Sorocaba e Região

Quarentena altera tipos de crimes

Tendência é redução de furtos e roubos a veículos e pedestre, e alta de furtos a estabelecimentos
Quarentena altera tipos de crimes
Ruas vazias reduzem a ocorrência de furtos a pedestres e veículos. Crédito da foto: Vinícius Fonseca (4/4/2020)

Os dias de quarentena nas cidades paulistas, com a redução do movimento de pessoas como prevenção ao novo coronavírus (Covid-19), podem ter influência nos índices de criminalidade e até de acidentes de trânsito. Sobre os crimes, algumas autoridades policiais desde já esperam uma mudança de perfil dos delitos praticados a partir do dia 24 de março, quando começaram a valer as medidas mais restritivas de circulação de pessoas nas ruas e funcionamento do comércio decretadas pelo governador João Doria (PSDB) e acompanhadas pela prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PSL).

Os dados que poderão confirmar essa hipótese serão divulgados no dia 25 pela Secretaria de Segurança Pública (SSP). Para o delegado seccional assistente de Sorocaba, Rodrigo Ayres, é possível que eles apontem uma migração no tipo de crime praticado. “Por um lado, os roubos e furtos a pedestres e veículos devem diminuir, porque as pessoas estão andando em menor número pelas ruas. Porém, enquanto existe a tendência de queda desses números, aumenta também a possibilidade de aumento aos furtos a estabelecimentos industriais e comerciais que estejam fechados durante o dia em razão da quarentena”, compara.

Leia mais  Salto registra 2 casos da variante de Manaus

Outro aspecto está relacionado com pessoas em situação de rua. Sem generalizar, Ayres observa que algumas pessoas que vivem nas ruas são dependentes químicos e custeiam seus vícios com esmolas em semáforos e calçadas. “Elas podem ter de conseguir dinheiro de outra forma, levando a um aumento da incidência de furtos. Mas como é uma situação muito nova, a densidade disso ainda está sendo analisada.”Conforme o delegado assistente, a Polícia Civil e a Polícia Militar em Sorocaba receberam ordens dos respectivos comandos para reforçarem as rondas das equipes de patrulhamento ostensivo especializado em locais que havia maior número de pessoas antes da quarentena, como no Centro. Isso objetiva minorar o risco de furtos ou invasões a estabelecimentos que estejam temporariamente fechados.

Quanto aos acidentes de trânsito e suas vítimas, a possibilidade é de redução, em razão da diminuição do número de veículos trafegando pelas ruas e rodovias.

Delegacia on-line

Quarentena altera tipos de crimes
Delegado Rodrigo Ayres afirma que situação ainda é nova. Crédito da foto: Vinícius Fonseca / Arquivo JCS (19/2/2020)

A Polícia Civil expandiu o serviço de registro eletrônico de ocorrências, de forma a diminuir o fluxo de pessoas indo às delegacias durante a pandemia do coronavírus. Pelo endereço www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br, o cidadão agora pode realizar notificações de roubo ou furto a residência, roubo ou furto a estabelecimento comercial, crimes contra o consumidor, roubo ou furto de carga, ameaça, estelionato e violência doméstica.

Leia mais  Após 3 meses, COI ainda não saiu do papel

Seguem como exceções as ocorrências que dependem de coleta imediata de provas, como homicídios, latrocínios e estupros. Conforme a Polícia Civil, após o registro on-line da ocorrência, o registro passa por avaliação da Central Eletrônica de Polícia Judiciária e o delegado responsável faz o enquadramento da natureza do crime. Na sequência, a vítima é contatada por e-mail e, quando necessário, são solicitadas diligências e perícias. O Boletim de Ocorrência também é enviado por meio digital.

Outros serviços que já estavam disponíveis na Delegacia Eletrônica são: roubo ou furto de veículos; furto de documentos, celular, placa de veículo ou bicicleta; perda de documentos, celular ou placa de veículo; roubo de documentos, celular ou outros objetos; injúria, calúnia ou difamação; acidente de trânsito sem vítimas; desaparecimento de pessoas; encontro de pessoas; furto de fios ou cabos em vias públicas (somente para empresas concessionárias) e casos relacionados à proteção animal. (Eric Mantuan)

Comentários