de atearem fogo em ônibus são detidos e levados ao Plantão Policial Norte.

12h30 – Mobilização termina na praça Coronel Fernando Prestes. O trânsito foi liberado.

11h48 – Na Souza Pereira várias lojas também fecharam as portas.

11h41 – Os manifestantes chegam à rua XV de Novembro, que está fechada. O protesto também interdita a rua São Bento.

Foto: Erick Pinheiro

11h37 – Os manifestantes acabam de iniciar a passeata. O grupo inicia o ato pela rua São Bento. Depois, seguirá para a rua São Bento. Na sequência, a caminhada prossegue para a rua 15 de novembro. Em seguida, o grupo passa pela rua Doutor Álvaro Soares e, por fim, retorna para a praça Coronel Fernando Prestes.

11h35 – Por conta da manifestação no Centro, algumas lojas na região, principalmente na rua São Bento, começam a baixar as portas.

10h35 – A Secretaria de Educação (Sedu) informa que das 160 unidades de ensino da rede pública municipal apenas duas – CEIs – 22 e 59 – não estão em funcionamento. Essas duas deverão ser abertas e geridas por gestores, funcionando até às 17h. Todas as demais 158 estão abertas e em funcionamento normal. Quanto ao fornecimento de merenda, a Secretaria de Abastecimento, Agricultura e Nutrição (Seaban) informa que o serviço está normal.

10h33 – De acordo com a SES, caso algum paciente não consiga comparecer à consulta agendada devido à ausência de ônibus do transporte público, o atendimento será reagendado sem prejuízos ao cidadão. Houve apenas algumas faltas pontuais de funcionários que dependem do transporte público e moram em outras cidades, mas não acarretou em desassistência à população. Todos os serviços de saúde trabalham normalmente nesta sexta-feira.

10h28 – A Secretaria da Saúde (SES) informa que todos os serviços do município estão funcionando nesta sexta-feira (14). As 32 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) realizam normalmente os agendamentos, além de serviços como vacina, dispensação de medicamentos, entre outros. A Policlínica Municipal está realizando todas as consultas agendadas e demais serviços.

09h50 – Comerciantes e trabalhadores que desempenham funções nessa avenida permanecem na entrada dos estabelecimentos observando e registrando a passeata com os celulares.

09h47 – Passeata segue pela Comendador Oeterer, ocupando uma faixa sob acompanhamento da Urbes e PM.

09h18 – Na contagem feita pela reportagem, cerca de 30 pessoas participam da passeata na Itavuvu.

09h15 – Motoristas que chegam à Itavuvu na altura da futura estação Vila Carol, sentido centro, estão sendo desviados para a rua Augusto Severo.

09h11 – Participantes da passeata seguem por trecho da Itavuvu que tem obras do BRT, na altura da futura estação Vila Carol. Trânsito antes desse trecho está sendo desviado.

09h10 – Comércios da Itavuvu têm se mantido abertos mesmo com a realização da passeata, que atrai olhares curiosos. Motoristas e motociclistas que passam ao lado do movimento se dividem entre os que reprovam buzinando e criticando os manifestantes e os que demonstram apoio acenando, fazendo sinal de positivo.

09h07 – Movimento dos estudantes é acompanhado por duas viaturas da PM e por um agente da Urbes, de moto.

09h05 – Estudantes começam a se reunir na avenida Itavuvu, próximo ao Sukao, para passeata que deve seguir à Praça Coronel Fernando Prestes, como parte dos atos relacionados à Greve Geral desta sexta-feira.

Devem participar estudantes secundaristas e universitários. Há um carro de som e instrumentos como parte do movimento. Estudantes das escolas estaduais João Rodrigues Bueno e Lauro Sanchez devem participar do ato. Polícia Militar, por enquanto, está posicionada do outro lado da avenida, à distância.

09h00 – Santos afirma que a manifestação deve começar entre 9h30 e 10h. Os participantes devem percorrer ruas da região central. Conforme o sindicalista, o objetivo do ato é o “chamar a atenção da população brasileira sobre a malfadada reforma da Previdência”. A Guarda Civil Municipal (GCM) está no local para garantir a segurança.

08h59 – Motoristas de ônibus e membros do Sindicato dos Vigilantes de Sorocaba (Sindivigilênca) já se concentraram na Praça Coronel Fernando Prestes, no Centro. Segundo o presidente do sindicato regional, Sérgio Ricardo dos Santos, movimentos estudantis e grupos de professores também devem comparecer à praça para participar da mobilização.

