Sorocaba e Região

Paciente reclama de consultas remarcadas no CHS

Eva afirma enfrentar dificuldades, ainda, no atendimento de urologia
Eva tinha consulta em dezembro, remarcada para janeiro e agora, para fevereiro. Crédito da foto: Luiz Setti (22/1/2020)

 

A necessidade de agendamento com um oncologista e um urologista da rede estadual de saúde para o acompanhamento de um carcinoma renal fez com que a dona de casa Eva Pereira da Rocha, de 64 anos, moradora do Jardim Botucatu, fosse ao Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) por três vezes nos últimos dois meses sem ter sucesso. Ela passou por uma cirurgia para retirada de um nódulo há cerca de três anos, no rim direito.

Conforme as guias de encaminhamento, Eva foi atendida por uma médica do Hospital Regional no dia 14 de novembro e encaminhada para uma oncologista. A consulta seria no dia 23 de dezembro, mas acabou transferida para 15 de janeiro. A última informação, segundo a paciente, é de que o atendimento se dará em fevereiro — mas ela teme por uma nova mudança de data. “Eu levanto de manhã, chego ao hospital às 6h, e perco a viagem. Dizem que não tem médico, ou que não foi aberta a agenda”, afirma.

Leia mais  Votorantim iniciará mutirão de cirurgias

Eva afirma enfrentar dificuldades, ainda, no atendimento de urologia. Ela teve uma consulta com médico cirurgião em 19 de novembro, no Hospital Regional, mas não conseguiu ser encaminhada para o especialista na área. “O que acontece é que o médico de urologia para quem fui encaminhada não atende mais no hospital”, diz.

A paciente também faz acompanhamento pulmonar, dado o risco de metástases da doença, e afirma não conseguir realizar os exames de sangue e a tomografia de pulmão enquanto não passar pelo médico oncologista.

Resposta

A Secretaria de Estado da Saúde foi consultada sobre o assunto. A assessoria de imprensa respondeu, por telefone, que “não houve nenhum reagendamento” das consultas da paciente Eva Pereira da Rocha. De acordo com a pasta, a paciente está com suas consultas marcadas para os meses de fevereiro e março. (Da Redação)

Comentários