Sorocaba e Região

Pais de alunos querem cursos em complexo ferroviário

Pais de alunos da escola municipal Matheus Maylasky e a comunidade do entorno da unidade escolar, que fica na região da Vila Santana, estão se mobilizando para que prédios ociosos que ficam no Complexo Ferroviário, próximo à escola, tenham futuramente cursos técnicos. Como forma de acelerar o processo e mostrar que a comunidade está engajada e apoia a iniciativa, um abaixo-assinado foi organizado. Mais de oito mil assinaturas foram coletadas. O resultado dessa mobilização foi entregue na última quinta-feira ao secretário de Educação de Sorocaba, Mario Bastos. O documento deverá ser encaminhado para o Secretário de Estado da Educação, João Cury Neto.

No documento, os pais argumentam que o aproveitamento dos prédios é importante já que estão em desuso. Eles ainda alegam que o complexo virou moradia de usuários de drogas e que o Complexo está ao lado do Terminal São Antônio, o que facilita a mobilidade para centenas de alunos.

Leia mais  Feriado antecipado em Sorocaba tem baixo impacto na taxa de isolamento

Em uma proposta de revitalização do centro da cidade está inclusa a proposta de que os prédios também sejam revitalizados. Conforme Kelen Pavani, uma das mães que estão engajadas na questão, já há uma instituição interessada em ministrar cursos no local. Ainda conforme ela, há um projeto na Secretaria de Educação sobre o tema, preparado pelos pais com assessoria especializada. “É importante pela qualidade do ensino”, diz. Conforme ela, a expectativa é que os investimentos, de cerca de R$ 700 mil para a reforma de um dos prédios, deverá vir de emendas parlamentares. Ela diz que deputados da região já foram consultadas sobre o assunto.

Reforma de um dos prédios é estimada em R$ 700 mil - FÁBIO ROGÉRIO

Reforma de um dos prédios é estimada em R$ 700 mil – FÁBIO ROGÉRIO

Ana Lúcia Bego Guimarães contou como enxerga a iniciativa. “Falo como mãe e como ferroviária. Quando eu vi a destruição dos prédios, me uni com a mães do Maylasky para que essa iniciativa possa ser uma realidade”, diz. A professora Ana Aurélia Garcia explica que além da questão educacional, há também a questão histórica do local. “É um pecado ficar nessa situação. A história não pode se perder, não pode morrer. Espero que essa iniciativa se realize”, opina.

Leia mais  Projetos pedem isenção de impostos municipais

Priscila Roberta de Lima diz que já enxerga num futuro próximo os filhos fazendo curso técnico no local. Um já estuda na escola Matheus Maylasky. “Como filha de ferroviário, fico triste com os prédios se deteriorando. É o ideal e vejo, sim, meus filhos estudando aqui”, diz. Também com dois filhos, sendo um estudante da escola Matheus Maylasky, Elizabete Vieira também conta que sonha com o filho estudando um curso técnico no local. “Sei que a escola técnica não vai acontecer da noite para o dia, mas tenho muita esperança de que isso aconteça”, comenta.

Prefeitura e Estado

A Prefeitura de Sorocaba confirmou que recebeu o documento e afirmou que, a pedido da Secretaria da Educação, a Secretaria do Gabinete do Governo está agendando uma data com o secretário de Estado da Educação, João Cury, para receber o grupo de pais e mães com o objetivo de discutir a proposta.

Leia mais  Parcelamento de multas de trânsito agrada motoristas

Segundo a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, o Complexo Ferroviário de Sorocaba é tombado e isso inclui a Escola Municipal Matheus Maylasky. “Existe a possibilidade de parcerias e cessão de uso de outras edificações, o que deve ser tratado com os responsáveis pelas propriedades”, alega.

Comentários