Sorocaba e Região

Operação contra crimes de perigo à aviação cumpre mandados em Sorocaba

Polícia Federal investiga irregularidades na manutenção e documentação de aeronaves
A Polícia Federal cumpriu mandados em Sorocaba e outras quatro cidades. Foto: Divulgação / PF

Sorocaba e outras quatro cidades são alvos da operação Dédalo, de combate a crimes de perigo à aviação, deflagrada na manhã desta quarta-feira (10) pela Polícia Federal. Segundo a instituição, foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão em oficinas, residências e empresas, sendo três deles em Sorocaba. Não foram divulgados mais detalhes sobre a ação no município.

Também são alvos das buscas sete aeronaves, sem condições de circulação, “por possuírem irregularidades documentais e estruturais, que colocam em risco a aviação civil”, divulgou em nota a PF. Não houve prisões.

Leia mais  Solto há 8 meses, jovem volta a ser preso por tráfico de drogas em Tatuí

 

Conforme a PF, as investigações se iniciaram em 2016 após denúncia de irregularidades na manutenção de aeronaves e reportagens veiculadas pela imprensa à época, vinculando essas irregularidades a quedas de helicópteros. Após a instauração do inquérito policial, a PF em conjunto com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), procedeu à inspeção na empresa investigada, em que foram apreendidos documentos, peças e aeronaves.

Segundo a PF, eram refeitos reparos nas aeronaves além dos limites permitidos pelo fabricante. Foto: Divulgação / Polícia Federal

Exames periciais e análise dos documentos, além de contatos com fabricantes e autoridades estrangeiras dos Estados Unidos, comprovaram indícios de compra de aeronaves sinistradas, seu reparo além dos limites permitidos pelo fabricante, com utilização de registros supostamente fraudulentos ou com o aproveitamento de plaquetas e documentação para emprego em outras aeronaves, e falhas nos controles, colocando em risco a aviação civil.

Ainda de acordo com a investigação, também ficou evidenciada a falsificação de documentos, a não prestação ou prestação parcial ou dissimulada de informações à Anac, com o objetivo de dificultar ou iludir a fiscalização do órgão, além de fraudes fiscais nos processos de importação de aeronaves.

Cerca de 50 policiais federais e 20 fiscais da Anac participam diretamente da operação, realizada simultaneamente em três estados: Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Foram cumpridos também três mandados de busca e apreensão em Joinville, um Rio do Sul, dois em Curitiba e um em Birigui.

A PF informou que os investigados responderão pelos crimes de perigo à aviação, falsificação de documentos, falsidade ideológica e sonegação fiscal, cujas penas isoladas variam de um a seis anos de reclusão.

Comentários

CLASSICRUZEIRO