Sorocaba e Região

Sem acordo, Prefeitura interdita o Aeroclube de Sorocaba

Dutos de concreto foram instalados como barreira para impedir o acesso ao local
Barreiras de concreto foram instaladas no acesso ao Aeroclube. Crédito da foto: Emídio Marques

A Prefeitura de Sorocaba interditou na tarde desta quarta-feira (2) o Aeroclube de Sorocaba. A ação foi determinada pela secretária Mirian Zacareli, da Secretaria de Planejamento e Projetos (Seplan), e ocorreu após a falta de um acordo entre a Prefeitura e o Aeroclube.

Após os veículos serem retirados do estacionamento do local, foram colocadas dutos de concreto, instalados como barreira, para impedir o acesso ao local. As chaves do imóvel, entretanto, não foram entregues.

O proprietário do restaurante que funcionava no local afirmou que o local foi fechado com todos os seus pertences, incluindo produtos perecíveis. A operação contou com o apoio da Guarda Civil Municipal e a avenida Santos Dumont chegou a ficar interditada no sentido Centro para os trabalhos.

Mais cedo, guardas civis municipais e integrantes do setor de Fiscalização da Prefeitura estiveram no local aguardando que o pedido de desocupação do imóvel, feito em novembro de 2018, fosse atendido. A Seplan solicitou que a diretoria do Aeroclube de Sorocaba desocupasse as instalações até o dia 29 de dezembro. Segundo o documento, a Concessão de Direito Real de Uso foi suspensa por conta de irregularidades constatadas no local, como locação de hangares e abertura de restaurante.

Nesta quarta-feira (2), o objetivo do governo é retirar de posse da instituição todas as chaves das instalações. O advogado do Aeroclube, Osvaldo Guitti, representante da nova gestão eleita em novembro, considerou a atitude do Executivo arbitrária. Ele também afirmou que não pode simplesmente atender o pedido do governo municipal da forma em que foi colocado. “Você não pode obedecer uma ordem ilegal”, argumenta.

 

Ainda segundo o advogado, um boletim de ocorrência foi registrado pela instituição contra a Prefeitura de Sorocaba. Um ofício também foi enviado ao Executivo pedindo prorrogação do prazo para a saída do local e para novas conversas. Foi sugerido 180 dias. A Prefeitura de Sorocaba ainda não comentou a questão. (Marcel Scinocca)

Comentários