Foto: Vinícius Camargo

08h32 – O vendedor Antônio Valentim veio pela segunda vez a um ponto de ônibus na avenida Itavuvu, em Sorocaba, com esperança de conseguir chegar ao trabalho, no Centro. “A primeira, às 10 para as 7, e agora de novo [às 8h20], mas nem sinal”, comenta. “Na loja até falaram para pegar Uber, o trabalhador é que tem de se virar”, acrescenta.

08h28 – O terminal São Paulo está fechado e poucas pessoas chegam ao local. A estagiária Evelin Derlan, 19 anos, relata que sabia da paralisação, mas pensou que parte dos ônibus circularia e conseguiria chegar ao trabalho, no Campolim. “Vou voltar para a casa, mas sei que a greve é pra que no futuro a gente consiga se aposentar”, afirmou a estudante.

08h19 – A família de Cida Lima, 43 anos, tinha programado nesta sexta-feira (14) a mudança para Pernambuco. Com muita bagagem e seis pessoas, incluindo crianças e idosos, a família aguarda um ônibus para ir até o Brás, em São Paulo, e depois seguir para o Nordeste. “A greve é injusta porque prejudica toda a população. A gente já tinha acertado tudo para a mudança e agora vamos esperar. Tem que ter paciência”, disse Cida. Ela conta que resolveu retornar para a terra natal porque a vida em Sorocaba está difícil, com o desemprego e precisando pagar aluguel. “Lá pelo menos a gente tem uma casa própria.”

Já as amigas Aparecida Zafani, 66, e Zilda Mizael, 62, chegaram até a rodoviária utilizando Uber e estão com passagens compradas para a capital para assistirem à uma missa. “Será uma celebração de 32 anos que meu irmão é padre, mas vamos esperar. A missa é amanhã [sábado]”, contou a aposentada que não sabia que a paralisação seria nacional. “A gente pensou que era só em Sorocaba e que não afetaria a capital. Não sabia o motivo”, conta Zilda. Diante do motivo da greve, as duas julgam justo. “Nós já aposentamos, mas sabemos que essa reforma pode prejudicar nossos filhos e todos os trabalhadores, então a paralisação tem fundamento. Só é ruim ser pego desprevenido”, lamentou Aparecida.

08h09 – A rodoviária de Sorocaba está aberta, mas os guichês das empresas de ônibus estão todos fechados. Luiz Barbosa, 50, conta que saiu quinta-feira (13), às 21h25, de Prudentópolis, no Paraná e chegou nesta sexta-feira (14), às 5h, ao terminal rodoviário. “Ninguém me falou lá que teria essa paralisação”, reclamou.

Ele trabalha dirigindo tratores na cidade de Saltinho, mas para chegar até lá ainda precisa pegar um coletivo para Piracicaba e outro para seu destino final. “De táxi fica muito caro. São 109 km de distância. Vou ver se alguém da empresa vem me buscar.”

Espaço reservado para os ônibus da Rodoviária de Sorocaba ficou vazio durante a manhã. Crédito da foto: Emídio Marques (14/6/2019)

07h48 – A mobilização em todo o País contra a reforma da Previdência afeta parcialmente o transporte público em São Paulo nesta sexta-feira (14). A Justiça concedeu liminar que obriga o funcionamento dos transportes. Agora pela manhã, os ônibus circulam com 97% da frota, segundo a SPTrans. Os 29 terminais municipais estão em operação. A CPTM opera normalmente e o Metrô tem circulação parcial em algumas linhas.

07h57 – A Guarda Civil de Sorocaba (GCM) apreendeu ‘miguelitos’ na avenida Rudolf Dafferner, perto da Prefeitura de Sorocaba, no bairro Alto da Boa Vista. O material é usado para furar pneus de veículos.

A GCM apreendeu ‘miguelitos’ perto da Prefeitura de Sorocaba. Crédito da foto: Divulgação / GCM Sorocaba

07h40 – As auxiliares de serviços gerais Vera Aparecida Iris dos Santos, 37, e Iracelma da Silva Almeida, 48, estão em um ponto de ônibus na zona industrial desde às 5h. As duas trabalham em unidades educacionais do município. “Eu sou auxiliar no Cei 75, na zona norte e vim para o ponto porque achei que teria ônibus. Eu sei que é uma paralisação nacional contra mudança na previdência, mas acho que poderiam falar logo que não teria nenhum ônibus.” Iracelma também está ciente do motivo da greve e acha justo o movimento. “Só espero não ter o dia descontado”, disse a trabalhadora.

