Sorocaba e Região

Obras de viaduto vão reduzir praça no Jardim América, em Sorocaba

Prefeitura anuncia a criação de duas ruas na área da praça Nova York após intervenção na Raposo tavares
praça nova york
Na praça serão criadas duas ruas. Moradores não sabem como serão as obras – Foto: Emidio Marques

O viaduto que está em construção no km 101 da rodovia Raposo Tavares, em Sorocaba, também irá provocar obras e mudanças na praça Nova York, que corta a avenida Washington Luiz, no bairro Jardim América. Segundo a Secretaria da Mobilidade e Acessibilidade (Semob) da Prefeitura de Sorocaba, as obras na praça Nova York são necessárias para aumentar a fluidez no trânsito assim que as obras do viaduto, que irá ligar as ruas João Wagner Wey e Augusto Lippel, estiverem concluídas. A previsão é que o viaduto seja entregue até o fim do mês que vem, mas a data exata não foi divulgada. A data para início e conclusão das obras que vão reduzir a área da praça também não foram divulgadas.

Na manhã desta quarta-feira (7), o Cruzeiro do Sul esteve na praça e conversou com moradores e funcionários de estabelecimentos comerciais que funcionam no entorno, mas eles disseram que ainda não estão sabendo das obras.

Leia mais  Polícia encontra tesoura no apartamento de onde menina caiu em Sorocaba

 

Segundo a Prefeitura, em conexão com o novo viaduto, além da construção de uma rotatória na confluência das ruas Heloísa de Oliveira Evangelista com Augusto Lippel, será feito um binário composto da avenida João Wagner Wey e Aclimação, cruzando a avenida Washington Luiz, até a avenida Presidente Kennedy — no bairro do Mangal, com mão única no sentido bairro-centro no trecho entre a avenida Caribe e a Presidente Kennedy. E no sentido inverso o trajeto começa na Presidente Kennedy, segue pelas ruas Manaus, Porto Alegre, José Crespo Lopes e praça Nova York, em mão única até a avenida Caribe, e daí em diante em mão dupla pela João Wagner Wey até ao novo viaduto.

De acordo com a Semob, atualmente, o leito da rua João Crespo Lopes é interrompido pela praça Nova York, exigindo que os motoristas a contornem. “Com a reforma na praça as duas partes dessa rua serão interligadas com um trecho pavimentado em parte da área onde hoje há a praça, descartando a necessidade de fazer o contorno, ou seja, deixando a via contínua. Essa rua formará o binário com a rua João Wagner Wey”, diz a pasta.

Leia mais  Ensino integral fecha 1.181 vagas em 1 ano em Sorocaba

 

Ainda segundo a Semob, as obras serão feitas pela construtora CRB como medidas mitigadoras. “A equipe de engenheiros da Prefeitura recebeu a empresa CRB e solicitou um projeto executivo destas obras e pediu para que eles solicitem a alteração dos locais de postes da CPFL Piratininga, existentes no local”, diz.

A Semob afirma também que durante as obras na praça Nova York, para determinados trabalhos, haverá a exigência de interdições, mas que elas serão feitas de forma a interferir o quanto menos no trânsito. “Todas as interdições serão divulgadas com antecedência e com orientações aos motoristas”, garante a pasta. A Semob não informou se haverá necessidade de desapropriações no local.

Leia mais  Empréstimos e vetos estão na pauta desta quinta da Câmara de Sorocaba

 

Os moradores e funcionários de comércios no entorno da praça não sabem o que será feito no local.

Obras no viaduto continuam

viaduto km 101 da raposo
Construção do viaduto tem fim previsto para março – Foto: Emidio Marques

Com previsão de inauguração até o fim do mês que vem, a Semob disse que a obra do viaduto já passou por diversas etapas, sendo a mais recente a concretagem de três tabuleiros, fazendo o acabamento. “Nesta semana será feita a colocação das placas de guarda-corpo e a concretagem das barreiras rígidas. E na semana que vem serão colocadas as tubulações do Saae e após a colocação, serão instaladas as placas de concretos das calçadas. E para concluir, a finalização das cabeceiras”, diz.

O projeto executivo do viaduto foi feito pela construtora Planeta e a obra está sendo conduzida pela construtora MRV, que contratou a empresa CSC para a execução das obras. Com custo estimado em R$ 8 milhões, as empresas arcam com esse orçamento, sem ônus para o município, como forma de adequação à demanda viária gerada pelos empreendimentos imobiliários feitos por elas. A obra, no entanto, gerou reclamações por parte dos moradores da região, diante do aumento do fluxo de veículos pelas ruas.

Comentários