Sorocaba e Região

Operação flagra “gatos” de energia elétrica em empresas de Sorocaba e Araçariguama

Estimativa é de que o volume de energia desviado seja suficiente para abastecer mais de 500 casas durante um mês
Fiscalização flagrou fraudes em padaria e fábrica de fios e cabos. Crédito da foto: Emídio Marques / Arquivo JCS

 

Uma operação da concessionária CPFL Piratininga flagrou ligações irregulares de energia elétrica, conhecidos como “gatos”, em estabelecimentos comerciais nas cidades de Sorocaba e Araçariguama. A estimativa é de que o volume de energia desviado seja suficiente para abastecer mais de 500 residências médias durante um mês.

A ação divulgada nesta terça-feira (14) identificou fraudes e furtos de energia em uma padaria em Sorocaba e em uma empresa de fabricação de fios e cabos em Araçariguama.

Segundo a CPFL, os dois estabelecimentos comerciais chegaram a desviar 97,8 MWh do medidor de consumo, o que corresponde ao consumo de mais de 500 residências médias durante 30 dias. Se essa energia recuperada for convertida em tarifa de venda do serviço, ela representa cerca de R$ 66 mil, dos quais parte volta para os cofres públicos em forma de impostos (ICMS e PIS/Cofins) que não foram pagos.

Leia mais  Um dia na História

Além de quitar seus débitos com juros e correções monetárias para que a energia seja restabelecida, os envolvidos poderão responder criminalmente pelas irregularidades.

A CPFL Piratininga e as autoridades atuam constantemente para inspecionar e identificar irregularidades em unidades consumidoras de todos os bairros das cidades. As fraudes e furtos de energia são crimes previstos no Código Penal e a pena pode variar de um a quatro anos de detenção. Também são cobrados dos fraudadores os valores das tarifas referentes a todo o período em que ocorreu o roubo, acrescidos de multa.

“Outra consequência negativa é a piora na qualidade do serviço prestado. As ligações clandestinas sobrecarregam as redes elétricas, deixando o sistema de distribuição mais suscetível às interrupções no fornecimento”, explica o gerente de serviços comerciais da CPFL Energia, Renato Lucas de Freitas.

Consumidores que fazem “gato”, além de praticarem crime, também estão colocando as suas vidas e da população em risco. Pessoas não habilitadas que tentam manipular o medidor de energia ou realizar ligação direta na rede podem causar acidentes graves, até mesmo fatais. Consumidores podem fazer denúncias anônimas no site da concessionária. (Da Redação, com informações da CPFL Piratininga)

Comentários