07h38 – Pessoas aguardam a passagem de algum ônibus no bairro do Éden.

Pessoas aguardam ônibus no ponto no bairro do Éden. Crédito da foto: Emídio Marques (14/6/2019)

07h34 – A haitiana Betina Estimarre, 32 anos, trabalha com reciclagem. Como ela já sabia da paralisação, combinou com o patrão para que ele a buscasse na área de transferência do Éden. “Eu só sabia que não teria ônibus porque vi na televisão e aí já foi feito um esquema para levar todo mundo pro trabalho”, contou.

Pessoa aguarda ônibus na área de transferência do Éden. Crédito da foto: Emídio Marques (14/6/2019)

07h29 – O doceiro João Carlos Castro Junior, 32 anos, precisava estar às 8h no trabalho, em uma confeitaria na Vila Haro. Por isso, chegou às 7h à área de transferência do Éden.

Ele conta que, desde o início da semana, sabia da paralisação e quinta-feira (13) até ligou para a Urbes para confirmar a circulação de parte dos ônibus. “Sei que a greve contra a Reforma da Previdência, que é uma causa justa para o trabalhador, mas é justamente a gente que se prejudica”, disse o rapaz, que ao perceber que nenhum coletivo está circulando nesta sexta-feira (14), deve voltar para a casa.

07h26 – Na zona industrial de Sorocaba, muitas pessoas tiraram os carros da garagem para chegar ao trabalho, o que causa trânsito intenso na região. Outros trabalhadores se deslocam a pé e de bicicleta. Os pontos de ônibus também concentram algumas pessoas, que aguardavam a circulação de 70% da frota de ônibus, o que não está ocorrendo.

07h21A Urbes – Trânsito e Transportes informou lamentar que o movimento grevista tenha descumprido a determinação judicial que obriga a prestação de ao menos 70% do serviço no horário de pico e 50% no restante do dia. A Urbes também administra o Terminal Rodoviário e informa que as partidas e chegadas do transporte rodoviário estão prejudicadas pela greve geral. 

07h16 – Por meio de nota, a Urbes informou que durante a madrugada foram queimados dois ônibus pertencentes a terceiros nas ruas, um em Sorocaba e outro em Votorantim. Os veículos queimados não pertencem à frota do Sistema do Transporte Coletivo Público de Sorocaba.  

07h12efetivo de agentes de trânsito da Urbes – Trânsito e Transportes será reforçado nas principais vias de Sorocaba nesta sexta-feira (14). Nos horários de pico haverá até 70% mais agentes de trânsito para orientar os motoristas.   

A atuação dos agentes de trânsito será principalmente nas avenidas de maior circulação: Dom Aguirre, Itavuvu, Afonso Vergueiro, Armando Pannunzio, Eugênio Salerno, Carlos Reinaldo Mendes, Washington Luis, Antonio Carlos Comitre e General Carneiro.  

06h57 – Um ônibus estacionado no bairro Real Parque, em Votorantim, foi incendiado. Segundo o Corpo de Bombeiros, o caso ocorreu nesta sexta-feira (14), por volta da 1h30 da madrugada. O fogo não atingiu residências e ninguém ficou ferido.

Ônibus queimado no bairro Real Parque, em Votorantim. Crédito da foto: Cortesia / Jorge Silva / Gazeta de Votorantim (14/6/2019)

06h52 – Alguns ônibus usados para o transporte especial saíram das garagens de Sorocaba. A informação é da Cruzeiro FM.

06h50 – Os ônibus estão guardados em suas respectivas garagens em Sorocaba.

06h45 – Pontos de ônibus estão cheios em vários locais de Sorocaba.

06h40 – Terminais de ônibus Santo Antonio e São Paulo estão fechados.

06h32 – Leitores do jornal Cruzeiro do Sul relatam, por meio do Facebook, a falta de ônibus em alguns bairros de Sorocaba. Entre eles, o Parque São Bento e Maria Eugênia. O terminal de Votorantim também estaria fechado.

Leia mais  Urbes reformula horários dos ônibus em Sorocaba para o dia da mobilização
Comentários

CLASSICRUZEIRO