Sorocaba e Região

São Paulo quer investir em energias renováveis, afirma secretário de Doria

Marcos Penido quer atrair indústrias responsáveis pela produção de energia eólica ao Estado
Secretário Marcos Penido fala à rádio Cruzeiro FM. Foto: Divulgação

O Estado de São Paulo deve reforçar seu parque industrial e investir em suas fontes de energias renováveis durante o governo João Doria. Quem anunciou essa meta foi o secretário estadual Marcos Penido, titular da “superpasta” de Energia, Saneamento, Recursos Hídricos e Meio Ambiente, durante entrevista ontem à rádio Cruzeiro FM 92,3.

Quando indagado sobre sua posição a respeito de energias renováveis, até porque Sorocaba tem produção industrial de pás eólicas utilizadas na energia extraída dos ventos, Penido avaliou que o parque eólico no Brasil está mais concentrado no Nordeste do país, região com foco nos ventos, e as indústrias responsáveis por essa produção estão em São Paulo. “E nós estaremos criando condições para essas indústrias cada vez mais se instalarem em São Paulo, dando condições para elas estarem produzindo”, disse. “Porém, temos outras fontes de energias renováveis, que nós devemos estar buscando”, acrescentou. Entre essas fontes, citou todo o aproveitamento da bacia de Santos na produção de gás, porque o gás é produto necessário para a exploração do petróleo para explorar o petróleo; a exploração da biomassa; a possibilidade de um parque solar “fantástico”.

“São Paulo tem uma insolação muito grande”, ele comparou. “Nós podemos desenvolver muito na exploração com placas fotovoltaicas para o armazenamento e o apoio na distribuição de energia. Sem contar todas as questões de PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas), que precisam ser melhor estudadas, e a própria melhoria nos nossos córregos, que podem também nos ajudar na questão da energia hídrica. Nós temos um leque muito grande.”

Superpasta

Penido também comentou a decisão do governador João Doria de unir em uma única secretaria as áreas de energia, saneamento, recursos hídricos e meio ambiente: “É uma ação que precisava acontecer. A coragem do nosso governador João Doria fez com que essas pastas que estavam separadas pudessem estar juntas. São pastas que têm muita relação entre elas: uma ação de despoluição, de melhoria da água, nós estamos no meio ambiente, e uma ação do abastecimento, do saneamento básico, e essa água pode gerar energia. As ações são integradas e nada melhor para se ter um objetivo, um resultado melhor, do que tudo se caminhe junto.” (Da Redação)

Comentários

CLASSICRUZEIRO