Buscar no Cruzeiro

Buscar

Sorocaba

Ministro descarta nova onda de Covid-19

23 de Novembro de 2021 às 00:01
Ana Claudia Martins [email protected]cruzeiro.com.br
Ministro Marcelo Queiroga falou com a imprensa local durante visita ao Gpaci.
Ministro Marcelo Queiroga falou com a imprensa local durante visita ao Gpaci. (Crédito: FÁBIO ROGÉRIO (22/11/2021))

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse ontem (22) em Sorocaba, que o governo federal trabalha para que não haja uma nova onda de casos de Covid-19 no Brasil, como está ocorrendo nos últimos dias em alguns países da Europa. “O Ministério da Saúde trabalha para que não haja quarta onda e nem quinta onda e nem onda nenhuma. E para isso que nós estamos tomando todas as providências”, disse.

Queiroga reforçou a importância da vacinação para que o Brasil não tenha uma nova onda de casos da Covid-19. “Primeiro, quando não existia qualquer vacina, nós investimos na pesquisa com universidade de Oxford, que produziu uma vacina aqui no Brasil. Além de segura e eficaz, ela tem um excelente custo-benefício, porque custa menos de 4 dólares a dose. Segundo, nós fortalecemos a assistência a saúde, desde a atenção primária, e melhoramos as condições de unidades de terapia intensivas (UTIs), aumentamos de 23 mil leitos para 42 mil leitos, dando mais capacidade assistencial. Além disso, hoje os médicos, enfermeiros e fisioterapeutas já são muito mais qualificados para atender síndromes respiratórias agudas graves. E, depois, chegou a vacina e a narrativa era de que não tinha vacina. Aí, começou a chegar, aí falaram que não havia doses para a segunda aplicação, depois não tem a dose tal. E hoje temos doses suficientes para evitar uma nova onda. E para isso é necessário avançar na vacinação”, disse Queiroga.

O ministro da Saúde também citou os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro como exemplos da adesão à vacinação contra a Covid-19 no Brasil. “O Estado de São Paulo é um exemplo disso e está fazendo o seu dever de casa. Outros estados também, como o Rio de Janeiro, principalmente a capital fluminense. E vamos aplicar a terceira dose, pois nós temos base científica para isso, e como a população brasileira é muito aderente a vacinação, então, não precisa de lei para obrigar, as pessoas estão buscando a vacinação. E com isso nós temos uma perspectiva concreta de não ter aqui o que está acontecendo nos países europeus”.

O ministro também destacou a queda de novos casos da Covid-19 no Brasil e que a doença está praticamente controlada com o avanço da vacinação. “Nós temos hoje um momento de mais tranquilidade epidemiológica e uma queda importante do número de casos e óbitos de Covid-19. A vacinação caminha muito bem. O Brasil já distribuiu mais de 340 milhões de doses e aplicou mais de 300 milhões de doses, e já é um case de sucesso mundial, com isso a questão sanitária está mais estabilizada”, reforça Queiroga.

Vacina para crianças

O ministro da Saúde disse que ainda não há nenhuma vacina contra a Covid-19 autorizada no Brasil para imunizar crianças de 5 a 11 anos, conforme pediu o governo estadual de São Paulo para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Tem que se fazer uma análise muito mais complexa acerca de inclusão de novos grupos, lembrando que toda tecnologia, não só vacinas, tem que ser analisada por diferentes prismas: o primeiro é a segurança, segundo a eficácia, terceiro a efetividade”, afirma Queiroga.

Comprovante para estrangeiros

O ministro da Saúde informou que a pasta federal ainda está analisando a questão da exigência ou não de comprovante de vacina contra a Covid-19 para estrangeiros no Carnaval 2022. Já que as capitais de São Paulo e do Rio de Janeiro deverão ter festejos carnavalescos, que reúnem milhões de pessoas, inclusive estrangeiros.

“Essas questões estão em estudo e o Ministério da Saúde não se manifestou acerca disso porque nós temos uma posição de cautela para verificar como que está o cenário epidemiológico. Essa questão dos estrangeiros a diplomacia se fala na reciprocidade e vamos estudar isso aí”, disse Queiroga. (Ana Cláudia Martins)