Buscar no Cruzeiro

Buscar

Acervo

Representante da ONU busca parcerias para apoiar os imigrantes venezuelanos

05 de Dezembro de 2020
Marcel Scinocca [email protected]

Representante da ONU busca parcerias para apoiar os imigrantes venezuelanos Da esquerda para a direita: Eckart Michael Pohl, João Marques Fonseca, Michelle Barron, Fernanda Sobreiro e Paulo Rogério de Almeida. Crédito da foto: Fábio Rogério (4/12/2020)

A gerente do programa Oportunidades, da Organização Internacional para as Migrações (OIM), Michelle Barron, esteve em Sorocaba na sexta-feira (4). É a primeira de uma série de visitas à cidade em busca de cooperação para o desenvolvimento de políticas para o trabalho voltadas a imigrantes que escolhem o Brasil como sua nova casa. A OIM é a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para as migrações. Ela esteve no jornal Cruzeiro do Sul, e detalhou como o projeto funciona.

“O objetivo é buscar oportunidades para imigrantes refugiados que estão saindo da Venezuela devido à situação difícil que passa o país, para que eles possam ter oportunidade de trabalho, de empreendedorismo. E ainda pela oportunidade de contribuir também como uma forma de diversidade”, comenta. O trabalho visa facilitar os trâmites entre as partes, como uma espécie de ponte entre o refugiado e o empregador.

“Essa é a nossa primeira visita e estamos muito contentes com a forma com que fomos recebidos aqui no município. Nossa ideia é que possamos trabalhar juntos”, disse. Conforme ela, há a possibilidade de a cidade se transformar em modelo para o resto do País. “Aqui tem tecnologia, indústrias, tudo para ser um modelo”, lembrou.

União de forças

Michelle disse ainda que há um trabalho em conjunto entre os governos federal, estaduais e municipais, mas que também existe, e é preciso, do apoio da sociedade civil. “O Brasil está fazendo um trabalho excelente para o acolhimento dos venezuelanos. O trabalho é brilhante”, elogia. “É muito impressionante como os brasileiros recebem os imigrantes, de braços abertos”, acrescentou.

De acordo com ela, em muitos casos, os imigrantes são transportados por aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) ou têm passagens pagas pela OIM. Michelle Barron conta que já há casos bem sucedidos registrados no Brasil. Um ano após estarem aqui, imigrantes já compraram casas e se tornaram empreendedores. “Ajudar as pessoas a sair de Boa Vista -- capital do Estado de Roraima --, para outras cidades do Brasil, onde elas terão mais oportunidade de emprego”, lembrou ela, sobre um dos caminhos buscados pelo projeto. Outro trabalho realizado pela OMI está na capacitação e na qualificação dos profissionais que chegam de outros países. “Integração sócio-econômica. Esse é nosso objetivo”, afirmou.

Na visita ao jornal, Michelle Barron esteve acompanhada do empresário João Marques Fonseca; do jornalista Eckart Michael Pohl, e de Fernanda Sobreiro, assistente de projetos da OIM. Outras vindas à cidade estão programadas para os próximos meses. No Cruzeiro do Sul, ela foi recebida pelo instituidor da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA), Laelso Rodrigues, e pelo gestor e responsável pelo Departamento Jurídico do Cruzeiro do Sul, Paulo Rogério de Almeida. (Marcel Scinocca)