Buscar no Cruzeiro

Buscar

Polícia fecha fábrica clandestina de produtos de limpeza em Sorocaba

09 de Março de 2021 às 13:53

Fabricação ilegal de produtos de limpeza era feita em um imóvel no bairro Vitória Régia. Crédito da foto: Divulgação/ Polícia Civil (09/03/2021)

Atualizada às 18h42

Uma fábrica clandestina de produtos de limpeza foi fechada no Parque Vitória Régia, zona norte de Sorocaba, nesta terça-feira (9). A interdição foi efetuada pela Polícia Civil, por intermédio da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic). Uma pessoa foi presa.

Segundo o delegado Rodrigo Ayres, da Deic, o espaço foi descoberto após denúncia. Conforme as informações passadas pelo denunciante à Polícia Civil, o responsável pela fabricação irregular era um homem que já havido sido preso pelo mesmo crime em 2020.

Em averiguação no local, os policiais, juntamente com agentes da Vigilância Sanitária (Visa) e peritos do Instituto de Criminalística da cidade, constataram que o imóvel realmente era usado para a fabricação ilegal dos produtos. Ainda conforme a polícia, a produção era feita sem licença e autorização. Lá, foram encontradas embalagens de detergente, desinfetante, água sanitária, cloro, sabonete líquido, dentre outros.

De acordo com Ayres, os itens eram vendidos para comércios, como mercados e mercearias. No espaço, a polícia achou, inclusive, cheques, de valores diversos, referentes às vendas dos produtos para os estabelecimentos.

Os materiais encontrados na fábrica clandestina foram apreendidos. Crédito da foto: Divulgação/ Polícia Civil (09/03/2021)

Os materiais encontrados na fábrica foram apreendidos. O responsável pela fabricação a substância foi encaminhado para a Deic, onde será autuado em flagrante por crime contra a saúde pública. Ele já havia sido preso no ano passado, por praticar o mesmo tipo de atividade ilícita. Posteriormente, passará por audiência de custódia. Caso não seja liberado, será encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Sorocaba e vai responder ao processo preso.

Conforme o delegado, agora, a polícia vai investigar se o homem falsificava ou adulterava produtos de limpeza de outras marcas. (Da Redação)