Sorocaba e Região

Prefeito em exercício, Fernando Dini procura polícia para denunciar posts

Vereador disse que publicações foram feitas para difamá-lo e possuem intenções políticas. Crédito da foto: Emídio Marques (6/1/2020)

 

O vereador Fernando Dini (MDB), presidente da Câmara de Sorocaba, procurou a Polícia Civil para denunciar publicações na internet que, segundo ele, foram feitas para difamar sua pessoa e que possuem intenções políticas. Os processos são contra Thiago Felipe Pavelosque e Rafael Sarti.

No primeiro caso, o parlamentar acusa Sarti de publicar inverdades contra ele em uma rede social. Em uma das publicações, Sarti teria afirmado que Dini tinha projetos bizarros, como pagamento de diárias de R$ 950 para vereadores. Dini, conforme a defesa, teve sua honra atingida ao ser tachado de mentiroso, hipócrita e criança mimada.

Em 15 de outubro, Sarti prestou depoimento na Delegacia Seccional de Sorocaba. Ele confirmou as postagens, disse que não se arrependeu e que a intenção era satirizar. Ele ainda afirmou que, por estar na vida pública, Dini deveria se adaptar às críticas. Vídeos e postagens foram acrescentados ao processo. Ele também confirmou que era filiado a um partido político.

Leia mais  Golpe do motoboy: Deic faz operação contra grupo de estelionatários

O promotor Marcelo Sigari Moriscot defendeu aprofundamento nas investigações. No final de novembro, a Justiça determinou a continuidade da investigação pelo 4º Distrito Policial de Sorocaba.

Segundo caso

Entre as acusações, citadas por Dini como forma de difamação, há também publicações feitas por Thiago Felipe Pavelosque de que Dini iria gastar R$ 200 mil na construção de um “deck” para fumantes na Câmara de Sorocaba. Há documentos anexados ao processo onde Dini é citado em atos como “fazendo média com dinheiro público”, “gastos abusivos” e “moendo dinheiro público”.

Ainda em setembro, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) opinou pelo não prosseguimento da queixa-crime. O promotor Marcelo Sigari Moriscot afirmou que a petição inicial era inepta, pelo fato de ser genérica. “Com efeito, não especifica o comportamento do querelado [denunciado por Dini], o número de condutas, se em concurso material, formal ou crime continuado, quais os termos utilizados para as ofensas, a data, hora e local”, destacou.

Em 11 de dezembro, em audiência de conciliação, Thiago Felipe Pavelosque pediu desculpas ao parlamentar, dando fim à ação.

Leia mais  Grupo é detido por torturar suspeito de furtar bicicleta em Sorocaba

No final de dezembro, Dini falou sobre os motivos de ter entrado com as ações contra os publicadores. “Nós temos essas situações em que, no meu ponto de vista, são extremamente desnecessárias e que são ocasionadas por conta de opiniões de algumas poucas pessoas que vão além de não concordar com o nosso trabalho. Elas colocam-se de maneiras ofensivas, que constrangem, que chocam e que são, por algumas vezes, até criminosas.”

“Acredito sim que é também com a divergência que crescemos. É com ela que observamos pontos que talvez possamos estar errados. Esses posicionamentos, porém, devem ser colocados de maneira respeitosa. Não somente a mim, mas a qualquer outra pessoa”, acrescentou.

Sarti disse que a acusação de existir um grupo para atacar a reputação do Fernando Dini é sem fundamento algum. “Sempre realizei críticas a políticos (…)”, afirma. “Triste é um político não aceitar críticas e acreditar que vivemos em uma ditadura de pensamento”, afirma. Pavelosque não quis comentar o caso. (Marcel Scinocca)

Comentários